Tal pai, tal fi­lho… na vi­da e na pro­fis­são

Fa­mí­lia e Pro­fis­são

OftalPro - - REPORTAGEM -

São mui­tos os di­ta­dos po­pu­la­res, as sa­be­do­ri­as dei­xa­das pe­los nos­sos an­te­pas­sa­dos que nos fa­lam do tes­te­mu­nho que os pais dei­xam aos seus fi­lhos. Va­lo­res, pai­xões, gos­tos, se­me­lhan­ças fí­si­cas, tra­ços de per­so­na­li­da­de são par­tes des­ta he­ran­ça que atra­ves­sa ge­ra­ções. En­quan­to cri­an­ças, eles ido­la­tram, ad­mi­ram, “brin­cam às pro­fis­sões”, as­pi­ran­do um dia se­guir os mes­mos pas­sos. A uma ques­tão sim­ples co­mo “o que que­res ser qu­an­do fo­res gran­de?”, a res­pos­ta saía na pon­ta da lín­gua: “qu­e­ro ser igual a ti!”

Vi­vi­na e Fi­li­pe Ca­bri­ta. Jai­me e Mi­guel Araú­jo. Du­as fa­mí­li­as ao aca­so en­tre um sem nú­me­ro de exem­plos de pais que ins­pi­ra­ram os fi­lhos a abra­ça­rem a mes­ma pro­fis­são. Es­ta­mos a fa­lar de pro­fis­si­o­nais já com pro­vas da­das na área em que atu­am, que vêem com um or­gu­lho des­me­di­do es­tam­pa­do nos ros­tos os seus fi­lhos a da­rem os seus pró­pri­os pas­sos nu­ma ati­vi­da­de que é to­dos os di­as um de­sa­fio. Ha­bi­tu­a­dos des­de pe­que­nos a vi­ve­rem a pro­fis­são dos pais, o “bi­chi­nho” foi nas­cen­do e, ho­je, mes­mo que o te­ma tra­ba­lho não en­tre em ca­sa, há mo­men­tos que se par­ti­lham, an­gús­ti­as, ex­pe­ri­ên­ci­as, vi­tó­ri­as, ale­gri­as, fra­cas­sos. A is­to se cha­ma fa­mí­lia. Em Por­tu­gal, são mui­tos os ca­sos de pais e fi­lhos que par­ti­lham o mes­mo “pal­co”. Des­de as car­rei­ras di­tas tra­di­ci­o­nais, co­mo Me­di­ci­na e Di­rei­to, até às mais “al­ter­na­ti­vas”, co­mo as ar­tes cé­ni­cas, a op­ção é se­guir as pi­sa­das dos pro­ge­ni­to­res, mui­tas ve­zes por se­gu­ran­ça, ou­tras por pai­xão. Em al­gu­mas fa­mí­li­as mais con­ser­va­do­ras, é a von­ta­de de pre­ser­var a his­tó­ria e a tra­di­ção que aca­ba por di­tar o fu­tu­ro pro­fis­si­o­nal dos seus mem­bros. To­da­via, não é dis­so que ire­mos fa­lar. Com os nos­sos en­tre­vis­ta­dos, não hou­ve qual­quer ti­po de im­po­si­ção, mes­mo in­cons­ci­en­te­men­te. É a von­ta­de de tra­ba­lhar com al­guém que tem mui­to a en­si­nar e que são ver­da­dei­ros exem­plos en­quan­to pro­fis­si­o­nais que mo­ti­va o Fi­li­pe e o Mi­guel.

“Or­gu­lho-me do apre­ço que os do­en­tes têm por ela”

É no Al­gar­ve que po­de­mos en­con­trá-los. Vi­vi­na Ca­bri­ta, que dá no­me a uma clí­ni­ca of­tal­mo­ló­gi­ca no sul do país, tem de­sen­vol­vi­do a sua ati­vi­da­de des­de 1986, dan­do um for­te con­tri­bu­to pa­ra a me­lho­ria da saú­de dos olhos da po­pu­la­ção al­gar­via. Uti­li­zan­do téc­ni­cas e um ‘know how’ de to­po, ali­cer­ça­dos nas prá­ti­cas mais re­cen­tes a ní­vel in­ter­na­ci­o­nal, Vi­vi­na es­co­lheu of­tal­mo­lo­gia por “ser uma es­pe­ci­a­li­da­de mé­di­co-ci­rúr­gi­ca e de tra­tar de um sen­ti­do tão es­sen­ci­al e, no en­tan­to, tão com­ple­xo, co­mo a

vi­são”, par­ti­lhou com a Re­vis­ta Of­talP­ro. Olhan­do pa­ra o fi­lho, Fi­li­pe Ca­bri­ta, Vi­vi­na re­co­nhe­cia-lhe com­pe­tên­ci­as e qua­li­da­des que lhe po­de­ri­am con­fe­rir um bom de­sem­pe­nho pro­fis­si­o­nal nes­ta área. E foi exa­ta­men­te is­so que acon­te­ceu. Fi­li­pe se­guiu as pe­ga­das da mãe, co­me­çan­do des­de mui­to ce­do a re­ter in­for­ma­ções sem­pre que acom­pa­nha­va a pro­ge­ni­to­ra ao Hos­pi­tal, de­pois das au­las. “Nes­sa al­tu­ra, co­me­cei a con­tac­tar e a per­ce­ber al­gu­mas pa­to­lo­gi­as of­tal­mo­ló­gi­cas, co­mo des­co­la­men­tos de re­ti­na e ca­ta­ra­tas. Tam­bém nes­sa ida­de, ha­bi­tu­ei-me a ver ví­de­os de ci­rur­gi­as of­tal­mo­ló­gi­cas e sli­des com ima­gens de re­ti­no­gra­fi­as e an­gi­o­gra­fia que ha­via lá por ca­sa. To­das es­tas ex­pe­ri­ên­ci­as, e es­te con­tac­to pre­co­ce com a of­tal­mo­lo­gia, des­per­ta­ram em mim uma atra­ção que me tem acom­pa­nha­do to­da a vi­da”, ex­pli­cou. Daí que, qu­an­do qu­es­ti­o­na­do so­bre a pos­si­bi­li­da­de da pro­fis­são da mãe ter pe­sa­do na sua de­ci­são, Fi­li­pe Ca­bri­ta não ter de­mons­tra­do a mí­ni­ma dú­vi­da. “A pai­xão pe­la of­tal­mo­lo­gia tem ori­gem na mi­nha in­fân­cia. Em cri­an­ça cos­tu­ma­va ter brin­ca­dei­ras em que ope­ra­va os meus bo­ne­cos às ca­ta­ra­tas. E ago­ra, em adul­to, fa­ço o mes­mo aos meus do­en­tes”, par­ti­lhou. Uma brin­ca­dei­ra que se tor­nou bas­tan­te mais sé­ria e que as­su­me com or­gu­lho. Ho­je, es­te tra­ba­lho sig­ni­fi­ca mui­to. “É fa­zer al­go que gos­to mui­to e que sem­pre so­nhei”. Ter a mes­ma pro­fis­são da mãe é, por um la­do, uma aju­da es­sen­ci­al pa­ra se in­se­rir no mer­ca­do de tra­ba­lho. Por ou­tro la­do, a tro­ca de co­nhe­ci­men­to é be­né­fi­ca pa­ra am­bos e pa­ra um ter­cei­ro ele­men­to, sem­pre cen­tral: o pa­ci­en­te. Tam­bém Vi­vi­na Ca­bri­ta, atu­al­men­te di­re­to­ra clí­ni­ca da Clí­ni­ca Vi­vi­na Ca­bri­ta e do Cen­tro Mé­di­co de Mes­si­nes on­de dá con­sul­tas e re­a­li­za ci­rur­gi­as de of­tal­mo­lo­gia, não vê qual­quer des­van­ta­gem nes­ta par­ti­lha de pro­fis­são. Pe­lo con­trá­rio. “O fac­to de po­der dis­cu­tir os ca­sos clí­ni­cos mais pro­ble­má­ti­cos, ou­vir a opi­nião de um of­tal­mo­lo­gis­ta mais no­vo e uma abor­da­gem so­bre ou­tro pon­to de vis­ta” é um com­ple­men­to que de­ve ser en­ca­ra­do co­mo uma tre­men­da mais va­lia. Or­gu­lho é ou­tro sen­ti­men­to que en­tra em ca­sa des­ta fa­mí­lia. De mãe pa­ra fi­lho: “or­gu­lha-me o em­pe­nho que mos­tra em aper­fei­ço­ar-se tec­ni­ca­men­te e o bom re­la­ci­o­na­men­to que tem com os pa­ci­en­tes”. De fi­lho pa­ra mãe: “or­gu­lho-me do apre­ço que os seus do­en­tes têm por ela e da qua­li­da­de do seu tra­ba­lho”.

Vi­vi­na Ca­bri­ta

Fi­li­pe Ca­bri­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.