“A Ocu­lo­plás­ti­ca tem des­per­ta­do o in­te­res­se de mais of­tal­mo­lo­gis­tas”

João Ca­bral

OftalPro - - ENTREVISTA -

Foi en­tre 13 e 14 de mar­ço que de­cor­reu o IV Con­gres­so Ibe­roa­me­ri­ca­no de Ocu­lo­plás­ti­ca e Ór­bi­ta, pe­la pri­mei­ra vez or­ga­ni­za­do em Por­tu­gal. Es­te even­to bi­a­nu­al, in­ter­ca­la­do en­tre os con­ti­nen­tes ame­ri­ca­no e eu­ro­peu, mo­vi­men­ta sem­pre cen­te­nas de pro­fis­si­o­nais des­ta es­pe­ci­a­li­da­de mé­di­ca “de­li­ca­da”. O gran­de fo­co foi a união en­tre os pro­fis­si­o­nais, pe­la via da par­ti­lha de co­nhe­ci­men­tos, pa­ra dar a co­nhe­cer as me­lho­res so­lu­ções pa­ra os pro­ble­mas e, des­ta for­ma, evi­tar ca­mi­nhos er­ra­dos. A Of­talP­ro fa­lou com João Ca­bral, res­pon­sá­vel pe­la or­ga­ni­za­ção do Con­gres­so, que nos con­fi­den­ci­ou que es­te even­to foi um enor­me su­ces­so, em es­pe­ci­al com a in­ter­ven­ção lu­sa nas me­sas re­don­das e nou­tros mo­men­tos co­mo as co­mu­ni­ca­ções li­vres, que “abri­lhan­ta­ram a par­ti­ci­pa­ção por­tu­gue­sa num con­gres­so in­ter­na­ci­o­nal des­ta en­ver­ga­du­ra”.

Of­talP­ro: Qual é o ba­lan­ço que faz do IV Con­gres­so Ibe­roa­me­ri­ca­no de Ocu­lo­plás­ti­ca e Ór­bi­ta?

João Ca­bral: Pos­so di­zer que foi mui­to pro­vei­to­so pa­ra to­dos, pe­los co­men­tá­ri­os que me têm che­ga­do. Es­te even­to re­ve­lou-se uma ex­ce­len­te opor­tu­ni­da­de de me­lho­rar os nos­sos co­nhe­ci­men­tos da Ocu­lo­plás­ti­ca, de es­cla­re­cer al­gu­mas pos­sí­veis dú­vi­das e ou­vir e co­men­tar di­fe­ren­tes for­mas de abor­da­gem dos pro­ble­mas que nos sur­gem no dia a dia. Pe­la gran­de afluên­cia de por­tu­gue­ses, es­pe­ci­al­men­te dos mais jo­vens, co­mo as­sis­ten­tes e co­mo apre­sen­ta­do­res de tra­ba­lhos, po­de­mos de­du­zir que o con­gres­so tam­bém con­tri­buiu pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to des­ta sub-es­pe­ci­a­li­da­de em Por­tu­gal, que pou­co a pou­co tem vin­do a des­per­tar o in­te­res­se e a prá­ti­ca de mais of­tal­mo­lo­gis­tas. Foi igual­men­te opor­tu­ni­da­de de re­ver ve­lhos ami­gos em nos­sa ca­sa, pa­ra mui­tos uma no­va ex­pe­ri­ên­cia, e as­sim pu­de­mos re­tri­buir um pou­co da hos­pi­ta­li­da­de com que nos re­ce­be­ram nas su­as ci­da­des. Ve­lhos ami­gos, mas com uma gran­de ca­pa­ci­da­de cri­a­ti­va, sem­pre com idei­as no­vas, com no­vos mo­dos de tra­tar do­en­tes com es­ta pa­to­lo­gia tão de­li­ca­da.

OF: Qu­an­tos pro­fis­si­o­nais (na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais) par­ti­ci­pa­ram no even­to?

JC: Na to­ta­li­da­de, hou­ve 166 ins­cri­tos. Des­tes, cer­ca de 69 por­tu­gue­ses, 72 de Es­pa­nha, 10 bra­si­lei­ros, oi­to me­xi­ca­nos, cin­co da res­tan­te Eu­ro­pa (Fran­ça, Ale­ma­nha e Suíça), e dois da Ará­bia Sau­di­ta. Na­tu­ral­men­te, não es­pe­rá­va­mos tão gran­de afluên­cia na­ci­o­nal, o que re­fle­te o in­te­res­se cres­cen­te que es­ta sub-es­pe­ci­a­li­da­de es­tá a ter em Por­tu­gal.

OF: Dis­se que es­te con­gres­so se­ria, “se­gu­ra­men­te, uma boa oca­sião pa­ra re­ver e atu­a­li­zar co­nhe­ci­men­tos, ana­li­sar as evidências ci­en­tí­fi­cas, co­nhe­cer as prá­ti­cas clí­ni­cas, e pro­mo­ver con­tac­tos en­tre ocu­lo­plás­ti­cos”. Foi en­tão o que acon­te­ceu a 13 e 14 de mar­ço?

JC: Sem dú­vi­da. Acon­te­ceu tu­do is­to e ain­da mais. Fo­ram mui­to di­dá­ti­cas as con­fe­rên­ci­as, tal co­mo o de­ba­te que se pro­por­ci­o­nou en­tre os di­fe­ren­tes ora­do­res e en­tre os ora­do­res e a as­sis­tên­cia, no de­sen­ro­lar das vá­ri­as me­sas re­don­das, mo­men­to bas­tan­te pro­du­ti­vo e prag­má­ti­co. Os tem­pos de pau­sa en­tre as vá­ri­as ses­sões pro­por­ci­o­na­ram o con­tac­to com es­pe­ci­a­lis­tas de re­no­me in­ter­na­ci­o­nal e, na re­a­li­da­de, pro­gra­ma­ram-se es­tá­gi­os de por­tu­gue­ses nes­ses cen­tros do es­tran­gei­ro.

OF: Dis­se-nos ain­da, na entrevista de an­te­vi­são, que gos­ta­ri­am de dis­cu­tir idei­as, téc­ni­cas e bons re­sul­ta­dos, mas tam­bém al­guns “maus re­sul­ta­dos” em Ocu­lo­plás­ti­ca. Porquê?

JC: Pen­so que na Me­di­ci­na em ge­ral, em con­cre­to nas es­pe­ci­a­li­da­des ci­rúr­gi­cas e den­tro des­tas as re­la­ci­o­na­das com a com­po­nen­te es­té­ti­ca, po­de­mos co­me­ter mui­tos er­ros. E de fac­to co­me­te­mos. Um

as­pe­to im­por­tan­te que se en­con­tra nes­te con­jun­to de ocu­lo­plás­ti­cos de ori­gem la­ti­na é uma cer­ta ha­bi­li­da­de na­tu­ral pa­ra des­co­brir e ex­pe­ri­men­tar no­vos mo­dos de re­sol­ver os pro­ble­mas que se nos de­pa­ram, que são to­dos di­fe­ren­tes e ca­da um re­quer uma ma­nei­ra de atu­ar, que va­ria mui­to con­so­an­te a for­ma­ção e a ex­pe­ri­ên­cia que ca­da um tem. Des­ta atu­a­ção, nor­mal­men­te os re­sul­ta­dos são bons, mas in­fe­liz­men­te nem sem­pre. Por is­so, pro­cu­ra­mos apren­der bo­as so­lu­ções pa­ra pôr em prá­ti­ca qu­an­do ne­ces­sá­rio e ter co­nhe­ci­men­to de más so­lu­ções, pa­ra que as pos­sa­mos evi­tar. To­dos va­mos apren­den­do com os er­ros pró­pri­os e dos ou­tros. Nes­te sen­ti­do, uma reu­nião que te­nha es­te as­pe­to em con­ta, é se­gu­ra­men­te mui­to útil pa­ra o exer­cí­cio da clí­ni­ca do dia a dia.

OF: Sen­te que fi­ca­ram à al­tu­ra das ex­pec­ta­ti­vas dos par­cei­ros in­ter­na­ci­o­nais?

JC: Sim, te­nho a sor­te de co­nhe­cer a mai­o­ria dos ora­do­res há vá­ri­os anos e sen­ti que de­ram o seu me­lhor. Qu­an­to aos ora­do­res que não co­nhe­cia, foi uma agra­dá­vel sur­pre­sa des­co­brir e po­der co­nhe­cer no­vos co­le­gas, que lu­tam com os mes­mos pro­ble­mas que nos sur­gem com frequên­cia.

OF: Pa­ra qu­an­do uma no­va edi­ção? E em que país se­rá?

JC:: Fi­cou de­fi­ni­do que a pró­xi­ma edi­ção, o V Con­gres­so Ibe­roa­me­ri­ca­no de Ocu­lo­plás­ti­ca e Ór­bi­ta, se­rá no Bra­sil, em Be­lo Ho­ri­zon­te, no iní­cio de 2016.<

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.