PRO­JE­TO “VI­SÃO GUI­NÉ”

OftalPro - - SUMÁRIO -

Foi em 2011 que o pro­je­to “Vi­são Gui­né” pas­sou da te­o­ria à prá­ti­ca e che­gou a ter­ras de Gui­né-Bis­sau. Uma equi­pa de 30 pro­fis­si­o­nais por­tu­gue­ses des­lo­cou-se a On­da­me, uma re­gião mui­to ca­ren­ci­a­da si­tu­a­da a nor­te de Bis­sau, com o ob­je­ti­vo de “cui­dar” da po­pu­la­ção lo­cal, prin­ci­pal­men­te no que diz res­pei­to a do­en­ças de fo­ro of­tal­mo­ló­gi­co.

Foi em 2011 que o pro­je­to “Vi­são Gui­né” pas­sou da te­o­ria à prá­ti­ca e che­gou a ter­ras de Gui­né-Bis­sau. Uma equi­pa de 30 pro­fis­si­o­nais por­tu­gue­ses des­lo­cou-se a On­da­me, uma re­gião mui­to ca­ren­ci­a­da si­tu­a­da a nor­te de Bis­sau, com o ob­je­ti­vo de “cui­dar” da po­pu­la­ção lo­cal, prin­ci­pal­men­te no que diz res­pei­to a do­en­ças de fo­ro of­tal­mo­ló­gi­co. Pa­ra sa­ber­mos mais so­bre es­ta ação hu­ma­ni­tá­ria, fo­mos ao en­con­tro do seu co­or­de­na­dor, Luís Gon­çal­ves. Du­ran­te a lon­ga con­ver­sa que ti­ve­mos, no seu con­sul­tó­rio em Gui­ma­rães, es­te mé­di­co of­tal­mo­lo­gis­ta es­pe­lhou a es­sên­cia des­ta ini­ci­a­ti­va. “Mais do que trans­mi­tir con­teú­dos, a ideia é trans­mi­tir re­la­ção. Mais do que ver re­sul­ta­dos e fru­tos ime­di­a­tos, é se­me­ar tes­te­mu­nhos. Mais do que sa­tis­fa­zer ne­ces­si­da­des in­di­vi­du­ais, é ir ao en­con­tro das ne­ces­si­da­des dos ou­tros. Mais do que que­rer mu­dar aque­la re­a­li­da­de, é que­rer ser so­li­dá­rio”.

Começou por nos con­tar a sua in­te­gra­ção no pro­je­to “Vi­são Gui­né”. “Tra­tou-se de um pe­di­do de co­la­bo­ra­ção fei­to por um gru­po de pes­so­as, da Fun­da­ção João XXIII, que, ape­sar de não te­rem gran­des re­cur­sos, re­a­li­zam fé­ri­as so­li­dá­ri­as na re­gião de On­da­me, na Gui­né, já há mui­tos anos. É um lo­cal ex­tre­ma­men­te pobre, on­de os ca­sos de pa­to­lo­gia of­tal­mo­ló­gi­ca, em es­pe­ci­al ca­sos de ce­guei­ra por ca­ta­ra­ta e tra­co­ma, são inú­me­ros”. Luís Gon­çal­ves con­ti­nu­ou e re­fe­riu que “to­dos nós ali­men­ta­mos, no nos­so ín­ti­mo, um de­se­jo de apoi­ar cau­sas de ca­riz so­ci­al ou hu­ma­ni­tá­rio. Ao fa­zê-lo sen­ti­mo-nos bem, vi­vos e ati­vos. O que nos di­fe­ren­cia, de­pois, é a for­ma co­mo ca­da um se sen­te mais to­ca­do e en­vol­vi­do por uma ou por ou­tra ação. Co­mo of­tal­mo­lo­gis­ta sem­pre me in­ter­ro­guei por­que não ha­ve­ria de dis­po­ni­bi­li­zar al­guns di­as do ano pa­ra mi­ni­mi­zar, num país pobre, aque­la que, ain­da ho­je, é a mai­or cau­sa tra­tá­vel de ce­guei­ra no mun­do: a ca­ta­ra­ta. Ao re­ce­ber es­te pe­di­do, achei que

ti­nha che­ga­do a ho­ra de ser co­e­ren­te co­mi­go mes­mo e que se­ria qua­se co­mo que uma obri­ga­ção dar uma res­pos­ta po­si­ti­va”. E foi as­sim que, em 2011, se re­a­li­zou a pri­mei­ra mis­são “Vi­são Gui­né”.

As mis­sões

De­pois des­ta pri­mei­ra, em que es­ti­ve­ram en­vol­vi­dos cin­co of­tal­mo­lo­gis­tas por­tu­gue­ses (sem con­tar com os res­tan­tes es­pe­ci­a­lis­tas, ele­men­tos de en­fer­ma­gem e téc­ni­cos das mais di­ver­sas áre­as), ti­ve­ram

Al­guns da­dos

lu­gar mais três mis­sões. “A pri­mei­ra te­ve um ca­rá­ter es­sen­ci­al­men­te hu­ma­ni­tá­rio. Num pe­río­do de um mês, fo­ram re­a­li­za­das cer­ca de 160 ci­rur­gi­as e apro­xi­ma­da­men­te 900 con­sul­tas. Da­da a ex­pe­ri­ên­cia ad­qui­ri­da e os con­tac­tos es­ta­be­le­ci­dos, qui­se­mos dar con­ti­nui­da­de à ação hu­ma­ni­tá­ria de­sen­vol­vi­da. Lan­ça­ram-se en­tão as ba­ses pa­ra uma ini­ci­a­ti­va mais sus­ten­ta­da, dan­do um pen­dor for­ma­ti­vo mais vin­ca­do no pro­je­to a de­sen­vol­ver. A me­ta prin­ci­pal foi do­tar o hos­pi­tal de Cu­mu­ra (um hos­pi­tal per­ten- Na Gui­né-Bis­sau, há três of­tal­mo­lo­gis­tas pa­ra qua­se 1,5 mi­lhão de pes­so­as. Segundo da­dos da Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al de Saú­de, exis­ti­rão en­tre cin­co e seis mi­lhões de adul­tos e cri­an­ças ce­gos na Áfri­ca sub-sa­ri­a­na. Des­tes, cer­ca de 2,4 mi­lhões são ce­gos de­vi­do a ca­ta­ra­tas. Ou­tra cau­sa de ce­guei­ra é o tra­co­ma. Afe­ta es­pe­ci­al­men­te a po­pu­la­ção jo­vem e, na Gui­né, exis­tem re­giões em que a pre­va­lên­cia de le­sões por tra­co­ma atin­ge cer­ca de 25 por cen­to da po­pu­la­ção. “No con­jun­to das mis­sões já re­a­li­za­das fo­ram efe­tu­a­das cer­ca de 2500 con­sul­tas e apro­xi­ma­da­men­te 350 ci­rur­gi­as. A mai­o­ria fo­ram ci­rur­gi­as a ca­ta­ra­tas re­a­li­za­das pre­fe­ren­ci­al­men­te a pa­ci­en­tes com ca­ta­ra­tas bi­la­te­rais. Tam­bém fo­ram re­a­li­za­das ci­rur­gi­as ao tra­co­ma. Além des­ta ati­vi­da­de, foi pro­mo­vi­da uma cam­pa­nha de pre­ven­ção do tra­co­ma e vá­ri­as ses­sões de for­ma­ção pa­ra os téc­ni­cos lo­cais”, ex­pli­cou Luís Gon­çal­ves.

cen­te a pa­dres fran­cis­ca­nos) com os mei­os téc­ni­cos ne­ces­sá­ri­os pa­ra que se tor­ne um cen­tro de for­ma­ção e as­sis­tên­cia of­tal­mo­ló­gi­ca na Gui­né-Bis­sau e on­de, pe­ri­o­di­ca­men­te, se pos­sam des­lo­car equi­pas de vo­lun­tá­ri­os com o ob­je­ti­vo de re­a­li­za­rem ci­rur­gi­as of­tal­mo­ló­gi­cas a es­ta po­pu­la­ção tão ca­ren­ci­a­da e fa­ze­rem for­ma­ção de téc­ni­cos lo­cais pa­ra, tan­to qu­an­to pos­sí­vel, pro­mo­ve­rem a sua au­tos­su­fi­ci­ên­cia”, afir­mou o res­pon­sá­vel. De­pois de cri­a­das as con­di­ções lo­gís­ti­cas no ter­re­no pa­ra a re­a­li­za­ção de ci­rur­gi­as ocu­la­res (es­pe­ci­al­men­te a ci­rur­gia da ca­ta­ra­ta), e mo­ti­va­dos os ele­men­tos lo­cais a ini­ci­ar com es­tas no­vas téc­ni­cas, re­a­li­zou-se em Por­tu­gal um cur­so in­ten­si­vo de mi­cro­ci­rur­gia ocu­lar. “Pro­por­ci­o­ná­mos a al­guns ele­men­tos da Gui­né-Bis­sau a pos­si­bi­li­da­de de pra­ti­ca­rem du­ran­te dois ou três di­as, em olhos de ani­mais, os mé­to­dos mais mo­der­nos da ci­rur­gia da ca­ta­ra­ta. A fa­mi­li­a­ri­za­ção com os mo­der­nos equi­pa­men­tos de ci­rur­gia da ca­ta­ra­ta por ele­men­tos que já têm ex­pe­ri­ên­cia ci­rúr­gi­ca ad­qui­ri­da com a uti­li­za­ção do mi­cros­có­pio, per­mi­ti­rá uma pro­gres­são mais rá­pi­da e con­se­quen­te. É nes­te per­cur­so de au­tos­sus­ten­ta­bi­li­da­de das co­mu­ni­da­des lo­cais que po­de e de­ve ca­mi­nhar a nos­sa von­ta­de de ser so­li­dá­rio. Acre­di­ta­mos que es­ta­mos no ca­mi­nho cer­to e que es­ta­mos a di­re­ci­o­nar o sen­ti­do hu­ma­ni­tá­rio de to­dos os en­vol­vi­dos, pa­ra um pla­no com bo­as pers­pe­ti­vas de con­ti­nui­da­de e de fu­tu­ro”. De acor­do com Luís Gon­çal­ves, to­das as mis­sões re­a­li­za­das cum­pri­ram as­sim os pro­pó­si­tos pre­vi­a­men­te es­ta­be­le­ci­dos. “Ins­ta­lá­mos os equi­pa­men­tos mais ne­ces­sá­ri­os no Hos­pi­tal de Cu­mu­ra, re­a­li­zá­mos ci­rur­gi­as of­tal­mo­ló­gi­cas, for­má­mos al­guns téc­ni­cos lo­cais pro­mo­ven­do a sua au­tos­su­fi­ci­ên­cia, quer ao ní­vel da ci­rur­gia da ca­ta­ra­ta, quer ao ní­vel da cir­cu­la­ção no blo­co ope­ra­tó­rio, da ins­tru­men­ta­ção, da es­te­ri­li­za­ção, en­tre ou­tros as­pe­tos”. A quin­ta mis­são, que de­ve­rá ocor­rer no fi­nal des­te ano ou no iní­cio do pró­xi­mo, en­con­tra-se já em pre­pa­ra­ção.

As equi­pas “so­li­dá­ri­as”

Luís Gon­çal­ves, da Clí­ni­ca Of­tal­mo­cen­ter de Gui­ma­rães, Ru­fi­no Sil­va e Da­li­la Co­e­lho, do Cen­tro Hos­pi­ta­lar da Uni­ver­si­da­de de Coimbra, Di­o­ní­sio Cor­te­são, do Hos­pi­tal In­fan­te D. Pedro de Avei­ro, Su­sa­na Tei­xei­ra, do Hos­pi­tal Fer­nan­do Fon­se­ca

da Ama­do­ra, Jo­el Hen­ri­que, do Hos­pi­tal de Bra­ga, Ro­sá­rio Va­ran­das, do Cen­tro Hos­pi­ta­lar de Vi­la No­va de Gaia, Mi­guel Ama­ro e Eunice Guer­ra, do Hos­pi­tal Vi­la Fran­ca de Xi­ra, João No­bre Car­do­so, do Hos­pi­tal de Al­ma­da, Cris­ti­na Sou­sa, do Hos­pi­tal de São João do Por­to, Ri­car­do Amo­rim, do Hos­pi­tal de San­ta Ma­ria de Lis­boa, e Te­re­sa Paí­nhas, do Hos­pi­tal São Se­bas­tião de San­ta Ma­ria da Fei­ra. São es­tes os of­tal­mo­lo­gis­tas vo­lun­tá­ri­os que já co­la­bo­ra­ram uma ou mais ve­zes com o pro­je­to “Vi­são Gui­né”. De vá­ri­os pon­tos do país, es­tes es­pe­ci­a­lis­tas co­lo­ca­ram-se ao ser­vi­ço da­que­las pes­so­as. A ca­da no­va mis­são, mais of­tal­mo­lo­gis­tas se vão dis­po­ni­bi­li­zan­do pa­ra for­mar as equi­pas. Pa­ra além dos of­tal­mo­lo­gis­tas, as equi­pas do “Vi­são Gui­né” in­clu­em pro­fis­si­o­nais de ou­tras áre­as, em es­pe­ci­al ele­men­tos de en­fer­ma­gem que, em con­jun­to, con­se­gui­ram ar­ran­car sor­ri­sos a inú­me­ros gui­ne­en­ses. Pa­ra as­si­na­lar ca­da uma das mis­sões, Luís Gon­çal­ves ela­bo­rou al­guns li­vros fo­to­grá­fi­cos on­de do­cu­men­ta ca­da uma das ações de for­ma ab­so­lu­ta­men­te ma­gis­tral. Du­ran­te es­ta entrevista, ti­ve­mos opor­tu­ni­da­de de ver es­tes ál­buns e de per­ce­ber mais apro­fun­da­da­men­te a di­nâ­mi­ca e a enor­mi­da­de des­tas mis­sões. Ve­ja, nas pá­gi­nas 22 e 23 des­ta re­por­ta­gem, os tes­te­mu­nhos ins­pi­ra­do­res de al­guns do of­tal­mo­lo­gis­tas que par­ti­ci­pa­ram nes­tas mis­sões.

XOVA: “Ex­cel­len­ce in Oph­tal­mo­logy Vi­si­on Award”

O pro­je­to “Vi­são Gui­né” transpôs as fron­tei­ras da Gui­né, as­sim co­mo as de Por­tu­gal, e che­gou às bo­cas do mun­do. Em 2011, es­ta ação hu­ma­ni­tá­ria ar­re­ca­dou o XOVA (Ex­cel­len­ce in Oph­tal­mo­logy Vi­si­on Award), um pré­mio in­ter­na­ci­o­nal que dis­tin­gue a ex­ce­lên­cia em Of­tal­mo­lo­gia. É atri­buí­do por um jú­ri, cons­ti­tuí­do por cer­ca de 30 of­tal­mo­lo­gis­tas de to­do o mun­do, a pro­fis­si­o­nais da vi­são que de­sen­vol­vam pro­je­tos com im­pac­to sig­ni­fi­ca­ti­vo na me­lho­ria da qua­li­da­de de cuidados of­tal­mo­ló­gi­cos em paí­ses sub­de­sen­vol­vi­dos. Pa­ra Luís Gon­çal­ves, “es­te pré­mio re­pre­sen­ta o re­co­nhe­ci­men­to da co­mu­ni­da­de ci­en­tí­fi­ca in­ter­na­ci­o­nal, ten­do si­do uma gran­de sa­tis­fa­ção pa­ra to­da a equi­pa re­ce­ber es­ta dis­tin­ção. Foi mui­to bom, pois tí­nha­mos ini­ci­a­do o pro­je­to há pou­co tem­po e per­mi­tiu-nos com­prar mais equi­pa­men­tos e con­su­mí­veis ci­rúr­gi­cos pa­ra aju­dar aque­las po­pu­la­ções”.

“Aju­dar é bom...”

“Tra­ta-se de uma ex­pe­ri­ên­cia hu­ma­na pro­fun­da, pois, mais do que fa­zer nú­me­ros, va­mos lá pa­ra ser­mos so­li­dá­ri­os, pa­ra es­tar com... pa­ra dar­mos um si­nal de es­pe­ran­ça! Sa­be­mos que mu­da­mos a vi­da a mui­tas pes­so­as... é uma ale­gria na al­ma”. É o tes­te­mu­nho dei­xa­do por Luís Gon­çal­ves, acres­cen­tan­do que, quem se re­vê nu­ma ati­vi­da­de des­tas, tem que pon­de­rar dis­po­ni­bi­li­zar uma ou du­as se­ma­nas da sua vi­da pa­ra par­ti­ci­par nu­ma das mis­sões. Co­mo es­te pro­je­to não tem apoi­os es­ta­be­le­ci­dos pa­ra a sua re­a­li­za­ção, é tam­bém ne­ces­sá­rio que ca­da um dos par­ti­ci­pan­tes (co­mo tem acon­te­ci­do) dis­po­ni­bi­li­ze o va­lor pa­ra as vi­a­gens. “Mas, quem vai, aca­ba por ga­nhar mui­to com es­ta ex­pe­ri­ên­cia”, con­fi­den­ci­ou-nos o of­tal­mo­lo­gis­ta. Qu­an­do qu­es­ti­o­na­do so­bre os apoi­os an­ga­ri­a­dos pa­ra as ações an­te­ri­o­res, o res­pon­sá­vel re­fe­riu que “os apoi­os são ca­na­li­za­dos pa­ra a aqui­si­ção de pro­du­tos mé­di­cos e ci­rúr­gi­cos. Di­ver­sas em­pre­sas de pro­du­tos pa­ra Of­tal­mo­lo­gia têm tam­bém for­ne­ci­do ma­te­ri­al e nun­ca dis­se­ram que não. É de lou­var es­ta ati­tu­de. So­mos ape­nas o ‘ins­tru­men­to’, a ‘fa­ce vi­sí­vel’ de mui­tas pes­so­as e em­pre­sas que, no com­ple­to ano­ni­ma­to, têm apoi­a­do es­tas mis­sões. Te­nho gran­de res­pei­to e ad­mi­ra­ção por to­das es­tas pes­so­as que vão per­mi­tin­do no­vas mis­sões”. Luís Gon­çal­ves fri­sou ain­da que “qual­quer pes­soa po­de aju­dar. Qual­quer pes­soa po­de sen­tir a emo­ção de ter re­ver­ti­do um ou mais ca­sos de ce­guei­ra na Gui­né-Bis­sau. Nes­te mo­men­to, te­mos fal­ta de equi­pa­men­to óti­co, ar­ma­ções, len­tes, fár­ma­cos, con­su­mí­veis ci­rúr­gi­cos, en­tre ou­tros pro­du­tos. Pa­ra quem qui­ser ob­ter mais in­for­ma­ções, po­de­rá en­vi­ar um e-mail pa­ra vi­sa­o­gui­ne@gmail.com e vi­si­tar a pá­gi­na do fa­ce­bo­ok: So­li­da­ri­e­da­de Gui­né. O NIB, pa­ra quem qui­ser pa­tro­ci­nar uma ci­rur­gia, é o 0033 0000 4530 8228 0960 5 da Fun­da­ção João XXIII, re­fe­rin­do ser um apoio pa­ra o pro­je­to “Vi­são Gui­né”. Pos­te­ri­or­men­te, en­vi­a­re­mos a fo­to da pes­soa que be­ne­fi­ci­ou da sua aju­da”.

For­ma­ção de mé­di­cos gui­ne­en­ses - Trei­no em olhos de ani­mais

Uma das pa­ci­en­tes ope­ra­da e que es­ta­va ce­ga (ca­ta­ra­tas bi­la­te­rais)

1ª mis­são - Pa­ci­en­tes ope­ra­dos a ca­ta­ra­ta

1ª mis­são - Pa­ci­en­tes das ilhas Bi­ja­gós na con­sul­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.