Ci­rur­gia Im­plan­to-Re­fra­ti­va e Con­tac­to­lo­gia em de­ba­te

Foi no Al­gar­ve que de­cor­reu a Reu­nião Anu­al do Gru­po de Ci­rur­gia Im­plan­to-Re­fra­ti­va de Por­tu­gal 2014, an­te­ce­di­da pe­la Reu­nião de Con­tac­to­lo­gia, am­bas or­ga­ni­za­das com o apoio da So­ci­e­da­de Por­tu­gue­sa de Of­tal­mo­lo­gia (SPO). As­sim, de 29 a 31 de maio, o Ho­tel

OftalPro - - REPORTAGEM -

Po­de di­zer-se que es­te é um even­to ba­si­lar na Of­tal­mo­lo­gia na­ci­o­nal. Co­lo­ca anu­al­men­te Por­tu­gal no cen­tro da es­pe­ci­a­li­da­de mun­di­al, com par­ti­ci­pan­tes de re­no­me des­de os por­tu­gue­ses aos con­vi­da­dos es­tran­gei­ros de paí­ses tão di­ver­sos co­mo Es­pa­nha, Itá­lia, Bra­sil, Ale­ma­nha e Hun­gria. Segundo re­ve­lou Ra­mi­ro Sal­ga­do, co­or­de­na­dor do Gru­po de Ci­rur­gia Im­plan­to-Re­fra­ti­va de Por­tu­gal (CIRP), ao jor­nal da Vi­são SPO, “além da pres­ti­gi­a­da pre­sen­ça dos co­le­gas por­tu­gue­ses”, a or­ga­ni­za­ção da Reu­nião Anu­al ob­je­ti­vou con­tar com a mai­or pre­sen­ça de con­vi­da­dos es­tran­gei­ros da his­tó­ria do even­to. De­ze­nas de pro­fis­si­o­nais fo­ram atraí­dos por um pro­gra­ma ci­en­tí­fi­co de qua­li­da­de. O en­con­tro foi di­vi­di­do em dois mo­men­tos: o pri­mei­ro dia foi de­di­ca­do à cór­nea, com dois cur­sos di­dá­ti­cos de ci­rur­gia re­fra­ti­va, uma con­fe­rên­cia Presby­la­sik e uma con­fe­rên­cia so­bre “Im­plan­tes es­tro­mais na Pres­bi­o­pia”. De­cor­reu uma me­sa re­don­da, pa­ra a “Atu­a­li­za­ção em que­ra­to­co­ne” e um Wet-Lab, pe­la pri­mei­ra vez na his­tó­ria da Reu­nião Anu­al CIRP, com vá­ri­as ses­sões de fem­to­fa­co e ‘cross-lin­king’. O segundo dia des­ta­cou o cris­ta­li­no e as len­tes in­tra­o­cu­la­res fá­qui­as. Acon­te­ceu a ha­bi­tu­al con­fe­rên­cia de ho­me­na­gem ao dou­tor Pedro Abran­tes, re­fe­rên­cia na Of­tal­mo­lo­gia por­tu­gue­sa que fa­le­ceu há qua­se três anos, um ví­deo sim­pó­sio so­bre “De­sa­fi­os em ci­rur­gia im­plan­to-re­frac­ti­va” com a apre­sen­ta­ção de ca­sos es­pe­ci­ais e, por úl­ti­mo, o segundo Wet-Lab. Foi tam­bém qu­an­do acon­te­ceu o sim­pó­sio “All

about fem­to­la­ser ca­ta­ract sur­gery”, pro­mo­vi­do pe­la Eu­ro­pe­an So­ci­ety of Ca­ta­ract & Re­frac­ti­ve Sur­ge­ons, ten­do in­clu­si­ve es­ta­do pre­sen­te Ro­ber­to Bel­luc­ci, pre­si­den­te des­ta as­so­ci­a­ção. As no­vi­da­des não se es­go­ta­ram, ten­do em con­ta que es­te foi o pri­mei­ro con­gres­so mé­di­co por­tu­guês com ses­sões su­por­ta­das por tec­no­lo­gia 3D. “Uma apos­ta nas no­vas tec­no­lo­gi­as co­mo ins­tru­men­to di­dá­ti­co”, es­cla­re­ceu Ra­mi­ro Sal­ga­do. Atri­buiu-se ain­da o Pré­mio Fo­to­gra­fia e Es­pa­ço Di­vul­ga­ção.

Reu­nião de Con­tac­to­lo­gia

No dia 29, de­cor­reu a Reu­nião do Gru­po Por­tu­guês de Con­tac­to­lo­gia, um en­con­tro so­bre os vá­ri­os te­mas li­ga­dos às len­tes de con­tac­to, or­ga­ni­za­do pe­lo Gru­po Por­tu­guês de Con­tac­to­lo­gia (GPC). O en­con­tro foi di­vi­di­do em dois tó­pi­cos. O pri­mei­ro abor­dou o uso das len­tes de con­tac­to em si­tu­a­ções clí­ni­cas es­pe­ci­ais, o segundo de­di­cou-se às com- pli­ca­ções das len­tes de con­tac­to, co­mo in­fe­ções e in­fla­ma­ções. Nes­te âm­bi­to, con­tá­mos pe­la pri­mei­ra vez com um con­vi­da­do in­ter­na­ci­o­nal, o atu­al pre­si­den­te da Eu­ro­pe­an Con­tact Lens So­ci­ety of Ophthal­mo­lo­gists (ECLSO), René Mély, que par­ti­ci­pou em al­guns mo­men­tos, co­mo a con­fe­rên­cia “Con­tact len­ses in­du­ced cor­ne­al in­fil­tra­tes”. De­pois do jan­tar, te­ve lu­gar o 1º Workshop In­ter­na­ti­o­nal de Óp­ti­ca da Vi­são”. Des­lo­ca­ram-se pro­fis­si­o­nais de to­do o país a es­ta reu­nião, de vá­ri­os ser­vi­ços e es­pe­ci­a­li­da­des, que to­ta­li­za­ram uma es­ti­ma­ti­va de au­di­ên­cia na or­dem dos 70 par­ti­ci­pan­tes e um ‘fe­ed­back’ mui­to po­si­ti­vo. “A Con­tac­to­lo­gia re­pre­sen­ta uma área im­por­tan­te pa­ra a prá­ti­ca clí­ni­ca diá­ria”, con­si­de­rou à Of­talP­ro Pedro Ro­dri­gues, co­or­de­na­dor do GPC. Com­ple­tou que “es­tes cur­sos têm um pro­pó­si­to”, o

de “es­ti­mu­lar o in­te­res­se” e “pro­por­ci­o­nar o exer­cí­cio da Con­tac­to­lo­gia, de uma for­ma mais in­te­gra­da e apro­fun­da­da jun­to dos co­le­gas, no­me­a­da­men­te dos mais no­vos”. Qu­an­to à jun­ção da Reu­nião Anu­al CIRP e da Reu­nião de Con­tac­to­lo­gia, Pedro Ro­dri­gues es­cla­re­ce que “tem si­do um de­síg­nio da atu­al pre­si­dên­cia da SPO a as­so­ci­a­ção de mais de um gru­po nas reu­niões que são or­ga­ni­za­das”, al­go que “faz to­do o sen­ti­do”, pa­ra que “ne­nhu­ma área dei­xe de ser abor­da­da e es­ti­mu­la­da nos as­so­ci­a­dos da SPO”. Te­mos que “con­si­de­rar que exis­tem áre­as/su­bes­pe­ci­a­li­da­des da Of­tal­mo­lo­gia que têm mai­or di­men­são que ou­tras, em vir­tu­de de as­pe­tos de vo­lu­me clí­ni­co no nos­so quo­ti­di­a­no, de pro­je­ção co­mer­ci­al em ter­mos de ati­tu­des de di­ag­nós­ti­co e te­ra­pêu­ti­ca, tan­to na pers­pe­ti­va da in­dús­tria co­mo dos pró­pri­os ser­vi­ços, de di­men­são da in­ves­ti­ga­ção e ino­va­ção, do pró­prio le­ga­do his­tó­ri­co de ca­da área”. No en­tan­to, tal va­lo­ri­za­ção não in­va­li­da “o in­te­res­se das res­tan­tes áre­as (In­fla­ma­ção Ocu­lar, Neu­rof­tal­mo­lo­gia, Ocu­lo­plás­ti­ca e Vi­as La­cri­mais, On­co­lo­gia e Pa­to­lo­gia Ocu­lar e, cla­ro, Con­tac­to­lo­gia), nem o ca­ri­nho que a SPO, co­mo so­ci­e­da­de ci­en­tí­fi­ca e que ze­la pe­la for­ma­ção dos seus as­so­ci­a­dos, de­ve ter por elas”.

Pedro Ro­dri­gues, co­or­de­na­dor do GPC

Ra­mi­ro Sal­ga­do, co­or­de­na­dor da CIRP (Fo­to: Vi­são SPO)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.