TES­TE­MU­NHOS

OftalPro - - REPORTAGEM -

Te­re­sa Paí­nhas

“Es­ta mis­são en­si­nou-me a dar va­lor e a sen­tir-me gra­ta pe­las pe­que­nas coi­sas da vi­da e, sem dú­vi­da, que me en­che o co­ra­ção ver o qu­an­to po­de­mos me­lho­rar a vi­da da­que­las fa­mí­li­as com o nos­so tra­ba­lho. Foi um gran­de de­sa­fio, mui­to en­ri­que­ce­dor no cam­po pes­so­al e pro­fis­si­o­nal. É ex­tre­ma­men­te gra­ti­fi­can­te dar o nos­so tem­po e tra­ba­lho pa­ra aju­dar uma co­mu­ni­da­de que tem cuidados of­tal­mo­ló­gi­cos mui­tos es­cas­sos e, so­bre­tu­do, sa­ber que es­ta mis­são não se es­go­ta no mo­men­to em que es­ta­mos em cam­po, mas tem tam­bém um in­tui­to for­ma­ti­vo”.

Ru­fi­no Sil­va

“Fo­ram ex­pe­ri­ên­ci­as mui­to en­ri­que­ce­do­ras… e fi­ca ‘o bi­chi­nho’ pa­ra con­ti­nu­ar. To­do o pou­co que se fi­zer é mui­to pa­ra quem tem tão pou­co. Mas o gran­de ob­je­ti­vo (que de al­gu­ma for­ma já foi ini­ci­a­do) é a for­ma­ção. Aqui há mui­to mais pa­ra fa­zer. A cri­a­ção de pro­to­co­los com ins­ti­tui­ções por­tu­gue­sas po­de­rá cons­ti­tuir um gran­de avan­ço nes­ta área”.

Di­o­ní­sio Cor­te­são

“Ir uns di­as até à Gui­né aju­dar quem tan­to pre­ci­sa, além de um im­pe­ra­ti­vo mo­ral, é um pra­zer e uma li­ção de vi­da”.

Su­sa­na Tei­xei­ra

“A Mis­são “Vi­são Gui­né” de 2011 foi uma mis­são úni­ca que ti­ve o par­ti­cu­lar pra­zer e pri­vi­lé­gio de in­te­grar e que en­ri­que­ceu e ilu­mi­nou com ou­tras pers­pe­ti­vas de vi­da o meu ca­mi­nho”.

Cris­ti­na Sou­sa

“Não sa­bia ao que ía. Era um ob­je­ti­vo da mi­nha vi­da. Es­tou mui­to fe­liz e vi que era pos­sí­vel fa­zer Of­tal­mo­lo­gia sem pen­sar só no ego. Acho que con­se­gui aju­dar e acres­cen­tar al­go às pes­so­as e ao gru­po. Re­gres­sei com uma sen­sa­ção mui­to gran­de de fe­li­ci­da­de”.

João No­bre Car­do­so

“Sem­pre gos­tei de me­di­ci­na tro­pi­cal. Apren­di mui­to, gos­tei mui­to da or­ga­ni­za­ção mais fa­mi­li­ar e de es­tar en­vol­vi­do nas de­ci­sões. Re­gres­sei fe­liz e sa­tis­fei­to com a ati­vi­da­de de­sen­vol­vi­da. Foi uma ex­pe­ri­ên­cia hu­ma­na imen­sa, on­de apren­di que o re­co­nhe­ci­men­to do nos­so tra­ba­lho po­de ser atra­vés de pe­que­nos ges­tos”.

Mi­guel Ama­ro

“Foi uma ex­pe­ri­ên­cia en­ri­que­ce­do­ra no as­pe­to hu­ma­no, on­de apren­de­mos a ser mais hu­mil­des. Ali, atos que pa­ra nós são re­la­ti­va­men­te sim­ples e ha­bi­tu­ais, po­dem re­al­men­te fa­zer a di­fe­ren­ça na vi­da de uma pes­soa. Fo­ram al­can­ça­das as mi­nhas ex­pe­ta­ti­vas e al­gu­mas até ul­tra­pas­sa­das. Gos­ta­ria de vol­tar a par­ti­ci­par”.

Eunice Guer­ra

“A ex­pe­ri­ên­cia na Gui­né foi um de­sa­fio. Nem sem­pre con­se­gui­mos fa­zer tu­do co­mo gos­ta­ría­mos, nem sem­pre te­mos tu­do ao nos­so dis­por, mas com von­ta­de fa­zem-se gran­des pro­e­zas! Foi uma gran­de li­ção que des­per­tou pa­ra ou­tras cul­tu­ras, ou­tros sa­be­res e pa­ra a im­por­tân­cia de pe­que­nos gran­des ges­tos”.

Ro­sá­rio Va­ran­das

“Ir a On­da­me foi um de­se­jo an­ti­go re­a­li­za­do com imen­sa ale­gria e boa von­ta­de. Te­ve tam­bém as su­as di­fi­cul­da­des e, por is­so mes­mo é im­pos­sí­vel de es­que­cer. O mo­men­to que mais me emo­ci­o­nou foi as­sis­tir à mis­sa (eu em Por­tu­gal mui­tas ve­zes nem vou) e ou­vir as cri­an­ças can­tar em por­tu­guês”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.