Entrevista: An­tó­nio Fi­guei­re­do, XIV Sim­pó­sio In­ter­na­ci­o­nal de Con­tro­vér­si­as em Glau­co­ma

OftalPro - - SUMÁRIO -

Nos di­as 23 e 24 de maio de­cor­reu em Ma­drid, no Ho­tel Me­liá Cas­til­la, o XIV Sim­pó­sio In­ter­na­ci­o­nal de Con­tro­vér­si­as em Glau­co­ma, um dos even­tos de Of­tal­mo­lo­gia mais re­le­van­tes na Pe­nín­su­la Ibé­ri­ca e com gran­de destaque a ní­vel mun­di­al. Os te­mas fo­ram de im­por­tân­cia fun­da­men­tal pa­ra as ci­ên­ci­as da vi­são, abor­dan­do prin­ci­pal­men­te o glau­co­ma com con­tro­vér­si­as, con­fe­rên­ci­as, re­vi­sões, ca­sos clí­ni­cos, me­sas re­don­das, “mi­ni-sim­pó­si­os” e apre­sen­ta­ção de téc­ni­cas ci­rúr­gi­cas. Tra­tan­do-se de um mo­men­to de dis­cus­são, a or­ga­ni­za­ção jun­tou vá­ri­os pa­les­tran­tes de re­pu­ta­ção in­ter­na­ci­o­nal, tan­to de Es­pa­nha co­mo de fo­ra do rei­no. É o ca­so dos por­tu­gue­ses Isa­bel Lo­pes-Car­do­so e An­tó­nio Fi­guei­re­do. A Of­talP­ro es­te­ve à con­ver­sa com o mé­di­co lu­so, que nos re­ve­lou o seu pon­to de vis­ta na con­di­ção de con­fe­ren­cis­ta.

Of­talP­ro: An­tes de mais, co­mo se deu o con­vi­te pa­ra in­te­grar o painel de con­fe­ren­cis­tas do XIV Sim­pó­sio In­ter­na­ci­o­nal de Con­tro­vér­si­as em Glau­co­ma?

An­tó­nio Fi­guei­re­do: O con­vi­te foi fei­to pe­lo pro­fes­sor dou­tor Julian Gar­cia-Fei­joo, da Uni­ver­si­da­de Com­plu­ten­se de Ma­drid, res­pon­sá­vel pe­la or­ga­ni­za­ção do Sim­pó­sio, com o qual man­te­mos uma re­la­ção de ami­za­de e con­tac­to pro­fis­si­o­nal. Pa­ra além da mi­nha par­ti­ci­pa­ção, ao ní­vel de Por­tu­gal, foi tam­bém con­vi­da­da a dou­to­ra Isa­bel Lo­pes-Car­do­so, que apre­sen­tou uma co­mu­ni­ca­ção so­bre téc­ni­cas ci­rúr­gi­cas no glau­co­ma, con­cre­ta­men­te ca­na­lo­plas­tia.

OF: Que apre­sen­ta­ções fez nes­te sim­pó­sio que de­cor­reu em Ma­drid?

AF: Par­ti­ci­pei nu­ma ses­são de con­tro­vér­si­as so­bre a im­por­tân­cia das pro­pri­e­da­des bi­o­me­câ­ni­cas da cór­nea no di­ag­nós­ti­co do glau­co­ma, por exem­plo a sua es­pes­su­ra, cur­va­tu­ra e elas­ti­ci­da­de. Fiz ain­da par­te de uma me­sa re­don­da so­bre te­ra­pêu­ti­ca mé­di­ca e ci­rúr­gi­ca do glau­co­ma, em con­jun­to com ou­tros co­le­gas es­pa­nhóis. Dis­cu­ti­ram-se aqui te­mas di­ver­sos, co­mo os mi­croim­plan­tes ci­rúr­gi­cos no glau­co­ma ou o per­fil de atu­a­ção no­tur­no das di­fe­ren­tes te­ra­pêu­ti­cas, te­mas a que, aliás, te­nho de­di­ca­do a mi­nha aten­ção.

OF: Qual o ‘fe­ed­back’ dos co­le­gas em re­la­ção às su­as in­ter­ven­ções?

AF: Creio que as mi­nhas in­ter­ven­ções te­rão cum­pri­do de for­ma sa­tis­fa­tó­ria os ob­je­ti­vos em vis­ta, ain­da que eu não se­ja a pes­soa in­di­ca­da pa­ra fa­zer es­sa ava­li­a­ção.

OF: O que des­ta­ca das pa­les­tras dos ou­tros par­ti­ci­pan­tes?

AF: Des­ta­co a qua­li­da­de de to­das as in­ter­ven­ções, in­cluin­do sem dú­vi­da a da nos­sa co­le­ga Isa­bel Lo­pes-Car­do­so, e a for­ma di­nâ­mi­ca e par­ti­ci­pa­ti­va co­mo to­dos os pa­les­tran­tes e par­ti­ci­pan­tes se en­vol­ve­ram na dis­cus­são dos te­mas pro­pos­tos.

OF: Na sua opi­nião, co­mo cor­reu o even­to?

AF: Pos­so di­zer que foi um su­ces­so. Cer­ca de 600 ins­cri­ções e uma sa­la per­ma­nen­te­men­te cheia de co­le­gas in­te­res­sa­dos e aten­tos, in­cluin­do um nú­me­ro sig­ni­fi­ca­ti­vo de of­tal­mo­lo­gis­tas por­tu­gue­ses. Tra­ta-se, sem dú­vi­da, de um even­to de gran­de im­por­tân­cia em ter­mos of­tal­mo­ló­gi­cos, quer pe­lo nú­me­ro de con­gres­sis­tas pre­sen­tes, quer pe­lo con­jun­to de pa­les­tran­tes, oriun­dos de pra­ti­ca­men­te to­dos os qua­dran­tes da Of­tal­mo­lo­gia es­pa­nho­la.

OF: E qual a im­por­tân­cia des­te sim­pó­sio pa­ra a Of­tal­mo­lo­gia?

AF: Os te­mas abor­da­dos abran­ge­ram pra­ti­ca­men­te to­dos os cam­pos que ho­je são ob­je­to de dis­cus­são no âm­bi­to do glau­co­ma. E, em boa ver­da­de, a con­tro­vér­sia exis­te em qua­se to­dos: nos mé­to­dos de di­ag­nós­ti­co mais ade­qua­dos, no mo­men­to exa­to pa­ra de­ci­dir tra­tar um do­en­te ini­ci­al que por re­gra nem tem sin­to­ma­to­lo­gia, na me­lhor abor­da­gem de tra­ta­men­to, na mais ade­qua­da e efi­caz téc­ni­ca ci­rúr­gi­ca.

OF: Porquê a sua de­di­ca­ção ao glau­co­ma? AF: O meu in­te­res­se pe­lo glau­co­ma sur­giu pra­ti­ca-

men­te des­de o iní­cio do meu in­ter­na­to em Of­tal­mo­lo­gia. De­di­quei-me des­de sem­pre ao glau­co­ma, sem dú­vi­da al­gu­ma pe­la in­fluên­cia e exem­plo cons­tan­te que re­ce­bi do meu tu­tor, mes­tre e ami­go, que in­fe­liz­men­te já não es­tá en­tre nós: o pro­fes­sor dou­tor Luis Metz­ner Ser­ra.

OF: Só pa­ra fi­na­li­zar, em que lo­cais exer­ce a sua ati­vi­da­de clí­ni­ca?

AF: Pre­sen­te­men­te, de­di­co-me em ex­clu­si­vo à cha­ma­da clí­ni­ca pri­va­da (con­sul­tó­rio e Cli­ni­ca ALM-Of­tal­mo­la­ser), após três dé­ca­das de Ser­vi­ço Pú­bli­co, no Hos­pi­tal de San­ta Ma­ria e Fa­cul­da­de de Me­di­ci­na de Lis­boa.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.