Entrevista: An­tó­nio Cas­ta­nhei­ra-Di­nis, Co­ló­qui­os de Of­tal­mo­lo­gia 2014

OftalPro - - SUMÁRIO -

De 31 de ja­nei­ro a 1 de fe­ve­rei­ro de­cor­reu mais uma edi­ção dos afa­ma­dos Co­ló­qui­os de Of­tal­mo­lo­gia. Foi opor­tu­ni­da­de ide­al pa­ra se atu­a­li­za­rem co­nhe­ci­men­tos nos cam­pos tec­no­ló­gi­cos e te­ra­pêu­ti­cos des­ta es­pe­ci­a­li­da­de mé­di­ca. Os te­mas fo­ram, por­tan­to, abran­gen­tes aos seg­men­tos de Of­tal­mo­lo­gia, co­mo por exem­plo a re­ti­na, e abor­da­ram as vá­ri­as do­en­ças do fo­ro vi­su­al, co­mo a que­ra­ti­te, leu­co­có­ria e re­ti­no­blas­to­ma. Nas apre­sen­ta­ções, par­ti­ci­pa­ram sem­pre pro­fis­si­o­nais de gran­de re­le­vo, in­ter­na­ci­o­nais e na­ci­o­nais. Tam­bém o cur­so EUPO, de­di­ca­do à Re­ti­na Pe­ri­fé­ri­ca e Re­ti­na na Cri­an­ça, man­te­ve pa­drões de qua­li­da­de, tan­to nas pa­les­tras co­mo nos ca­sos clí­ni­cos. Destaque ain­da pa­ra um pro­gra­ma de­di­ca­do em ex­clu­si­vo a en­fer­mei­ros e or­top­tis­tas. Con­ver­sá­mos com An­tó­nio Cas­ta­nhei­ra-Di­nis, pre­si­den­te dos Co­ló­qui­os de Of­tal­mo­lo­gia, que nos re­ve­lou mais al­gu­mas in­for­ma­ções so­bre um dos prin­ci­pais even­tos na área da saú­de vi­su­al. Of­talP­ro: O gran­de te­ma des­tes Co­ló­qui­os de Of­tal­mo­lo­gia foi “Atu­a­li­da­des em Of­tal­mo­lo­gia”. Nes­te sen­ti­do, do que se fa­lou no even­to?

O gran­de te­ma dos Co­ló­qui­os 2014 foi cen­tra­do no seg­men­to an­te­ri­or do globo ocu­lar, es­pe­ci­fi­ca­men­te na cór­nea e no tra­ta­men­to da sua pa­to­lo­gia de­ge­ne­ra­ti­va e in­fe­ci­o­sa, atra­vés do ‘cross-lin­king’. O de­ba­te an­dou à volta da con­tro­vér­sia so­bre a sua apli­ca­ção, das cer­te­zas e das in­cer­te­zas e de qu­an­do, co­mo e on­de po­de ser apli­ca­do es­te tra­ta­men­to, acres­cen­tan­do-se a no­vi­da­de tra­zi­da pe­lo pro­fes­sor Farhad Ha­fe­zi (suí­ço), da apli­ca­ção do ‘cross-lin­king’ em que­ra­ti­tes in­fe­ci­o­sas.

OF: Pa­ra além dos as­sun­tos in­cluí­dos nes­te gran­de te­ma, fa­la­ram tam­bém da Ges­tão em Of­tal­mo­lo­gia. Quais os tó­pi­cos abor­da­dos?

ACD: A obri­ga­to­ri­e­da­de atu­al de re­gis­to na En­ti­da­de Re­gu­la­do­ra da Saú­de (ERS) dos mé­di­cos e de to­dos os es­ta­be­le­ci­men­tos pres­ta­do­res de cuidados de saú­de, do se­tor pú­bli­co, pri­va­do e so­ci­al, bem co­mo o li­cen­ci­a­men­to de con­sul­tó­ri­os e clí­ni­cas, fo­ram os tó­pi­cos abor­da­dos na ses­são Ges­tão em Of­tal­mo­lo­gia.

OF: Quais são os prin­ci­pais en­tra­ves que se en­con­tram no que se re­fe­re ao li­cen­ci­a­men­to de clí­ni­cas e ins­cri­ção de mé­di­cos na ERS?

ACD: Na ver­da­de, não exis­ti­rão quais­quer en­tra­ves for­mais. O que se ve­ri­fi­ca é a ne­ces­si­da­de de se cum­pri­rem al­gu­mas con­for­mi­da­des que po­dem ser com­ple­xas, pois nem to­das as clí­ni­cas e con­sul­tó­ri­os exis­ten­tes te­rão as con­di­ções ar­qui­te­tu­rais que a no­va le­gis­la­ção exi­ge. As­sim, pre­ten­deu-se cha­mar a aten­ção pa­ra a le­gis­la­ção com o in­tui­to de “vir a lu­me” o te­ma e de aju­dar to­dos os co­le­gas com um es­cla­re­ci­men­to da­do por um pro­fis­si­o­nal do as­sun­to, co­mo é o ca­so da en­ge­nhei­ra Só­nia San­tos, que apre­sen­tou o te­ma e al­gu­mas ques­tões prá­ti­cas, às quais se se­guiu um de­ba­te in­te­ra­ti­vo e es­cla­re­ce­dor.

OF: Já em re­la­ção ao cur­so EUPO, in­se­ri­do nes­tes Co­ló­qui­os, o que po­de di­zer-nos?

ACD: O Cur­so EUPO, co­or­de­na­do pe­lo pro­fes­sor Car­los Marques Ne­ves, abor­dou os te­mas Re­ti­na Pe­ri­fé­ri­ca e Re­ti­na na Cri­an­ça. Além da for­ma­ção teó­ri­ca, te­ve uma par­te prá­ti­ca com ca­sos clí­ni­cos se­le­ci­o­na­dos pe­los prin­ci­pais ser­vi­ços de Of­tal­mo­lo­gia e, ain­da, du­as con­fe­rên­ci­as pro­fe­ri­das pe­lo sá­bio da pe­da­go­gia, o pro­fes­sor Mi­guel Bur­ni­er da Uni­ver­si­da­de McGill (Ca­na­dá). No fi­nal, a ava­li­a­ção do en­si­no te­ve clas­si­fi­ca­ção mui­to ele­va­da pe­los in­ter­nos.

OF: Co­mo se pro­ce­deu a es­co­lha de to­dos os pa­les­tran­tes e for­ma­do­res?

ACD: A es­co­lha dos in­ter­ve­ni­en­tes foi pon­de­ra­da e re­sul­tou da es­tra­té­gia de ou­vir a opi­nião dos pa­res que mais es­ta­vam en­vol­vi­dos cli­ni­ca­men­te nos te­mas ide­a­li­za­dos pa­ra os Co­ló­qui­os e pa­ra o Cur­so EUPO. E, ago­ra que tu­do já pas­sou, po­de­re­mos di­zer que re­sul­tou e que o con­jun­to de in­ter­ve­ni­en­tes cum­priu o pla­no es­ta­be­le­ci­do, e que até o te­rá ul­tra­pas­sa­do, em su­ces­so.

OF: Quan­tas ins­cri­ções ti­ve­ram? ACD:

As ins­cri­ções atin­gi­ram um nú­me­ro per­to dos 350 par­ti­ci­pan­tes, nos dois di­as. Não me re­cor­do de

tão ele­va­do nú­me­ro de par­ti­ci­pan­tes, en­tre of­tal­mo­lo­gis­tas, en­fer­mei­ros e or­top­tis­tas. Mas, a re­a­li­da­de mos­trou que os Co­ló­qui­os de Of­tal­mo­lo­gia são uma reu­nião de su­ces­so e bem aco­lhi­da por to­dos os pro­fis­si­o­nais da Of­tal­mo­lo­gia.

OF: De fac­to, pa­ra além de of­tal­mo­lo­gis­tas, a pla­teia in­cluiu or­top­tis­tas e en­fer­mei­ros? Porquê es­ta reu­nião de pro­fis­si­o­nais?

ACD: A Of­tal­mo­lo­gia clí­ni­ca reú­ne, de acor­do com os re­cur­sos hu­ma­nos do Mi­nis­té­rio da Saú­de, três gru­pos de pro­fis­si­o­nais: os of­tal­mo­lo­gis­tas, os en­fer­mei­ros e os or­top­tis­tas. Des­te mo­do, não po­de­ría­mos dei­xar de ele­ger os três gru­pos de pro­fis­si­o­nais da Of­tal­mo­lo­gia co­mo par­cei­ros e in­ter­ve­ni­en­tes nes­tes Co­ló­qui­os.

OF: Acha que o fu­tu­ro da Of­tal­mo­lo­gia pas­sa por aqui, pe­la in­ter­dis­ci­pli­na­ri­da­de?

ACD: Na­tu­ral­men­te. Pas­sa pe­la con­ver­gên­cia do sa­ber das di­fe­ren­tes su­bes­pe­ci­a­li­da­des de Of­tal­mo­lo­gia, pe­lo tra­ba­lho con­jun­to com as di­fe­ren­tes es­pe­ci­a­li­da­des mé­di­cas e ci­rúr­gi­cas bem co­mo pe­la in­te­gra­ção diá­ria dos vá­ri­os gru­pos pro­fis­si­o­nais da Of­tal­mo­lo­gia, em prol do do­en­te vi­su­al.

OF: Que ba­lan­ço faz dos Co­ló­qui­os de Of­tal­mo­lo­gia 2014?

ACD: Na mi­nha opi­nião, os Co­ló­qui­os de Of­tal­mo­lo­gia 2014 fo­ram um su­ces­so. Em pri­mei­ro lu­gar, a pre­sen­ça e co­la­bo­ra­ção dos prin­ci­pais cen­tros na­ci­o­nais de Of­tal­mo­lo­gia, bem co­mo a pre­sen­ça de con­vi­da­dos es­tran­gei­ros de eli­te, dig­ni­fi­ca­ram a reu­nião com o ele­va­do ní­vel ci­en­tí­fi­co trans­mi­ti­do. De­pois, or­ga­ni­zou-se um cur­so pa­ra in­ter­nos, que te­ve no­ta mui­to ele­va­da, e tam­bém con­gre­gá­mos, em reu­nião es­pe­cí­fi­ca, os ou­tros pi­la­res da equi­pa clí­ni­ca de Of­tal­mo­lo­gia: os en­fer­mei­ros e os or­top­tis­tas. Por fim, fo­ram tra­ta­dos as­sun­tos de in­te­res­se atu­al no cam­po da ges­tão em Of­tal­mo­lo­gia. Em su­ma, ci­ên­cia, for­ma­ção e ges­tão pa­ra to­dos os ní­veis de pro­fis­si­o­nais in­ter­ve­ni­en­tes na Of­tal­mo­lo­gia clí­ni­ca.

OF: Pa­ra qu­an­do uma no­va edi­ção?

ACD: Não exis­te, ain­da, da­ta pa­ra 2015, mas em bre­ve ela se­rá da­da a co­nhe­cer.

OF: Que men­sa­gem gos­ta­ria de dei­xar a to­dos os pro­fis­si­o­nais en­vol­vi­dos no even­to?

ACD: Os Co­ló­qui­os de Of­tal­mo­lo­gia são con­subs­tan­ci­a­dos por co­nhe­ci­men­to, con­ví­vio e bem-es­tar, com te­mas da atu­a­li­da­de, con­vi­da­dos de eli­te, tem­po pa­ra con­vi­ver, num lo­cal apra­zí­vel co­mo o Ho­tel Quin­ta da Ma­ri­nha. Ad­mi­ti­mos que to­dos os que par­ti­ci­pa­ram nos Co­ló­qui­os des­te ano te­nham aco­lhi­do a men­sa­gem e usu­fruí­do da reu­nião em be­ne­fí­cio pró­prio e co­le­ti­vo. Em su­ma, mo­men­tos de ci­ên­cia, de con­ví­vio e de bem-es­tar pa­ra to­dos fo­ram os nos­sos de­se­jos e a nos­sa men­sa­gem.

An­tó­nio Cas­ta­nhei­ra-Di­nis

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.