Inqué­ri­to: Cór­nea Ar­ti­fi­ci­al

OftalPro - - SUMÁRIO -

Foi em Gra­na­da que se im­plan­tou pe­la pri­mei­ra vez, no dia 18 de fe­ve­rei­ro, uma cór­nea ar­ti­fi­ci­al, que con­ti­nha dois ti­pos de cé­lu­las hu­ma­nas e um bi­o­ma­te­ri­al ob­ti­do por na­no­tec­no­lo­gia. Um dos prin­ci­pais en­tra­ves às ci­rur­gi­as são as lon­gas lis­tas de es­pe­ra, em que cen­te­nas de pa­ci­en­tes es­pe­ram, por ve­zes, por uma in­ter­ven­ção ur­gen­te que aca­ba por não che­gar. Re­sul­ta em da­nos ir­re­ver­sí­veis, que nem com uma ope­ra­ção é pos­sí­vel de­pois re­sol­ver. Nes­te pa­no­ra­ma in­se­rem-se os trans­plan­tes, que ne­ces­si­tam de da­do­res, ca­da vez mais es­cas­sos. Ci­en­tis­tas têm uni­do es­for­ços pa­ra cri­ar al­ter­na­ti­vas em la­bo­ra­tó­rio, co­mo as cór­ne­as ar­ti­fi­ci­ais, on­de se in­se­re es­ta úl­ti­ma de­sen­vol­vi­da em Es­pa­nha.

Opa­ci­en­te, Jo­sé Luis, de 51 anos, so­fria de fi­bro­se cor­ne­a­na se­ve­ra, que re­du­zia gra­ve­men­te as ca­pa­ci­da­des vi­su­ais ao pon­to de só con­se­guir dis­tin­guir lu­zes. Dois pro­fis­si­o­nais do Hos­pi­tal San Ce­ci­lio e do Hos­pi­tal Vir­gen de las Ni­e­ves, Mi­guel Gon­zá­lez An­dra­des e San­ti­a­go Me­di­al­dea, di­ri­gi­ram uma equi­pa de no­ve mé­di­cos de seis hos­pi­tais da An­da­lu­zia, pa­ra im­plan­tar nes­te do­en­te uma cór­nea ar­ti­fi­ci­al, de­pois de dois di­as de in­ter­na­men­to. O exem­plar foi de­sen­vol­vi­do no de­par­ta­men­to de His­to­lo­gia da Uni­ver­si­da­de de Gra­na­da. Con­tém cé­lu­las hu­ma­nas e bi­o­ma­te­ri­al ob­ti­do por na­no­tec­no­lo­gia, que ali­vi­ou Jo­sé Luis de do­res e mal es­tar da fi­bro­se cor­ne­a­na. Após re­cu­pe­rar da ci­rur­gia de 40 mi­nu­tos, sen­tiu um alí­vio das do­res e ou­tros pro­ble­mas re­la­ci­o­na­dos com a pa­to­lo­gia. O pro­ce­di­men­to con­sis­tiu em eli­mi­nar as ca­ma­das da su­per­fí­cie da­ni­fi­ca­das na cór­nea, pa­ra de­pois co­brir o olho com a tal cór­nea ar­ti­fi­ci­al. Te­rá na mes­ma de ser acom­pa­nha­do du­ran­te dois anos, mas tu­do in­di­ca que não vão sur­gir com­pli­ca­ções, da­do o su­ces­so da in­ter­ven­ção. Não se tra­ta de de­vol­ver uni­ca­men­te a vi­são a es­tes pa­ci­en­tes, vis­to que o ob­je­ti­vo foi com­pro­var que a téc­ni­ca é fiá­vel e con­for­tá­vel. Con­for­me os de­sen­vol­vi­men­tos da téc­ni­ca, os in­ves­ti­ga­do­res pre­ten­dem que o pro­ces­so se apli­que à re­so­lu­ção de to­dos os pro­ble­mas da cór­nea, cau­sa­dos por um trau­ma­tis­mo ou in­fe­ção. No en­tan­to, o pro­ce­di­men­to não des­car­ta a uti­li­za­ção de te­ra­pi­as e ou­tros tra­ta­men­tos pós-ope­ra­tó­ri­os.

Ana­to­mia de uma cór­nea ar­ti­fi­ci­al

Segundo ex­pli­cou An­to­nio Cam­pos, lí­der da equi­pa do de­par­ta­men­to de His­to­lo­gia da Uni­ver­si­da­de de Gra­na­da, à im­pren­sa de Es­pa­nha, o te­ci­do cri­a­do tem a par­ti­cu­la­ri­da­de de “re­pro­du­zir a es­tru­tu­ra da cór­nea”, o que des­ta­ca es­te pro­je­to de ou­tros si­mi­la­res pe­lo mun­do fo­ra. Con­se­gue tam­bém re­cri­ar os com­po­nen­tes na­tu­rais des­te te­ci­do, em vez de uti­li­zar as subs­tân­ci­as que não es­tão pre­sen­tes no olho, tal co­mo tem vin­do a ser fei­to por ou­tras equi­pas de ci­en­tis­tas, co­mo por exem­plo a apli­ca­ção de mem­bra­na am­nió­ti­ca. A cór­nea é for­ma­da por três gran­des ca­ma­das cor­ne­a­nas, o epi­té­lio ex­te­ri­or, o es­tro­ma in­ter­mé­dio e o en­do­té­lio in­ter­no. Os in­ves­ti­ga­do­res con­se­gui­ram cons­truir as du­as pri­mei­ras, re­cor­ren­do a dois ti­pos de cé­lu­las adul­tas re­ti­ra­das do olho de um ca­dá­ver. De am­bas, a pri­mei­ra é de fá­cil apli­ca­ção nos tes­tes. A se­gun­da, por ou­tro la­do, tem aca­ba­do com vá­ri­os gru­pos de in­ves­ti­ga­ção que não con­se­gui­ram re­cri­ar es­ta ca­ma­da. “Le­va­mos 10 anos de pes­qui­sa so­bre o te­ma”, re­le­vou An­to­nio Cam­pos. Pa­ra a equi­pa, o ob­je­ti­vo era en­con­trar um ma­te­ri­al que fi­zes­se o pa­pel de su­por­te às cé­lu­las do es­tro­ma, que fos­se ri­jo, con­sis­ten­te e trans­pa­ren­te e, mais im­por­tan­te, “que per­mi­ta que es­tas cé­lu­las cres­çam den­tro”. Tal foi pos­sí­vel com a jun­ção da fi­bri­na, pro­teí­na que se en­con­tra no san­gue, e aga­ro­se, uma subs­tân­cia que se ex­trai das al­gas. “É uma ma­triz de su­por­te com ca­rac­te­rís­ti­cas bi­o­me­câ­ni­cas”, ex­pli­cou An­to­nio Cam­pos. O pro­du­to fi­nal é um te­ci­do ar­ti­fi­ci­al hu­ma­no em for­ma de uma pe­que­na pe­lí­cu­la que se apli­ca so­bre a úl­ce­ra do pa­ci­en­te, atra­vés de mi­cro­ci­rur­gia. Na ci­rur­gia apli­ca­da em fe­ve­rei­ro, os mé­di­cos se­le­ci­o­na­ram as zo­nas com as ca­ma­das ex­te­ri­o­res da cór­nea que es­ta­vam afe­ta­das e subs­ti­tuí­ram-nas, as­sim, por es­te no­vo te­ci­do que foi su­tu­ra­do ao olho. Nu­ma fa­se ini­ci­al, cin­co pa­ci­en­tes, de for­ma se­quen­ci­al, su­jei­tam-se exa­ta­men­te à mes­ma in­ter­ven­ção que es­te Jo­sé Luis, com um mês e meio de “pe­río­do de se­gu­ran­ça” en­tre ca­da um, pa­ra de­pois se ope­ra­rem mais 15 pa­ci­en­tes com a mes­ma pa­to­lo­gia, que es­tão em lis­ta de es­pe­ra. No en­tan­to, des­ta amos­tra cin­co vão re­ce­ber ale­a­to­ri­a­men­te o im­plan­te da cór­nea e os res­tan­tes 10 têm o pa­pel de gru­po con­tro­lo, re­ce­ben­do an­tes um trans­plan­te de mem­bra­na am­nió­ti­ca e tra­ta­men­to con­ven­ci­o­nal pa­ra as úl­ce­ras cor­ne­a­nas gra­ves, tí­pi­cas da fi­bro­se. Segundo ex­pli­cou aos jor­nais es­pa­nhóis Mi­guel Gon­zá­lez An­dra­des, um dos of­tal­mo­lo­gis­tas lí­de­res da equi­pa de ope­ra­ção, “ago­ra pre­ten­de-se ava­li­ar a se­gu­ran­ça do pro­ce­di­men­to e os in­dí­ci­os de efi­cá­cia, co­mo por exem­plo a dor nos pa­ci­en­tes. No fu­tu­ro, ana­li­sar-se-ão as me­lho­ri­as na vi­são”.

Os pri­mór­di­os da in­ves­ti­ga­ção

Há qua­tro anos, in­ves­ti­ga­do­res su­e­cos e ca­na­di­a­nos já ha­vi­am cri­a­do um pro­ce­di­men­to idên­ti­co, em­bo­ra re­si­dis­se uni­ca­men­te nu­ma cór­nea ar­ti­fi­ci­al, fru­to de en­ge­nha­ria te­ci­du­lar. Na al­tu­ra, a téc­ni­ca con­sis­tiu em cri­ar, a par­tir de la­bo­ra­tó­rio, te­ci­do hu­ma­no ou co­la­gé­nio pa­ra se mol­dar de­pois ao for­ma­to do olho, com uma len­te de con­tac­to. O pro­ce­di­men­to era ri­go­ro­sa­men­te o mes­mo, re­ti­rar o te­ci­do da­ni­fi­ca­do da su­per­fí­cie do olho e subs­ti­tuí-lo com o cri­a­do ar­ti­fi­ci­al­men­te, que de­pois se ía unir aos ner­vos e cé­lu-

las do globo ocu­lar. É es­ta ca­rac­te­rís­ti­ca que per­mi­te ao te­ci­do bi­os­sin­té­ti­co ser sen­sí­vel ao to­que, pa­ra man­ter o olho oxi­ge­na­do. Nal­guns tes­tes clí­ni­cos, os ci­en­tis­tas con­se­gui­ram me­lho­rar a vi­são a seis dos 10 pa­ci­en­tes en­vol­vi­dos. O en­saio clí­ni­co ba­se­ou-se na pes­qui­sa de May Grif­fith com mais de 10 anos, que de­sen­vol­veu o te­ma da cór­nea bi­os­sin­té­ti­ca em co­la­bo­ra­ção com Per Fa­gerholm, co­le­ga na Uni­ver­si­da­de de Linkö­ping na Sué­cia. “Es­te es­tu­do é o pri­mei­ro a mos­trar que uma cór­nea ar­ti­fi­ci­al con­se­gue ar­ti­cu­lar-se com o olho hu­ma­no e es­ti­mu­lar a re­ge­ne­ra­ção”, dis­se May Griffiths ao jor­nal bri­tâ­ni­co Daily Te­le­graph. “Com mais al­gu­ma pes­qui­sa, es­ta po­de ser uma al­ter­na­ti­va que res­tau­ra­rá a vi­são a mi­lhões de pes­so­as que es­tão à es­pe­ra de uma cór­nea do­a­da pa­ra trans­plan­te”, ten­do em con­ta que “há uma fal­ta de da­do­res”. Já Per Fa­gerholm, em de­cla­ra­ções ao Diá­rio de No­tí­ci­as, con­si­de­rou que “os re­sul­ta­dos são mui­to en­co­ra­ja­do­res. O ob­je­ti­vo é che­gar a um pro­du­to que be­ne­fi­cie to­das as pes­so­as que não te­nham um da­dor com­pa­tí­vel e es­te­jam há anos em lis­tas de es­pe­ra pa­ra o trans- plan­te. No fi­nal, acre­di­to que as van­ta­gens das cór­ne­as bi­os­sin­té­ti­cas fa­rão de­las um pro­du­to me­lhor até que os ór­gãos do­a­dos”, con­cluiu. No fun­do, tra­ta­va-se de um mo­de­lo de cór­nea que con­ti­nha um bi­o­ma­te­ri­al de co­la­gé­nio sem cé­lu­las, ob­ten­do re­sul­ta­dos aquém dos con­se­gui­dos em Es­pa­nha, ten­do em con­ta que a equi­pa de Gra­na­da pri­mou por de­sen­vol­ver um mo­de­lo mui­to mais bi­o­mi­mé­ti­co (se­me­lhan­te à cór­nea na­ti­va), que con­tém dois ti­pos de cé­lu­las cor­ne­a­nas, em con­jun­to com um bi­o­ma­te­ri­al de ba­se na­no­tec­no­ló­gi­ca. No ano pas­sa­do, ci­en­tis­tas da The Fourth Mi­li­tary Me­di­cal Uni­ver­sity, na Chi­na, con­se­gui­ram cri­ar uma cór­nea bi­o­ló­gi­ca a par­tir de cé­lu­las ex­traí­das do por­co, cu­ja es­tru­tu­ra or­gâ­ni­ca é mui­to se­me­lhan­te à dos se­res hu­ma­nos. No en­tan­to, os in­ves­ti­ga­do­res ti­ve­ram de re­ti­rar o fa­tor an­ti­ge­ni­ci­da­de (pa­ra im­pe­dir que as cé­lu­las es­tra­nhas ao or­ga­nis­mo do por­co se­jam eli­mi­na­das pe­lo sis­te­ma imu­ni­tá­rio) e man­ter as fi­bras de co­la­gé­nio, al­go com­pli­ca­do de exe­cu­tar. Ain­da é uma téc­ni­ca em tes­tes, ape­sar dos bons re­sul­ta­dos ob­ti­dos de en­sai­os clí­ni­cos re­a­li­za­dos em 2010.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.