In­ves­ti­ga­ção so­bre os efei­tos da ci­rur­gia às ca­ta­ra­tas pre­mi­a­da com bol­sa

OftalPro - - NOTÍCIAS -

Uma mé­di­ca do Cen­tro Hos­pi­ta­lar e Uni­ver­si­tá­rio de Coim­bra (CHUC) ven­ceu uma bol­sa de in­ves­ti­ga­ção no va­lor de 12.500 eu­ros atri­buí­da pe­la Jo­sé de Mel­lo Saú­de, com um pro­jec­to so­bre efei­tos se­cun­dá­ri­os da ci­rur­gia às ca­ta­ra­tas. De acor­do com uma no­ta dos pro­mo­to­res do pré­mio, An­dreia Mar­tins Ro­sa, 36 anos, oftalmologista do CHUC e es­tu­dan­te de dou­to­ra­men­to na fa­cul­da­de de Me­di­ci­na da Uni­ver­si­da­de de Coim­bra (UC), ven­ceu a bol­sa D. Ma­nu­el de Mel­lo en­tre 47 can­di­da­tos. Na no­ta, a pre­mi­a­da afir­ma que a atri­bui­ção vai per­mi­tir pros­se­guir um tra­ba­lho de in­ves­ti­ga­ção, “cu­jo ob­je­ti­vo é com­pre­en­der a for­ma co­mo o cé­re­bro se adap­ta à vi­são após a ci­rur­gia de ca­ta­ra­ta, em es­pe­ci­al com as mais re­cen­tes len­tes in­tra-ocu­la­res pre­mium”. A mé­di­ca oftalmologista re­fe­re que a vi­são “não é ape­nas uma ima­gem óti­ca”, mas an­tes uma per­ce­ção “que de­pen­de do pro­ces­sa­men­to ce­re­bral” de ca­da pes­soa e que a for­ma co­mo ca­da um se adap­ta a uma mo­di­fi­ca­ção sú­bi­ta da ma­nei­ra co­mo vê – se­ja após uma ci­rur­gia às ca­ta­ra­tas ou até quan­do mu­da de ócu­los – “é mui­to va­riá­vel”. “O ob­je­ti­vo des­te pro­jec­to é des­co­brir a for­ma co­mo o cé­re­bro se adap­ta ao no­vo ti­po de ima­gem ob­ti­do com as mais re­cen­tes len­tes in­tra-ocu­la­res, as len­tes pre­mium. Pa­ra is­so, va­mos usar, pe­la pri­mei­ra vez nes­te con­tex­to, res­so­nân­cia mag­né­ti­ca fun­ci­o­nal pa­ra ob­ser­var as áre­as do cé­re­bro que es­tão a ser ati­va­das e a sua evo­lu­ção ao lon­go do tem­po”, ex­pli­ca An­dreia Mar­tins Ro­sa. Os pro­mo­to­res da bol­sa – atri­buí­da anu­al­men­te pe­la Jo­sé de Mel­lo Saú­de e Fun­da­ção Ma­nu­el de Mel­lo com o ob­je­ti­vo de con­tri­buir pa­ra a in­ves­ti­ga­ção e pro­gres­so das ci­ên­ci­as da saú­de – adi­an­tam que o pro­je­to ago­ra pre­mi­a­do “pre­ten­de res­pon­der a uma ques­tão clí­ni­ca ex­tre­ma­men­te re­le­van­te” e que a in­ves­ti­ga­ção em cau­sa pos­sui “apli­ca­bi­li­da­de clí­ni­ca di­re­ta”. “Tra­ta-se de uma abor­da­gem com­ple­ta­men­te ino­va­do­ra a uma ques­tão de enor­me re­le­vân­cia, da­do que é ne­ces­sá­rio re­a­li­zar ci­rur­gi­as of­tal­mo­ló­gi­cas sub­se­quen­tes (às ci­rur­gi­as de ca­ta­ra­ta), pa­ra re­mo­ver al­gu­mas len­tes in­tra-ocu­la­res em qua­tro a 12 por cen­to dos do­en­tes”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.