“O fu­tu­ro di­go-lhe de­pois”

Jo­sé Gui­lher­me Mon­tei­ro mé­di­co of­tal­mo­lo­gis­ta,

OftalPro - - PRIMEIRA PÁGINA -

Jo­sé Gui­lher­me Mon­tei­ro é um mé­di­co of­tal­mo­lo­gis­ta de 72 anos. Mar­cá­mos en­con­tro no seu con­sul­tó­rio, no cen­tro do Por­to, pa­ra “du­as de le­tra”. Con­tou-nos a sua (lon­ga) his­tó­ria, an­tes e de­pois da of­tal­mo­lo­gia, e ca­ti­vou-nos pe­las idei­as que de­fen­de.

Of­talP­ro: Con­te-nos a sua vi­da, des­de que de­ci­diu tor­nar-se mé­di­co of­tal­mo­lo­gis­ta.

Jo­sé Gui­lher­me Mon­tei­ro: O iní­cio da mi­nha ati­vi­da­de pro­fis­si­o­nal foi com­pli­ca­do. Quan­do ter­mi­nei o cur­so de Me­di­ci­na, con­cor­ri ao in­ter­na­to mas fui “ca­ça­do” pe­lo ser­vi­ço mi­li­tar. Quan­do re­gres­sei do ser­vi­ço mi­li­tar, uma se­nho­ra no Mi­nis­té­rio dis­se-me - e eu acre­di­tei - que na en­tra­da pa­ra o in­ter­na­to ti­nha qua­tro cur­sos à mi­nha fren­te e, por­tan­to, fi­ca­ria atrás de to­da a gen­te. Foi por es­sa al­tu­ra que sur­giu uma pro­pos­ta pa­ra as­sis­ten­te de far­ma­co­lo­gia na Uni­ver­si­da­de de Lu­an­da. Fui pa­ra lá em 1971. Dois anos de­pois, um fa­mi­li­ar te­ve de re­gres­sar, por do­en­ça; mas en­ten­di as­se­gu­rar as au­las até ao fim do ano le­ti­vo. Quan­do vol­tei de vez, man­ti­ve a li­ga­ção à far­ma­co­lo­gia e em pa­ra­le­lo co­me­cei o in­ter­na­to de of­tal­mo­lo­gia no Hos­pi­tal de San­to An­tó­nio, no Por­to.

OF: E de­pois do in­ter­na­to?

JGM: Quan­do ter­mi­nei a es­pe­ci­a­li­da­de con­ti­nu­ei no Hos­pi­tal de San­to An­tó­nio. Fo­ram anos em que a of­tal­mo­lo­gia por­tu­gue­sa te­ve um gran­de pro­gres­so téc­ni­co, o que me per­mi­tiu im­ple­men­tar o uso do pri­mei­ro pe­rí­me­tro au­to­má­ti­co no Por­to, co­me­çar a fa­zer vi­trec­to­mi­as em 1982 e en­si­nar o pri­mei­ro gru­po que se de­di­cou a es­ta ci­rur­gia, e ain­da fa­zer par­te do gru­po en­tão res­tri­to que uti­li­za­va a an­gi­o­gra­fia flu­o­res­ceí­ni­ca e o la­ser. Em 1991 fui convidado pa­ra di­re­tor do ser­vi­ço de of­tal­mo­lo­gia do hos­pi­tal de Ma­to­si­nhos e pa­ra or­ga­ni­zar o do no­vo. Mas aca­bou por ser o ser­vi­ço e “meio” hos­pi­tal (ri­sos). Fui in­cluí­do na co­mis­são téc­ni­ca pa­ra es­co­lha do ma­te­ri­al de to­das as es­pe­ci­a­li­da­des do hos­pi­tal e, co­mo cal­cu­la, fi­quei com uma “ba­ta­ta quen­te” na mão. Pu­de per­ce­ber al­guns tru­ques que os for­ne­ce­do­res usa­vam pa­ra “le­var a água ao seu moi­nho”. No fim, es­tas “ba­ta­tas” até fo­ram bo­as, pois aju­da­ram-me a evo­luir ao per­ce­ber os me­an­dros... Es­ti­ve até 1996 no an­ti­go hos­pi­tal, quan­do mu­dei pa­ra o hos­pi­tal no­vo, o Pe­dro His­pa­no, on­de fi­quei até 2002/2003. Nes­sa al­tu­ra pe­di a de­mis­são de di­re­tor de ser­vi­ço, por­que não acei­ta­va os cri­té­ri­os da ad­mi­nis­tra­ção do hos­pi­tal. Con­ti­nu­ei por lá mais dois ou três anos até que de­ci­di pe­dir a re­for­ma.

OF: Es­tá re­for­ma­do ago­ra?

JGM: “Nim”. Ou se­ja, ofi­ci­al­men­te, na fun­ção pú­bli­ca, es­tou re­for­ma­do, mas con­ti­nuo a exer­cer of­tal­mo­lo­gia. Uma par­te pe­que­na é no meu con­sul­tó­rio, a ou­tra é di­vi­di­da pe­lo gru­po Tro­fa Saú­de, en­tre o Hos­pi­tal Pri­va­do da Boa No­va e o Hos­pi­tal de Dia da Maia. O res­to do tem­po é pa­ra in­ves­ti­ga­ção, clí­ni­ca ou do­cu­men­tal, pa­ra fa­zer re­vi­sões ou es­cre­ver. Ho­je, com a in­ter­net, con­se­gui­mos ace­der a qua­se tu­do. Te­mos pra­ti­ca­men­te to­da a bi­bli­o­gra­fia ne­ces­sá­ria à nos­sa dis­po­si­ção e, sem sair da se­cre­tá­ria, con­se­gui­mos fa­zer es­te ti­po de tra­ba­lho. E ain­da, pa­ra a ocu­pa­ção dos tem­pos li­vres, de­di­co-me a fa­zer fo­to­gra­fia ou a re­cu­pe­rar an­ti­gas. Nes­ta área já re­ce­bi pré­mi­os das So­ci­e­da­des Por­tu­gue­sa e Es­pa­nho­la de Of­tal­mo­lo­gia, tan­to na área ci­en­tí­fi­ca co­mo na ar­tís­ti­ca.

OF: E en­vol­ve-se tam­bém na or­ga­ni­za­ção de al­guns even­tos ci­en­tí­fi­cos. Porquê?

JGM: Sa­ber­mos as coi­sas e não as trans­mi­tir­mos é um dis­pa­ra­te. Des­de há 10 anos que te­nho or­ga­ni­za­do, em co­la­bo­ra­ção com a Or­dem dos Mé­di­cos e a So­ci­e­da­de Por­tu­gue­sa de Of­tal­mo­lo­gia, a mai­or par­te dos cur­sos pa­ra os no­vos in­ter­nos. O mo­de­lo dos cur­sos so­freu vá­ri­as os­ci­la­ções ao lon­go do tem­po, mas o mais im­por­tan­te man­tém-se: pro­por­ci­o­nar for­ma­ção or­ga­ni­za­da e ori­en­ta­da aos in­ter­nos de of­tal­mo­lo­gia. E es­te ano se­rá o X Cur­so de Glau­co­ma, da So­ci­e­da­de Es­pa­nho­la,

em que tam­bém co­la­bo­ro. Além dis­so, or­ga­ni­zei em 2014 a reu­nião da so­ci­e­da­de fran­ce­sa SE­VE e co­la­bo­ro nou­tros even­tos ci­en­tí­fi­cos que vão acon­te­cen­do pon­tu­al­men­te, co­mo é o ca­so da ses­são clí­ni­ca “No­vas abor­da­gens no tra­ta­men­to do glau­co­ma”, que de­cor­reu em no­vem­bro pas­sa­do no Hos­pi­tal Pri­va­do da Boa No­va.

OF: Mas, e vol­tan­do um pou­co ao iní­cio, porquê de­ci­diu abra­çar a of­tal­mol­gia?

JGM: Boa per­gun­ta! Ini­ci­al­men­te, não es­ta­va pre­vis­ta a of­tal­mo­lo­gia. Es­ta­va mais in­te­res­sa­do nu­ma área li­ga­da às ci­ên­ci­as bá­si­cas da me­di­ci­na. Na al­tu­ra em que fi­na­li­zei o cur­so ain­da exis­tia a te­se de li­cen­ci­a­tu­ra (ago­ra ex­tin­ta). A mi­nha in­ci­diu na área da ge­né­ti­ca. De­pois, co­mo já re­fe­ri, es­ti­ve li­ga­do à far­ma­co­lo­gia. A mi­nha ideia se­ria man­ter-me li­ga­do a es­ta área, mas – e tal­vez por in­fluên­cia do meu pai, que era of­tal­mo­lo­gis­ta – aca­bei por es­co­lher a of­tal­mo­lo­gia. Es­te apoio fa­mi­li­ar fa­ci­li­tou o ar­ran­que nes­ta área.

OF: E porquê a de­di­ca­ção ao glau­co­ma?

JGM: Por­que me fas­ci­na. Em pri­mei­ro lu­gar, por ser uma área com­pli­ca­da. Em se­gun­do,

por­que é uma área on­de se con­se­guem re­sul­ta­dos ra­zoá­veis, ca­so o do­en­te se­ja vi­gi­a­do e tra­ta­do a tem­po. Em ter­cei­ro, por­que o in­te­res­se por es­ta área vi­nha já de trás. Ain­da du­ran­te o cur­so de Me­di­ci­na, es­cre­vi um ar­ti­go so­bre glau­co­ma pa­ra a re­vis­ta que exis­tia na fa­cul­da­de... era uma re­vis­ta cri­a­da por alu­nos e pa­ra alu­nos... foi o pri­mei­ro ar­ti­go que es­cre­vi na vi­da! Além dis­so, no dou­to­ra­men­to op­tei por de­fen­der em si­mul­tâ­neo os dois te­mas, ten­do es­co­lhi­do pa­ra te­ma se­cun­dá­rio “Tra­ta­men­to mé­di­co do glau­co­ma”.

OF: Por on­de ca­mi­nha a in­ves­ti­ga­ção em of­tal­mo­lo­gia no nos­so país?

JGM: Há avan­ços, e em al­gu­mas áre­as po­de­mos con­si­de­rar-nos pi­o­nei­ros. Mas, se for­mos com­pa­rar com a in­ves­ti­ga­ção de ou­tros paí­ses, tal­vez o re­tra­to não se­ja tão bom, mes­mo sem fa­lar na in­ves­ti­ga­ção bá­si­ca. Em par­te, por­que nos fal­ta o “re­co­nhe­ci­men­to da im­por­tân­cia do pas­sa­do”. Não é um pro­ble­ma das pes­so­as, mas das es­tru­tu­ras. Do pon­to de vis­ta da in­ves­ti­ga­ção, é fun­da­men­tal uma boa or­ga­ni­za­ção dos ar­qui­vos e sis­te­ma de re­gis­to das ima­gens, e que eles se­jam fa­cil­men­te aces­sí­veis. Em Por­tu­gal is­to não su­ce­de – a in­for­ma­ção exis­ten­te não es­tá in­de­xa­da, pe­lo que a bus­ca te­rá de ser ma­nu­al. Is­to se os hos­pi­tais man­ti­ve­rem os do­cu­men­tos com 10

ou 20 anos e não os ti­ve­rem des­truí­do “por se­rem inú­teis”...

OF: Que pro­je­tos tem em men­te pa­ra o fu­tu­ro?

JGM: O fu­tu­ro di­go-lhe de­pois (ri­sos). O que te­nho vin­do a fa­zer, e que que­ro con­ti­nu­ar a fa­zer, é re­du­zir a ati­vi­da­de clí­ni­ca e re­ser­var tem­po pa­ra a atu­a­li­za­ção, in­ves­ti­ga­ção e ela­bo­ra­ção de tex­tos. E co­me­çar tam­bém a dei­xar al­gum tem­po pa­ra a fa­mí­lia, tão pre­ju­di­ca­da nes­tes anos to­dos por cau­sa do tra­ba­lho.

OF: Que men­sa­gem gos­ta­ria de dei­xar aos seus co­le­gas de pro­fis­são, es­pe­ci­al­men­te aos mais no­vos?

JGM: O mais im­por­tan­te, pa­ra quem es­tá a co­me­çar, é ter uma boa ba­se teó­ri­ca que sir­va de apoio à vi­da prá­ti­ca. Não só em of­tal­mol­gia pu­ra, mas tam­bém nou­tras áre­as que com­ple­men­tam a of­tal­mo­lo­gia. É al­go que vai per­mi­tir re­sol­ver mui­tos pro­ble­mas. E, de­pois, aqui­lo que não agra­da a nin­guém: tra­ba­lho, tra­ba­lho, tra­ba­lho. Quan­to mais uma pes­soa tra­ba­lhar, quan­to mais apren­der nos pri­mei­ros anos da es­pe­ci­a­li­da­de, me­lho­res re­sul­ta­dos vai con­se­guir atin­gir mais tar­de.

OF: O que o mo­ve na vi­da e na pro­fis­são?

JGM: É uma per­gun­ta que não tem uma res­pos­ta fá­cil. Na pro­fis­são é ten­tar es­tar o mais atu­a­li­za­do pos­sí­vel e fa­zer as coi­sas da me­lhor for­ma pos­sí­vel. Cla­ro que há sem­pre sur­pre­sas, mas não é is­so que nos po­de im­pe­dir de ten­tar. Na vi­da, é es­tar de acor­do com aqui­lo que sou e pen­so, mes­mo que is­so de­sa­gra­de a mui­ta gen­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.