25 ANOS SO­LI­DÁ­RI­OS GRU­PO CON­SE­LHEI­ROS DA VI­SÃO

CECOP mar­ca pre­sen­ça em fei­ras in­ter­na­ci­o­nais Ci­o­ne re­no­va lo­ja on­li­ne

Opticapro - - Primeira Página -

Foi num am­bi­en­te de char­me e ele­gân­cia que de­cor­reu a ga­la com que o Gru­po Con­se­lhei­ros da Vi­são (GCV) deu por en­cer­ra­do o ano das co­me­mo­ra­ções do quar­to de sé­cu­lo da sua fun­da­ção. O Sa­lão Pre­to e Pra­ta do Ca­si­no Es­to­ril re­ce­beu co­o­pe­ra­do­res, par­cei­ros, cli­en­tes, ami­gos, im­pren­sa e mui­tas fi­gu­ras pú­bli­cas que qui­se­ram fes­te­jar jun­ta­men­te com o gru­po o su­ces­so que o tem ca­rac­te­ri­za­do ao lon­go dos seus 25 anos de exis­tên­cia. O se­gre­do pa­ra a so­li­dez des­te gru­po, fun­da­do por óti­cos por­tu­gue­ses, tem si­do o seu cres­ci­men­to em nú­me­ro de co­o­pe­ra­do­res, a sua co­e­são, a sua re­si­li­ên­cia e per­sis­tên­cia no al­can­ce dos seus ob­je­ti­vos: ser­vir os óti­cos e os seus cli­en­tes. O le­ma “A Saú­de Ocu­lar em Pri­mei­ro Lu­gar” e os pro­gra­mas de com­ba­te à ce­guei­ra evi­tá­vel, no­me­a­da­men­te a in­fan­til, com a ação “Am­bli­o­pia Ze­ro”, têm fei­to a di­fe­ren­ça no mer­ca­do, pa­ra além do aten­di­men­to per­so­na­li­za­do e for­ma­ção con­tí­nua.

Fes­ta “má­gi­ca”

Após o dis­cur­so de aber­tu­ra pro­fe­ri­do pe­lo di­re­tor de Re­cur­sos Hu­ma­nos do GCV, Pe­dro Soares, em que des­ta­cou a par­ti­lha de emoções na vi­da dos Con­se­lhei­ros da Vi­são, foi a vez de ser pas­sa­do em re­vis­ta o le­ga­do dos seus fun­da­do­res, desde os pri­mór­di­os até às cam­pa­nhas de so­li­da­ri­e­da­de, com es­pe­ci­al re­le­vân­cia pa­ra aque­las que se conc­re­tizaram, mais re­cen­te­men­te, em Ca­bo Ver­de, São To­mé e Prín­ci­pe e na lu­ta con­tra o can­cro da ma­ma. Luís Neves, di­re­tor fi­nan­cei­ro do gru­po, fez o pon­to de si­tu­a­ção da ação

so­li­dá­ria “Olhe por Si… Jun­tos na Lu­ta con­tra o Can­cro da Ma­ma!”, que re­sul­tou na do­a­ção de um ecó­gra­fo à As­so­ci­a­ção Por­tu­gue­sa de Apoio à Mu­lher com Can­cro da Ma­ma (APAMCM) e apre­sen­tou a se­gun­da fa­se da cau­sa so­li­dá­ria “Olhe por Si…” pa­ra 2015, e cu­jo be­ne­fi­ci­a­do se­rá a As­so­ci­a­ção Ma­ma Help se­di­a­da no Por­to, com a do­a­ção de um cap­su­lo­blast, um sis­te­ma ino­va­dor ba­se­a­do em ul­tra-sons que aju­da a pre­ve­nir e a tra­tar ex­ter­na­men­te a con­tra­tu­ra cap­su­lar sem re­cur­so a ci­rur­gia. A pre­si­den­te da APAMCM, Ma­fal­da Pinto- Co­e­lho, agra­de­ceu ao pre­si­den­te do Gru­po Con­se­lhei­ros da Vi­são, Rafael Cla­ro da Silva, o re­sul­ta­do da cam­pa­nha em be­ne­fí­cio das mu­lhe­res que pre­ten­dam fa­zer o ras­treio nas su­as ins­ta­la­ções. Re­fe­riu-se tam­bém às em­bai­xa­do­ras das óti­cas Con­se­lhei­ros da Vi­são, as ar­tis­tas Si­mo­ne de Oli­vei­ra e Ri­ta Ri­bei­ro, men­ci­o­nan­do-as co­mo “du­as gran­des mu­lhe­res” e a quem agra­de­ceu por te­rem si­do os ros­tos des­ta cau­sa de­sen­vol­vi­da pe­lo GCV. E foi a vez de Si­mo­ne de Oli­vei­ra su­bir ao pal­co pa­ra di­zer de sua jus­ti­ça e dar o seu pró­prio exem­plo co­mo uma pa­ci­en­te de can­cro da ma­ma. Tam­bém a ar­tis­ta co­me­mo­ra­va os 50 anos da vi­tó­ria da mú­si­ca “Sol de In­ver­no”, que re­pre­sen­tou Por­tu­gal no Fes­ti­val Eu­ro­vi­são da Can­ção, que te­ve lu­gar em Ná­po­les a 20 de mar­ço de 1965.

“Des­fi­le das guer­rei­ras”

O mo­men­to al­to des­te even­to foi, sem dú­vi­da, o “des­fi­le das guer­rei­ras”, mu­lhe­res que lu­ta­ram ou ain­da lu­tam con­tra o can­cro da ma­ma. “Al­gu­mas de­las têm bem

A CECOP par­ti­ci­pa anu­al­men­te nos mais im­por­tan­tes even­tos re­la­ci­o­na­dos com o se­tor óti­co. En­tre os di­as 28 de fe­ve­rei­ro e 2 de mar­ço, o gru­po in­de­pen­den­te de óti­cas es­te­ve pre­sen­te na Mi­do, fei­ra de re­fe­rên­cia mun­di­al que de­cor­re em Mi­lão, Itá­lia. Já no mês de abril, a CECOP viajou até São Pau­lo ( Bra­sil), pa­ra par­ti­ci­par na Ex­poA­bió­ti­ca, en­tre os di­as 15 e 18, e até Bir­mingham (Rei­no Uni­do), pa­ra apre­sen­tar as su­as no­vi­da­des na Op­tra­fair, en­tre os di­as 18 e 20. “A fi­lo­so­fia da CECOP ex­pan­de­se in­ter­na­ci­o­nal­men­te pa­ra ofe­re­cer o me­lhor ser­vi­ço a to­dos os as­so­ci­a­dos. A ope­rar atu­al­men­te em di­fe­ren­tes mer­ca­dos fo­ra de Por­tu­gal, co­mo Es­pa­nha, Itá­lia, Rei­no Uni­do e Bra­sil, e com mais de 3.000 óti­cas as­so­ci­a­das, o gru­po con­ti­nua com pla­nos de ex­pan­são pre­vis­tos pa­ra os pró­xi­mos tem­pos”.

A GrandVi­si­on Por­tu­gal foi a an­fi­triã da Ex­clu­si­ve Brands Fair, uma fei­ra in­ter­na­ci­o­nal do gru­po que tem co­mo ob­je­ti­vo a apre­sen­ta­ção das no­vas mar­cas ex­clu­si­vas dos 43 paí­ses on­de ope­ra. O even­to de­cor­reu es­te ano em Por­tu­gal, de 23 a 27 de mar­ço, no Pá­tio da Ga­lé, em Lis­boa, e re­ce­beu cen­te­nas de visitantes de to­das as par­tes do mundo. “Es­tão es­ta­be­le­ci­das as no­vas ten­dên­ci­as de mo­da das mar­cas de­sen­vol­vi­das pe­la re­de in­ter­na­ci­o­nal GrandVi­si­on, que de­tém cer­ca de 5.800 lo­jas e que, em Por­tu­gal, con­ta com a pre­sen­ça das mar­cas Mul­tiOp­ti­cas, GrandOp­ti­cal e So­la­ris. No por­te­fó­lio das mar­cas ex­clu­si­vas - GrandVi­si­on Eyewe­ar Ex­clu­si­ve Brands – no nos­so país, os cli­en­tes po­de­rão con­tar com uma se­le­ção es­tru­tu­ra­da pa­ra ga­ran­tir uma co­ber­tu­ra com­ple­ta em ter­mos de es­ti­lo, pre­ço e ida­de/gé­ne­ro, co­mo é o ca­so dos pro­du­tos Sen­saya, Ju­lius, C-Li­ne, He­ri­ta­ge, Mi­ki Ninn, en­tre ou­tros, já dis­po­ní­veis nas nos­sas re­des de lo­jas”, afir­mou Rui Bor­ges, CEO do Gru­po GrandVi­si­on em Por­tu­gal, acres­cen­tan­do que “é com enor­me sa­tis­fa­ção que a GrandVi­si­on Por­tu­gal é, es­te ano, a gran­de an­fi­triã des­te even­to de ca­rá­ter in­ter­na­ci­o­nal e que vol­ta­rá a Por­tu­gal em se­tem­bro, pa­ra apre­sen­tar as ten­dên­ci­as pa­ra 2016”. A GrandVi­si­on Por­tu­gal le­vou os seus ge­ren­tes de lo­ja, bem co­mo fran­qui­a­dos Mul­tiOp­ti­cas, à Ex­clu­si­ve Brands Fair, on­de pu­de­ram ve­ri­fi­car “o for­te investimento que o gru­po efe­tua no de­sen­vol­vi­men­to de no­vos pro­du­tos, bem co­mo, no con­tro­lo de qua­li­da­de no se­tor de mo­da, su­por­ta­dos por cam­pa­nhas de mar­ke­ting de gran­de es­ca­la”.

A Op­ti­ca­lia viu re­co­nhe­ci­da a qua­li­da­de dos seus pro­du­tos e ser­vi­ços ao ser dis­tin­gui­da com o Pré­mio Cin­co Es­tre­las, q que pre­mi­ou ao tod to­do 36 em­pre­sas. Nas p pa­la­vras de Dé­bo Dé­bo­ra San­tos Silva, resp res­pon­sá­vel pe­la cer­ti­fi­ca­ção,ti “criá­mos es­te pro­je­to por con­si­de­rar que exis­te es­pa­ço no mer­ca­do pa­ra uma cer­ti­fi­ca­ção que uti­li­za a me­to­do­lo­gia mais com­ple­ta, ri­go­ro­sa e fle­xí­vel. Os pro­du­tos e ser­vi­ços cer­ti­fi­ca­dos pe­lo pré­mio dão ga­ran­ti­as ao con­su­mi­dor da sua qua­li­da­de, uma vez que são ava­li­a­dos em três si­tu­a­ções dis­tin­tas e com­ple­men­ta­res”. As di­fe­ren­tes eta­pas de ava­li­a­ção en­vol­vem, por um la­do, con­su­mi­do­res-al­vo das di­fe­ren­tes ca­te­go­ri­as de con­su­mo que ex­pe­ri­men­tam os pro­du­tos e ser­vi­ços em aná­li­se e, por ou­tro, uma amos­tra re­pre­sen­ta­ti­va da po­pu­la­ção por­tu­gue­sa com 2.000 con­su­mi­do­res. Com uma clas­si­fi­ca­ção glo­bal de 8.73, “a Op­ti­ca­lia pro­vou que veio pa­ra mu­dar o pa­ra­dig­ma do se­tor e pa­ra res­pon­der às ne­ces­si­da­des dos cli­en­tes que an­si­a­vam por uma mar­ca e ser­vi­ço de óti­ca di­fe­ren­tes”. Pa­ra António Al­ves, di­re­tor-ge­ral da Op­ti­ca­lia, “ser­mos re­co­nhe­ci­dos com um ga­lar­dão des­tes – após dois anos e dois me­ses de o gru­po ter en­tra­do no se­tor por­tu­guês - é si­nal de que o mer­ca­do es­ta­va à es­pe­ra de uma mar­ca que lhe ofe­re­ces­se mo­da a bom pre­ço e um po­si­ci­o­na­men­to dis­tin­to. E é um enor­me or­gu­lho sa­ber que o con­se­gui­mos em tão pou­co tem­po”. A No­vaóp­ti­ca de Gui­ma­rães ar­re­ca­dou o se­gun­do pré­mio Bes­to­re, uma dis­tin­ção in­ter­na­ci­o­nal pro­mo­vi­da es­te ano pe­la fei­ra de Mi­lão. O Bes­to­re é uma com­pe­ti­ção in­ter­na­ci­o­nal pa­ra dis­tin­guir a me­lhor óti­ca do mundo, em re­la­ção ao ‘de­sign’ do es­pa­ço e à ex­pe­ri­ên­cia de ven­da/ com­pra, ten­do em con­ta fa­to­res co­mo mar­ke­ting e comunicação. “Acei­ta­mos o pré­mio Bes­to­re co­mo um re­co­nhe­ci­men­to pres­ti­gi­an­te, que sa­be­mos es­tar ao al­can­ce ape­nas das lo­jas mais ino­va­do­ras e ori­gi­nais, sen­do es­ta elei­ção o re­sul­ta­do ri­go­ro­so de um pai­nel criterioso de re­co­nhe­ci­da com­pe­tên­cia in­ter­na­ci­o­nal. Ex­ce­lên­cia no ser­vi­ço pres­ta­do, so­li­dez e es­tra­té­gia de abor­da­gem ao mer­ca­do são fa­to­res tam­bém re­co­nhe­ci­dos com es­te pré­mio, o qual hu­mil­de­men­te nos obri­ga a ele­var di­a­ri­a­men­te a qua­li­da­de do ser­vi­ço que pres­ta­mos a to­dos que nos pro­cu­ram. Tam­bém a equi­pa de ar­qui­te­tos Ti­a­go Tsou e António Al­ber­to Cos­ta con­gra­tu­la­se pe­lo pré­mio al­can­ça­do, re­fle­xo do tra­ba­lho de­sen­vol­vi­do em par­ce­ria com a No­vaóp­ti­ca, no sen­ti­do de pro­por­ci­o­nar ao cli­en­te um es­pa­ço es­te­ti­ca­men­te agra­dá­vel e fun­ci­o­nal”, as­su­mi­ram os res­pon­sá­veis pe­la No­vaóp­ti­ca, ni­ti­da­men­te or­gu­lho­sos pe­la dis­tin­ção. As óti­cas ven­ce­do­ras fo­ram es­co­lhi­das por um pai­nel in­ter­na­ci­o­nal de es­pe­ci­a­lis­tas em ‘eyewe­ar’, mar­ke­ting e vi­tri­nis­mo. A óti­ca Leid­mann, de Mu­ni­que, fi­cou em pri­mei­ro lu­gar e a My­ki­ta, na Ale­ma­nha, ocu­pou a ter­cei­ra po­si­ção.

A 10 e 11 de mar­ço, Pe­tra Rus­ch, res­pon­sá­vel pe­lo De­par­ta­men­to de Pes­qui­sa & De­sen­vol­vi­men­to da Si­lhou­et­te, es­te­ve em Por­tu­gal pa­ra qua­tro ações de for­ma­ção téc­ni­ca que de­cor­re­ram em Lis­boa e no Por­to. Cer­ca de 80 pro­fis­si­o­nais ti­ve­ram a opor­tu­ni­da­de de co­nhe­cer to­da a tec­no­lo­gia que es­tá por de­trás de ca­da pe­ça Si­lhou­et­te e pra­ti­car as di­fe­ren­tes téc­ni­cas de mon­ta­gem, des­mon­ta­gem, adap­ta­ção, in­cli­na­ção e cor­te. O gran­de ob­je­ti­vo des­tas ações de for­ma­ção foi fa­ci­li­tar e ma­xi­mi­zar o tra­ba­lho de ofi­ci­na e pro­por­ci­o­nar ao con­su­mi­dor um ser­vi­ço téc­ni­co de ex­ce­lên­cia. Foi um “mo­men­to de apren­di­za­gem úni­co”, quer pa­ra os for­man­dos quer pa­ra Pe­tra Rus­ch, que afir­mou que “o ní­vel de co­nhe­ci­men­to e au­to­no­mia téc­ni­ca dos pro­fis­si­o­nais por­tu­gue­ses é ab­so­lu­ta­men­te exem­plar”. O hu­mo­ris­ta Herman Jo­sé é o no­vo em­bai­xa­dor do gru­po Op­ti­vi­são. So­bre o pa­pel de em­bai­xa­dor, Herman Jo­sé re­ve­la que sen­te “mui­to or­gu­lho em re­pre­sen­tar uma mar­ca 100% na­ci­o­nal, que é pro­fis­si­o­nal e aten­ta às ne­ces­si­da­des dos seus con­su­mi­do­res”. Pa­ra Ma­ria Ade­lai­de Pe­ne­do, pre­si­den­te do con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção da Op­ti­vi­são, “Herman Jo­sé é uma fi­gu­ra em­ble­má­ti­ca que é exi­gen­te no que à sua saú­de ocu­lar con­cer­ne e pro­cu­ra ape­nas os me­lho­res pro­fis­si­o­nais e ar­ti­gos. Acei­tar es­te con­vi­te é con­fi­ar na mar­ca. Não po­de­ría­mos es­tar mais fe­li­zes. É uma co­la­bo­ra­ção que re­pre­sen­ta dis­tin­ta­men­te a Op­ti­vi­são”.

25 anos so­li­dá­ri­os

Na­tu­raLo­ok à ven­da na FNAC

Por­tu­gal an­fi­trião da Fei­ra In­ter­na­ci­o­nal da GrandVi­si­on

Herman Jo­sé “em­pres­ta” ima­gem à Op­ti­vi­são

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.