En­tre­vis­ta: Rui Le­al, M.O.N.

Opticapro - - Sumário - OP: OP: OP:

Óp­ti­caP­ro: O que é o Mo­vi­men­to Op­to­me­tris­tas Norte? Rui Le­al:

O Mo­vi­men­to Op­to­me­tris­tas Norte agre­ga pro­fis­si­o­nais li­cen­ci­a­dos em op­to­me­tria re­si­den­tes no norte de Por­tu­gal, com o ob­je­ti­vo de di­vul­gar es­ta pro­fis­são. Foi es­te o mo­te lan­ça­do em 2014 e ofi­ci­a­li­za­do em fe­ve­rei­ro des­te ano. Em pou­co mais de um mês, con­se­gui­mos reu­nir cer­ca de 60 op­to­me­tris­tas. Nun­ca pen­sá­mos que te­ría­mos tan­ta ade­são de co­le­gas do norte em tão pou­co tem­po.

OP: Mas porquê cin­gi­rem-se à re­gião norte? RL:

Sim­ples­men­te por­que a ideia par­tiu de um gru­po de qua­tro op­to­me­tris­tas do norte. E, ape­sar de nes­te mo­men­to ser­mos to­dos do norte, não qu­e­re­mos ex­cluir nin­guém. Se al­guns co­le­gas do sul qui­se­rem jun­tar­se ao M.O. N, po­de­rão fa­zê-lo, sem pro­ble­ma. Po­rém, to­dos os even­tos e ini­ci­a­ti­vas que ire­mos re­a­li­zar se­rão a norte, até por uma ques­tão de lo­gís­ti­ca. Tal­vez es­te pri­mei­ro mo­vi­men­to dê azo a que se cri­em ou­tros nú­cle­os re­gi­o­nais pe­lo país. Se­ria óti­mo pa­ra dar a co­nhe­cer a op­to­me­tria.

A As­so­ci­a­ção de Pro­fis­si­o­nais Li­cen­ci­a­dos de Op­to­me­tria “viu com bons olhos” es­te mo­vi­men­to? RL:

São vá­ri­as as pes­so­as que nos fa­zem es­sa ques­tão. Não so­mos um mo­vi­men­to ‘an­ti-APLO’. Aliás, fa­ze­mos to­dos par­te da As­so­ci­a­ção de Pro­fis­si­o­nais Li­cen­ci­a­dos de Op­to­me­tria. Não pre­ten­de­mos subs­ti­tuir a APLO ou a UPOOP. Qu­e­re­mos, sim, ser um com­ple­men­to a ní­vel re­gi­o­nal às as­so­ci­a­ções já es­ta­be­le­ci­das em Por­tu­gal. O le­ma do M.O. N. é, co­mo já re­fe­ri, di­na­mi­zar a op­to­me­tria jun­to da co­mu­ni­da­de norte.

E de que for­ma pre­ten­dem di­na­mi­zar a op­to­me­tria? RL:

Pa­ra já, de três for­mas. Atra­vés de mo­men­tos lú­di­cos, com ini­ci­a­ti­vas des­por­ti­vas e cul­tu­rais, de mo­men­tos so­li­dá­ri­os, com cam­pa­nhas de sen­si­bi­li­za­ção jun­to da po­pu­la­ção, e de mo­men­tos formativos, com pa­les­tras so­bre vá­ri­os as­sun­tos di­re­ci­o­na­das aos op­to­me­tris­tas do gru­po. To­das as idei­as e su­ges­tões se­rão bem-vin­das. O mo­vi­men­to é de to­dos e con­ta com a co­la­bo­ra­ção de to­dos os mem­bros.

Te­rão al­gum ti­po de apoio fi­nan­cei­ro pa­ra le­var a ca­bo es­tas ini­ci­a­ti­vas? RL:

Não. Qu­e­re­mos di­na­mi­zar a op­to­me­tria fo­ra do âm­bi­to co­mer­ci­al. Ou se­ja, não qu­e­re­mos es­tar as­so­ci­a­dos a mar­cas ou em­pre­sas do se­tor óti­co, qu­e­re­mos sim­ples­men­te di­vul­gar o no­me op­to­me­tris­ta. Co­mo não te­re­mos qual­quer li­ga­ção a em­pre­sas, es­tes even­tos se­rão re­a­li­za­dos com ba­se na dis­po­ni­bi­li­da­de e boa von­ta­de dos co­le­gas do M.O. N.. E, se ne­ces­si­tar­mos de al­gum ti­po de equi­pa­men­to pa­ra as cam­pa­nhas, se­rão sem­pre “em­pres­ta­dos” a tí­tu­lo in­di­vi­du­al e não por uma em­pre­sa com al­gum ti­po de in­te­res­se eco­nó­mi­co.

Na sua opi­nião, o que fal­ta pa­ra a tão de­se­ja­da re­gu­la­men­ta­ção da op­to­me­tria em Por­tu­gal? RL:

Pa­ra se dar a re­gu­la­men­ta­ção, tem que ha­ver um mai­or “apa­re­cer”. Um mai­or re­co­nhe­ci­men­to por par­te do pú­bli­co e a cre­di­bi­li­za­ção da op­to­me­tria jun­to da po­pu­la­ção vão acar­re­tar, mais ce­do ou mais tar­de, a re­gu­la­men­ta­ção da pro­fis­são. De­ve­mos unir-nos nes­te sen­ti­do. Di­vul­gar a op­to­me­tria. Tra­ba­lhar no ter­re­no. Mos­trar às pes­so­as aqui­lo que re­al­men­te fa­ze­mos.

Que men­sa­gem gos­ta­ria de dei­xar aos seus co­le­gas?

Te­mos que lu­tar pe­lo re­co­nhe­ci­men­to da op­to­me­tria. Mais, é es­sen­ci­al gos­tar­mos da­qui­lo que fa­ze­mos! Só as­sim po­de­mos vi­ver a pro­fis­são da me­lhor ma­nei­ra... só as­sim con­se­gui­mos aju­dar re­al­men­te as pes­so­as. E es­te “aju­dar” de­ve­rá ser o ob­je­ti­vo mai­or de qual­quer op­to­me­tris­ta.

É is­so que o mo­ve na vi­da, o po­der aju­dar as pes­so­as? RL:

Com­ple­ta­men­te. Sou um afi­ci­o­na­do pe­la op­to­me­tria, en­quan­to pro­fis­são e téc­ni­ca de saú­de com­ple­men­tar à of­tal­mo­lo­gia. Além dis­so, acre­di­to mui­to na so­li­da­ri­e­da­de. Acho que to­das as pes­so­as têm al­go a dar à so­ci­e­da­de. Porquê não fa­zê-lo com a op­to­me­tria? Rui Ti­a­go Le­al nas­ceu a 9 de abril de 1988, na Pó­voa de Var­zim. Na al­tu­ra de in­gres­sar o en­si­no su­pe­ri­or, en­trou na sua ter­cei­ra op­ção: Op­to­me­tria e Ci­ên­ci­as da Vi­são, na Uni­ver­si­da­de do Mi­nho. “Ape­sar de não sa­ber mui­to bem o que me es­pe­ra­va ini­ci­al­men­te, fui gos­tan­do ca­da vez mais do cur­so à me­di­da que o tem­po ía pas­san­do. Apai­xo­nei-me pe­la área! E, ho­je, não tro­ca­ria a op­to­me­tria por na­da”. De­pois de con­cluir a li­cen­ci­a­tu­ra, em 2010, fez o es­tá­gio da APLO e co­me­çou de­pois a tra­ba­lhar na Óp­ti­ca No­va Pa­re­des Bal­tar, em Pa­re­des, on­de per­ma­ne­ceu qua­se três anos. Há cer­ca de um ano, de­sem­pe­nha fun­ções de op­to­me­tria na Clí­ni­ca de Of­tal­mo­lo­gia Dr. Mi­guel Sousa Neves, na Pó­voa de Var­zim. E, pa­ra além de co­or­de­na­dor ge­ral do M.O. N., é lí­der de um clu­be de paint­ball. “Sin­to-me bem nes­tes am­bi­en­tes de “gru­po”. Gos­to de po­der unir as pes­so­as, ou os pro­fis­si­o­nais, pa­ra se atin­gir um ob­je­ti­vo co­mum”, con­cluiu.

Es­ta apli­ca­ção pos­sui vá­ri­as fun­ci­o­na­li­da­des que são uma fer­ra­men­ta po­de­ro­sa pa­ra in­cen­ti­var o cli­en­te, das quais o com­pa­ra­dor de es­pes­su­ras, o si­mu­la­dor de tratamentos e de ge­o­me­tria das ga­mas de len­tes Fre­eForm®, tor­nan­do-se mui­to útil pa­ra que o cli­en­te ve­ja qual a me­lhor so­lu­ção de len­tes pa­ra o seu dia-a- dia. Al­gu­mas das mui­tas ra­zões pa­ra que o iPort de­va ser uti­li­za­do são a ra­pi­dez e efi­cá­cia da apli­ca­ção, com uma pre­ci­são de ex­ce­lên­cia nas me­di­ções, in­ter­li­ga­da com o uso da tec­no­lo­gia de al­ta per­ce­ção, on­de pas­sa a exis­tir uma mi­ni­mi­za­ção dos er­ros na en­co­men­da do pro­du­to, ten­do uma in­te­ra­ção vi­su­al ape­la­ti­va e con­ce­den­do uma opor­tu­ni­da­de de se­guir os de­sen­vol­vi­men­tos es­pe­cí­fi­cos no se­tor. To­dos es­tes fa­to­res são be­né­fi­cos pa­ra uma ven­da de su­ces­so. O iPort con­ce­de-lhe a opor­tu­ni­da­de de po­der ti­rar uma fo­to­gra­fia ao cli­en­te, sem que se­ja ne­ces­sá­rio qual­quer ou­tro apa­re­lho adicional ao iPad, pa­ra que pos­sa ti­rar as me­di­das ne­ces­sá­ri­as a uma ex­ce­len­te adap­ta­ção das len­tes da No­vax® num cur­to es­pa­ço de tem­po e com uma ex­ce­len­te pre­ci­são. Es­ta apli­ca­ção ape­nas apre­sen­ta len­tes Fre­eForm exis­ten­tes no mer­ca­do, es­tan­do sem­pre atu­a­li­za­da, não cor­ren­do as­sim o ris­co de ven­der um pro­du­to que já não es­te­ja dis­po­ní­vel, con­ce­den­do as­sim ao cli­en­te o co­nhe­ci­men­to ne­ces­sá­rio so­bre os pro­du­tos an­tes da com­pra e as­se­gu­ran­do uma ven­da de su­ces­so com qua­li­da­de e ga­ran­tia. O No­vax® iPort es­tá dis­po­ní­vel na Ap­ple Sto­re, po­den­do fa­zer o ‘down­lo­ad’ gra­tui­ta­men­te da apli­ca­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.