“Que­re­mos ele­var os va­lo­res de ca­da óti­co”

Opticapro - - Entrevista - OP: OP: OP:

Óp­ti­caP­ro: Fa­le-nos do seu percurso pro­fis­si­o­nal até ao mo­men­to. Mi­guel Alves:

O meu percurso pro­fis­si­o­nal co­me­çou quan­do eu ain­da an­da­va no en­si­no se­cun­dá­rio, mes­mo an­tes de en­trar na uni­ver­si­da­de. Co­mo cos­tu­mo di­zer, co­me­cei pe­la ba­se: fui pa­que­te nu­ma em­pre­sa de im­por­ta­ção e ex­por­ta­ção, fiz dis­tri­bui­ção de pro­du­tos ho­te­lei­ros, fui co­mer­ci­al de ou­ri­ve­sa­ria. Em 1999, sur­ge a pos­si­bi­li­da­de de en­trar no se­tor da óti­ca. Ini­ci­al­men­te, de­sem­pe­nhei fun­ções na área co­mer­ci­al, pas­san­do pos­te­ri­or­men­te pa­ra o de­par­ta­men­to de mar­ke­ting e pu­bli­ci­da­de. Ao lon­go des­ses 11 anos, ti­ve opor­tu­ni­da­de de co­nhe­cer pes­so­as fan­tás­ti­cas que me mar­ca­ram e me aju­da­ram a com­pre­en­der o que é a óti­ca.

E porquê aban­do­nar a área da óti­ca, on­de tra­ba­lhou du­ran­te 11 anos? MA:

Na prá­ti­ca, nun­ca aban­do­nei a óti­ca... es­ti­ve sem­pre por per­to. En­tre os anos 2009 e 2013, de­sem­pe­nhei fun­ções em ou­tros se­to­res, co­nhe­ci ou­tros mer­ca­dos, mas sem­pre com a óti­ca no co­ra­ção. Por is­so, em 2013 voltei com no­vas idei­as e no­vas pers­pe­ti­vas.

OP: O que faz atu­al­men­te? MA:

Atu­al­men­te, di­vi­do os meus di­as en­tre a for­ma­ção (nas áre­as co­mer­ci­al, aten­di­men­to, com­por­ta­men­tal, mar­ke­ting e co­mu­ni­ca­ção), o acom­pa­nha­men­to de al­guns óti­cos e o pen­sar em no­vas idei­as pa­ra o se­tor. O meu ob­je­ti­vo é con­tri­buir pa­ra que o se­tor da óti­ca e as pes­so­as que ne­le tra­ba­lham di­a­ri­a­men­te me­lho­rem, eu in­clu­si­ve.

Sa­be­mos que co­la­bo­ra com a ANO. Que ti­po de for­ma­ções di­ri­ge? MA:

Com a As­so­ci­a­ção Na­ci­o­nal dos Óp­ti­cos (ANO) te­nho o pri­vi­lé­gio de le­ci­o­nar al­guns mó­du­los no cur­so de téc­ni­co de óti­ca, no­me­a­da­men­te nas áre­as co­mer­ci­al e de ges­tão, co­mo, tam­bém, de­sen­vol­ver al­guns mó­du­los es­pe­cí­fi­cos nas mes­mas áre­as, mas on­de apro­vei­to pa­ra apro­fun­dar um pou­co mais os te­mas li­ga­dos à mo­ti­va­ção, ao co­a­ching e à Pro­gra­ma­ção Neu­ro­lin­guís­ti­ca (PNL). Além dis­so, no ano pas­sa­do, in­te­grei um pro­je­to mui­to in­te­res­san­te ao ní­vel da for­ma­ção di­re­ta­men­te no pon­to de ven­da.

Que ti­po de ser­vi­ços po­de pres­tar aos em­pre­sá­ri­os da óti­ca? MA:

De uma for­ma ge­ral, tu­do o que es­te­ja li­ga­do à for­ma­ção, ao mar­ke­ting e à co­mu­ni­ca­ção. Sei per­fei­ta­men­te que mui­tos co­le­gas que são pro­pri­e­tá­ri­os de óti­cas, e

Brand­New­Mar­ke­ting quer ser o apoio com que as mar­cas po­dem sem­pre con­tar.

Que pro­je­tos tem em men­te, pa­ra um fu­tu­ro pró­xi­mo? MA:

Pa­ra o fu­tu­ro exis­tem mui­tas idei­as… Des­de a pu­bli­ca­ção de um li­vro di­ri­gi­do ao se­tor, pas­san­do pe­la in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção do con­cei­to, en­tre ou­tras.

Di­ria sim­ples­men­te pa­ra me con­tac­ta­rem (917713244 / brand­new­mar­ke­ting@ou­tlo­ok.com), pa­ra con­ver­sar­mos um pou­co acer­ca do que os pre­o­cu­pa. De­pois, iden­ti­fi­ca­mos os pon­tos em que po­de­re­mos tra­ba­lhar. Acre­di­to nas re­la­ções hu­ma­nas e nas con­ver­sas pes­so­ais.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.