“VA­MOS MAN­TER A PO­SI­ÇÃO DE LÍ­DER NA­CI­O­NAL”

CON­SE­LHO DE AD­MI­NIS­TRA­ÇÃO DA OP­TI­VI­SÃO,

Opticapro - - Primeira Página -

Fa­lá­mos com os mem­bros do con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção da Op­ti­vi­são - Mi­guel Jo­sé Monteiro, Ma­ria Ade­lai­de Pe­ne­do e Jo­sé An­tó­nio Câ­ma­ra - acer­ca da com­pra da Alain Afflelou. O gru­po fran­cês quer re­for­çar a sua pre­sen­ça em Por­tu­gal, atra­vés da ex­pan­são da mar­ca pró­pria e da en­tra­da no ca­pi­tal da Op­ti­vi­são com a aquisição de uma par­ti­ci­pa­ção de 25% que es­ta­va nas mãos de aci­o­nis­tas mi­no­ri­tá­ri­os, mas o gru­po na­ci­o­nal afir­ma que “es­ta ope­ra­ção não tem di­men­são e aquisição su­fi­ci­en­te de ações de for­ma a po­der vir a afe­tar a atu­al es­tru­tu­ra de ges­tão”. Óp­ti­caP­ro: O que po­dem di­zer-nos so­bre es­ta ope­ra­ção da Alain Afflelou? Con­se­lho Ad­mi­nis­tra­ção Op­ti­vi­são:

Não exis­tiu da par­te da ad­mi­nis­tra­ção da Op­ti­vi­são - que foi elei­ta por uma es­ma­ga­do­ra mai­o­ria dos aci­o­nis­tas - ne­nhu­ma in­ten­ção de ven­der a em­pre­sa à Alain Afflelou. A ope­ra­ção te­ve a sua ori­gem num gru­po de aci­o­nis­tas mi­no­ri­tá­ri­os, que não es­tão en­vol­vi­dos na em­pre­sa, que ven­de­ram as su­as ações a um com­pra­dor que vi­nha há al­guns anos a am­bi­ci­o­nar de­ter uma po­si­ção na Op­ti­vi­são. Nes­te mo­men­to, não exis­te ain­da um va­lor exa­to de qual se­rá o va­lor des­pen­di­do por par­te da Alain Afflelou na aquisição do ca­pi­tal mi­no­ri­tá­rio, mas es­ti­ma­se que se­ja su­pe­ri­or a um mi­lhão de eu­ros.

OP: Que im­pli­ca­ções te­rá es­ta com­pra na es­tru­tu­ra da Op­ti­vi­são? CAO:

A ope­ra­ção não tem di­men­são e aquisição su­fi­ci­en­te de ações de for­ma a po­der vir a afe­tar a atu­al es­tru­tu­ra de ges­tão. O cen­tro de de­ci­são é as­se­gu­ra­do pe­lo con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção, su­por­ta­do pe­la po­si­ção de con­tro­lo de­ti­do des­de a fun­da­ção do gru­po Op­ti­vi­são, que é man­ti­do por um acor­do fir­me de en­ten­di­men­to exis­ten­te en­tres as três fa­mí­li­as que detêm a po­si­ção mai­o­ri­tá­ria e que agre­ga tam­bém um gru­po alar­ga­do de aci­o­nis­tas.

OP: Co­mo era cons­ti­tuí­da a es­tru­tu­ra aci­o­nis­ta da Op­ti­vi­são? CAO:

A es­tru­tu­ra aci­o­nis­ta da Op­ti­vi­são es­tá re­par­ti­da por um gru­po que re­pre­sen­ta­va uma mai­o­ria de con­tro­lo do ca­pi­tal que agre­ga as par­ti­ci­pa­ções das fa­mí­li­as dos três fun­da­do­res e por cer­ca de uma cen­te­na de aci­o­nis­tas mi­no­ri­tá­ri­os que re­par­tem o res­tan­te ca­pi­tal.

A Op­ti­vi­são sur­ge, em 1989, as­so­ci­an­do um gru­po de óti­cos por­tu­gue­ses pa­ra de­fen­de­rem os seus in­te­res­ses. Os nos­sos fran­qui­a­dos ti­nham ne­ces­si­da­de de ar­ran­jar fer­ra­men­tas que per­mi­tis­sem dar resposta às ca­dei­as es­tran­gei­ras que co­me­ça­vam a sur­gir no mer­ca­do, be­ne­fi­ci­an­do das si­ner­gi­as que a ne­go­ci­a­ção em gru­po re­pre­sen­ta. Co­mo óti­cos iso­la­dos, não ti­nham ca­pa­ci­da­de fi­nan­cei­ra de pro­je­tar a sua mar­ca a ní­vel na­ci­o­nal. Pa­ra além da fi­gu­ra de fran­qui­a­dos que as­su­mi­am, os óti­cos, na sua gran­de mai­o­ria, fo­ram in­te­gran­do a nos­sa em­pre­sa na qua­li­da­de de aci­o­nis­tas. Foi des­sa qua­li­da­de de aci­o­nis­ta que cer­ca de 30 ab­di­ca­ram, ven­den­do a to­ta­li­da­de das su­as ações à em­pre­sa Alain Afflelou.

OP: Pre­ten­dem ex­pan­dir a vos­sa re­de de as­so­ci­a­dos? CAO:

A ex­pan­são da Op­ti­vi­são ba­seia-se no alar­ga­men­to sus­ten­tan­do da sua re­de de fran­quia, on­de re­cen­te­men­te con­cluí­mos a aber­tu­ra de no­vas uni­da­des. O re­cru­ta­men­to de no­vos fran­qui­a­dos é um pro­gra­ma que per­ma­ne­ce ati­vo e on­de a Op­ti­vi­são es­tá aten­ta a to­das as opor­tu­ni­da­des, co­mo ga­ran­tia de su­ces­so e ma­nu­ten­ção da sua po­si­ção de lí­der na­ci­o­nal.

OP: Que men­sa­gem gos­ta­ri­am de dei­xar aos vos­sos fran­qui­a­dos? CAO:

A Op­ti­vi­são vai con­ti­nu­ar a ter fer­ra­men­tas pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to do ne­gó­cio do nos­so fran­qui­a­do. In­ter­na­men­te, con­ti­nu­a­re­mos a apos­tar na co­mer­ci­a­li­za­ção de pro­du­tos ex­clu­si­vos e, ex­te­ri­or­men­te, por for­ma a au­men­tar a no­to­ri­e­da­de da nos­sa mar­ca jun­to do cli­en­te fi­nal, con­ti­nu­a­re­mos a apos­tar em pu­bli­ci­da­de e a alar­gar a nos­sa re­de de fran­quia. É ver­da­de que a em­pre­sa Alain Afflelou ad­qui­riu par­te do nos­so ca­pi­tal, mas foi ape­nas a qua­li­da­de de aci­o­nis­ta que as­su­miu. A es­tra­té­gia da nos­sa em­pre­sa é e con­ti­nu­a­rá a ser de­ti­da pe­lo gru­po de aci­o­nis­tas que de­tém a mai­o­ria do ca­pi­tal, que tem pre­sen­te os in­te­res­ses da fran­quia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.