“A Ocu­larEyeCa­re pro­põe for­ma­ção, clí­ni­ca e con­sul­to­ria”

Ca­ta­ri­na Se­a­bra, Fi­li­pa San­tos, Dai­a­na Fa­zen­dei­ro e Luís Vieira (Ocu­larEyeCa­re) -

Opticapro - - Primeira Página -

No ano em que co­me­mo­ra o dé­ci­mo ani­ver­sá­rio, a Ocu­larEyeCa­re apre­sen­ta o seu no­vo Cen­tro Clí­ni­co e de For­ma­ção em Por­tu­gal. Avei­ro con­ti­nua a ser a ci­da­de de elei­ção. “O saber fa­zer e a atri­bui­ção de no­vas com­pe­tên­ci­as a to­dos os pro­fis­si­o­nais dos cui­da­dos pri­má­ri­os de saú­de vi­su­al e de óti­ca” con­ti­nu­am a ser a sua mai­or missão. Fru­to de uma equi­pa de es­pe­ci­a­lis­tas na área da op­to­me­tria, a Ocu­larEyeCa­re tem vin­do ao lon­go dos úl­ti­mos anos a re­vo­lu­ci­o­nar o con­cei­to da for­ma­ção clí­ni­ca e téc­ni­ca nas su­as àre­as de ação. Sem­pre em cons­tan­te for­ma­ção e acom­pa­nhan­do o de­sen­vol­vi­men­to da tec­no­lo­gia dis­po­ní­vel no mer­ca­do, a Ocu­larEyeCa­re tem ago­ra em Por­tu­gal no­vas ins­ta­la­ções pen­sa­das de raiz pa­ra pro­por­ci­o­nar a to­dos os co­le­gas o melhor trei­no e aqui­si­ção de com­pe­tên­ci­as pos­sí­vel. Fa­lá­mos com Ca­ta­ri­na Se­a­bra e Luís Vieira, os “ros­tos” do pro­je­to, pa­ra apro­fun­dar­mos es­ta no­va eta­pa da em­pre­sa.

Óp­ti­caP­ro: Tro­ca­ram de ins­ta­la­ções no fi­nal do ano passado. Porquê?

Luís Vieira: Es­ta­mos ago­ra ins­ta­la­dos no nú­me­ro 207 da Ave­ni­da Dr. Lou­ren­ço Pei­xi­nho, bem no cen­tro de Avei­ro. Com o cres­ci­men­to da em­pre­sa ao lon­go des­tes úl­ti­mos 10 anos achá­mos que fa­zia to­do o sen­ti­do au­men­tar­mos a nossa es­tru­tu­ra e de­di­car­mo-nos ex­clu­si­va­men­te ao que nos fez nas­cer, ao nos­so co­re bu­si­ness: for­ma­ção, clí­ni­ca e con­sul­to­ria. No início da Ocu­larEyeCa­re não ha­via a pos­si­bi­li­da­de, ou ma­tu­ri­da­de, pa­ra ter um pro­je­to des­tes. Daí a com­po­nen­te de re­ta­lho as­so­ci­a­da à nossa em­pre­sa, pa­ra con­se­guir­mos su­por­tar o pro­je­to a ní­vel fi­nan­cei­ro. En­tre­tan­to fo­mos cres­cen­do, fo­mos ga­nhan­do o nos­so es­pa­ço e a nossa cre­di­bi­li­da­de no mer­ca­do, e a ver­da­de é que hoje te­mos a pos­si­bi­li­da­de de con­ti­nu­ar a ino­var.

OP: Pa­ra além da for­ma­ção têm ou­tras áre­as de in­ter­ven­ção, co­mo já re­fe­ri­ram...

Ca­ta­ri­na Se­a­bra: A op­to­me­tria clí­ni­ca e a con­sul­to­ria. A par das con­sul­tas de op­to­me­tria que da­mos em “ca­sa”, on­de re­ce­be­mos pa­ci­en­tes que nos con­tac­tam di­re­ta­men­te e pa­ci­en­tes re­di­re­ci­o­na­dos por ou­tras óti­cas ou clí­ni­cas, de­sen­vol­ve­mos o ser­vi­ço de out­sour­cing. Es­te é um pro­gra­ma li­de­ra­do pe­las co­le­gas Fi­li­pa San­tos e Dai­a­na Fa­zen­dei­ro, op­to­me­tris­tas sé­ni­o­res e qua­dros re­si­den­tes da Ocu­larEyeCa­re. Te­mos por­tan­to re­cur­sos hu­ma­nos es­pe­ci­a­li­za­dos que pres­tam ser­vi­ço clí­ni­co e técnico em em­pre­sas do se­tor que pri­vi­le­gi­am a qua­li­da­de e o ri­gor pro­fis­si­o­nal. Des­lo­ca­mo­nos a vá­ri­os lo­cais do país e efe­tu­a­mos con­sul­tas em di­ver­sas óti­cas pa­ra res­pon­der às ne­ces­si­da­des das con­sul­tas de op­to­me­tria. É um pro­gra­ma que é fei­to à me­di­da e que es­tá em evi­den­te ex­pan­são.

OP: As vos­sas con­sul­tas de op­to­me­tria têm um cus­to?

LV: Na Ocu­larEyeCa­re as con­sul­tas sem­pre fo­ram pa­gas. Mes­mo quan­do exis­tia uma com­po­nen­te de ven­da de pro­du­to/re­ta­lho. Sem­pre de­fen­de­mos a res­pon­sa­bi­li­za­ção do ato, quer da par­te do uten­te quer do pró­prio clí­ni­co. No nos­so cen­tro clí­ni­co to­dos os ser­vi­ços são pa­gos com uma ta­be­la pré- de­fi­ni­da pa­ra ca­da ti­po de con­sul­ta. E a apos­ta es­tá ga­nha pois sen­ti­mos que os nossos pa­ci­en­tes vêm à pro­cu­ra de uma res­pos­ta às su­as quei­xas cu­ja so­lu­ção po­de não pas­sar pe­la ne­ces­si­da­de de aqui­si­ção de ócu­los. Nos ca­sos de ne­ces­si­da­de de aqui­si­ção de pres­cri­ção, o nos­so pa­ci­en­te tem à dis­po­si­ção a ofer­ta tra­di­ci­o­nal do mer­ca­do da óti­ca exis­ten­te. OP: E co­mo fun­ci­o­na o ser­vi­ço de con­sul­to­ria?

CS: Com uma equi­pa de con­sul­to­res re­si­den­tes em Por­tu­gal e An­go­la – on­de tam­bém es­ta­mos ins­ta­la­dos –, apoi­a­mos pro­je­tos de em­pre­sas que pre­ten­dam ini­ci­ar a sua ati­vi­da­de. O pro­cu­re­ment po­de ir des­de a de­fi­ni­ção da es­tra­té­gia e po­si­ci­o­na­men­to do ne­gó­cio ao pro­je­to fí­si­co de im­ple­men­ta­ção de lo­ja, de­sen­vol­vi­men­to de uma mar­ca, re­cru­ta­men­to e for­ma­ção de rh´s, co­a­ching, etc.. Os ex­ce­len­tes re­sul­ta­dos de cres­ci­men­to são a pro­va da fir­me con­fi­an­ça que os cli­en­tes, na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais, têm de­po­si­ta­do na nossa ex­pe­ri­ên­cia. Con­ta­mos no nos­so por­te­fó­lio com os mais pres­ti­gi­a­dos pro­je­tos na área da óti­ca nestes paí­ses.

OP: Co­mo vai o pro­je­to in­ter­na­ci­o­nal?

LV: O nos­so foco es­tá atu­al­men­te na nossa es­tru­tu­ra em An­go­la. A Ocu­larEyeCa­reAn­go­la con­ta atu­al­men­te com três ele­men­tos re­si­den­tes. Vai já no seu quar­to ano en­quan­to

es­tru­tu­ra or­ga­ni­za­da e de­sen­vol­ve atu­al­men­te tra­ba­lho nas áre­as de ação idên­ti­cas a Por­tu­gal. A nossa mai­or missão é dar apoio aos pro­fis­si­o­nais do se­tor dos cui­da­dos de saú­de que atu­al­men­te de­sen­vol­vem o seu tra­ba­lho em hos­pi­tais, clí­ni­cas, óti­cas, es­co­las ou en­ti­da­des re­gu­la­do­ras. Tem si­do um enor­me de­sa­fio e não po­de­mos dei­xar de agra­de­cer aos co­le­gas Sa­ra Jor­ge e Ju­li­en Ma­lhei­ros pe­lo in­crí­vel tra­ba­lho que ali têm de­sen­vol­vi­do.

OP: Qual é a vos­sa fi­lo­so­fia?

LV: A Ocu­larEyeCa­re pre­ten­de ser um vín­cu­lo de união en­tre a co­mu­ni­da­de ci­en­tí­fi­ca e os pro­fis­si­o­nais do se­tor da óti­ca, apos­tan­do pa­ra is­so nu­ma equi­pa de pro­fis­si­o­nais de re­co­nhe­ci­do va­lor ci­en­tí­fi­co técnico e pe­da­gó­gi­co. Os cen­tros Ocu­larEyeCa­re co­mo con­cei­tos úni­cos e ino­va­do­res nas áre­as da óti­ca e op­to­me­tria, em Por­tu­gal e An­go­la, têm co­mo prin­ci­pal ob­je­ti­vo res­pon­der às ne­ces­si­da­des de for­ma­ção prá­ti­ca dos vá­ri­os pro­fis­si­o­nais li­ga­dos à area da vi­são.

OP: O ca­len­dá­rio de for­ma­ção pa­ra 2017 já es­tá dis­po­ní­vel?

CS: Sim, ten­do al­gu­mas for­ma­ções já ini­ci­a­do! E até 31 de de­zem­bro nun­ca es­ta­rá com­ple­ta­men­te fe­cha­do (ri­sos). O mai­or ob­je­ti­vo do nos­so pla­no for­ma­ti­vo é a es­pe­ci­a­li­za­ção nas áre­as da op­to­me­tria, da tec­no­lo­gia de óti­ca ocu­lar e co­mer­ci­al. Tra­ba­lha­mos pa­ra o uni­ver­so da óti­ca de for­ma trans­ver­sal. A gé­ne­se das nos­sas for­ma­ções é a op­to­me­tria e, ao lon­go do tem­po, fo­mos evo­luin­do pa­ra o fron­tof­fi­ce. Hoje, atin­gi­mos to­dos os pro­fis­si­o­nais da óti­ca. De­sen­vol­ve­mos for­ma­ção de­di­ca­da a ca­da uma das áre­as, sen­do pos­sí­vel um op­to­me­tris­ta ad­qui­rir co­nhe­ci­men­to de tec­no­lo­gia de óti­ca ocu­lar, ou um técnico de óti­ca ocu­lar ad­qui­rir com­pe­tên­ci­as na área co­mer­ci­al (ou vi­ce-ver­sa). O nos­so ob­je­ti­vo é po­ten­ci­ar a for­ma­ção prá­ti­ca des­tes pro­fis­si­o­nais. To­das as for­ma­ções es­tão dis­po­ní­veis em www.ocu­lareyeca­re.pt.

Ca­ta­ri­na Se­a­bra

Luís Vieira

Dai­a­na Fa­zen­dei­ro

Fi­li­pa San­tos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.