Um dis­pa­ra­te de pro­por­ções épi­cas!

PC Guia - - PRIMEIRA PÁGINA -

To­da a gen­te sa­be que vol­ta e meia os de­pu­ta­dos da As­sem­bleia da República des­li­gam aque­le ór­gão que a gran­de mai­o­ria (?) tem den­tro do crâ­nio e fa­zem al­guns dis­pa­ra­tes. En­fim, são se­res hu­ma­nos, e por is­so têm di­rei­to aos seus er­ros, co­mo to­da a gen­te. Mas um dis­pa­ra­te co­mo a pro­pos­ta de lei da có­pia pri­va­da é que vai mui­to pa­ra além do “er­ra­re hu­ma­num est”. En­tão, se­gun­do es­ta pro­pos­ta, to­dos os su­por­tes on­de se pos­sa ar­ma­ze­nar con­teú­dos di­gi­tais, com ou sem per­mis­são, vão ter que pagar uma so­bre­ta­xa de­pen­den­te da ca­pa­ci­da­de do mes­mo, ta­xa que, su­pos­ta­men­te, irá pa­ra os au­to­res das obras. On­de é que es­tá a pre­sun­ção de ino­cên­cia? Da úl­ti­ma vez que ve­ri­fi­quei es­ta­va na Cons­ti­tui­ção, mas pa­re­ce que de re­pen­te es­ta gen­te se es­que­ceu dis­so e a par­tir da al­tu­ra em que a lei for apro­va­da, sem­pre que com­pra­mos um car­tão­zi­nho de me­mó­ria pa­ra ti­rar fo­tos aos pu­tos nas fé­ri­as trans­for­ma­mo-nos em pe­ri­go­sos pi­ra­tas mo­vi­dos pe­lo ob­jec­ti­vo de des­truir a in­dús­tria dos au­di­o­vi­su­ais e ti­rar da bo­ca dos ar­tis­tas o pão de ca­da dia. E os dis­cos rí­gi­dos que se com­pram me­ra­men­te pa­ra guar­dar as ba­ses de da­dos de cli­en­tes, ou o soft­ware de ges­tão que é obri­ga­tó­rio nas em­pre­sas? Tam­bém têm que pagar es­sa so­bre­ta­xa? Mes­mo que nun­ca por eles pas­se um úni­co fi­chei­ro mp3, ou um vi­de­o­zi­to se­quer? Se­guin­do es­ta ló­gi­ca, depois de se com­prar qual­quer su­por­te di­gi­tal, pa­gan­do so­bre­ta­xa, se hou­ver uma de­nún­cia de que se es­tá a usar, por exem­plo, soft­ware pi­ra­ta, na­da po­de­rá ser fei­to, pois já se con­tri­buiu pa­ra a sub­sis­tên­cia de qu­em o fez. Ou não? O mer­ca­do dos au­di­o­vi­su­ais é o úni­co em que qu­em ven­de tem uma re­la­ção de amor/ódio com os seus cli­en­tes. Por um la­do pre­ci­sam de­les, mas por ou­tro acham que to­dos os que­rem rou­bar. São re­al­men­te os au­to­res que per­dem mais com a pirataria? Se ca­lhar não... Qu­an­tos CD o ar­tis­ta tem que ven­der pa­ra re­al­men­te ga­nhar di­nhei­ro? Qu­an­tos CD uma edi­to­ra tem que ven­der pa­ra ga­nhar di­nhei­ro? E já ago­ra, qu­an­tos CD uma dis­tri­bui­do­ra tem que ven­der pa­ra ga­nhar di­nhei­ro? Se con­se­gui­rem fa­zer es­sas contas vão des­co­brir a res­pos­ta à pri­mei­ra per­gun­ta. Tal co­mo acon­te­ceu com mui­tos ou­tros negócios que an­tes fi­ze­ram for­tu­nas e ho­je já não fa­zem, as mu­dan­ças tec­no­ló­gi­cas vi­e­ram ba­ra­lhar o ne­gó­cio dos au­di­o­vi­su­ais. Os con­su­mi­do­res ago­ra que­rem os con­teú­dos pa­ra on­tem, não da­qui a três me­ses. Não com­pre­en­dem as li­mi­ta­ções im­pos­tas pe­los de­ten­to­res dos di­rei­tos de dis­tri­bui­ção e es­tão far­tos de se­rem tra­ta­dos co­mo cri­mi­no­sos. Em su­ma, co­mo sem­pre, se­gue-se o ca­mi­nho da me­nor re­sis­tên­cia que, tam­bém co­mo sem­pre, es­tá do la­do de qu­em com­pra, e não se ten­ta olhar pa­ra o ne­gó­cio e ajus­tá-lo aos di­as de ho­je. Por mim, a par­tir do mo­men­to que a lei for apro­va­da e pro­mul­ga­da, co­mo tudo in­di­ca que vai ser, co­me­ço a com­prar tudo o que for su­por­tes di­gi­tais pe­la internet, pois en­tre o IVA de 23%, mais a so­bre­ta­xa e os por­tes de cer­te­za que con­si­go pou­par di­nhei­ro. Qu­em per­de com is­to? To­dos nós e prin­ci­pal­men­te os au­to­res. É re­al­men­te um dis­pa­ra­te de pro­por­ções épi­cas!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.