UMA AGRA­DÁ­VEL SUR­PRE­SA

PC Guia - - PLAY - POR LUÍS ANDRADE

Es­te mês não vou fa­lar de no­vos jo­gos nem de his­tó­ri­as da in­dús­tria dos vi­de­o­jo­gos mas sim de um tí­tu­lo que foi lan­ça­do no ano pas­sa­do e que na al­tu­ra cri­ou mui­tas di­vi­sões no seio da vas­ta co­mu­ni­da­de que tem apoi­a­do a sua pro­du­to­ra, a Bun­gie.

Des­tiny so­fria do mes­mo mal que as­so­lou mui­tos jo­gos em 2014, vi­nha in­com­ple­to, ti­nha pro­ble­mas de li­ga­ção com os ser­vi­do­res (que ain­da ocor­rem) e fal­ta­va um mo­ti­vo mui­to for­te pa­ra agar­rar uma co­mu­ni­da­de que qu­e­ria uma no­va IP mas com a mes­ma qua­li­da­de de Halo, jo­go que ca­ta­pul­tou a Bun­gie pa­ra a fa­ma.

De­pois de re­sol­vi­dos di­ver­sos pro­ble­mas de pro­gra­ma­ção, os cri­a­ti­vos da pro­du­to­ra con­se­gui­ram cri­ar o cli­que que con­se­guiu tra­zer de no­vo, to­dos aque­les que ex­pe­ri­men­ta­ram Des­tiny no iní­cio. Es­tou a fa­lar dos even­tos, que são re­no­va­dos de tem­pos a tem­pos e que ofe­re­cem ob­jec­tos es­pe­ci­ais e mui­to ra­ros a to­dos aque­les que os con­se­gui­ram ul­tra­pas­sar.

O jo­go ad­qui­riu uma no­va vi­da, os jo­ga­do­res co­me­ça­ram a vas­cu­lhar os vá­ri­os pla­ne­tas dis­po­ní­veis e a ad­mi­rar a Ter­ra na su­per­fí­cie da Lua, os ini­mi­gos evo­luí­ram e ho­je te­mos um Des­tiny com uma qua­li­da­de mui­to su­pe­ri­or ao ori­gi­nal.

Por is­so e por­que di­a­ri­a­men­te me li­go ao seu mundo, o con­si­de­ro es­te mês uma agra­dá­vel sur­pre­sa.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.