DESCOMPLIC­ÓMETRO

Es­te mês va­mos des­com­pli­car a tec­no­lo­gia PowerLi­ne, que per­mi­te cons­truir uma re­de usan­do a ins­ta­la­ção eléc­tri­ca de uma ca­sa.

PC Guia - - CONTENTS - POR PE­DRO TRÓIA

PowerLi­ne Es­te mês va­mos des­com­pli­car a tec­no­lo­gia PowerLi­ne, que per­mi­te cri­ar uma re­de de In­ter­net usan­do a ins­ta­la­ção eléc­tri­ca de uma ca­sa.

Atec­no­lo­gia PowerLi­ne ser­ve pa­ra li­gar dois, ou mais, dis­po­si­ti­vos di­gi­tais em re­de usan­do a ins­ta­la­ção eléc­tri­ca. Li­ga-se uma in­ter­fa­ce PowerLi­ne nu­ma to­ma­da, li­ga-se o dis­po­si­ti­vo que qu­e­re­mos li­gar em re­de a es­sa in­ter­fa­ce atra­vés de um ca­bo de re­de nor­mal ou Wi-Fi, con­so­an­te o ti­po de in­ter­fa­ce uti­li­za­do, e de­pois faz-se o mes­mo nou­tro lo­cal da ca­sa. É tão sim­ples co­mo is­to. Ao con­trá­rio do que mui­tos po­dem pen­sar, nos anos 20 do sé­cu­lo pas­sa­do uma for­ma sim­ples de tec­no­lo­gia PowerLi­ne já era usa­da pe­las em­pre­sas de pro­du­ção e dis­tri­bui­ção de ener­gia eléc­tri­ca pa­ra co­mu­ni­ca­ções de voz, re­co­lha de da­dos e con­tro­lo re­mo­to de dis­po­si­ti­vos da re­de eléc­tri­ca. Em 1991 foi en­sai­a­da em Man­ches­ter, In­gla­ter­ra, a cri­a­ção da pri­mei­ra re­de de co­mu­ni­ca­ções di­gi­tal de al­ta ve­lo­ci­da­de atra­vés da re­de eléc­tri­ca. O gran­de pro­ble­ma que as pri­mei­ras equi­pas de de­sen­vol­vi­men­to ti­ve­ram de ul­tra­pas­sar ti­nha que ver com o ruí­do elec­tro­mag­né­ti­co na re­de eléc­tri­ca. Na sua gran­de mai­o­ria os ca­bos eléc­tri­cos não pre­ci­sam de isolamento con­tra si­nais elec­tro­mag­né­ti­cos que são emi­ti­dos por pra­ti­ca­men­te to­dos os dis­po­si­ti­vos que se po­dem li­gar à re­de eléc­tri­ca, o que os trans­for­ma em au­tên­ti­cas an­te­nas que apa­nham to­do o ti­po de ruí­do emi­ti­do por es­ses dis­po­si­ti­vos. Em opo­si­ção, os ca­bos de re­de tra­di­ci­o­nais têm uma ma­lha me­tá­li­ca que en­vol­ve os ca­bos con­du­to­res do si­nal e que ser­ve de blin­da­gem a es­sas in­ter­fe­rên­ci­as. O ruí­do elec­tro­mag­né­ti­co faz com que a comunicaçã­o di­gi­tal atra­vés dos ca­bos eléc­tri­cos se tor­ne mui­to len­ta ou mes­mo im­pos­sí­vel. Por is­so, o pe­río­do en­tre 1995 e 1997 foi gas­to a ten­tar des­co­brir for­mas pa­ra so­lu­ci­o­nar o pro­ble­ma da in­ter­fe­rên­cia de ruí­do elec­tró­ni­co nas re­des PowerLi­ne de for­ma a pre­pa­rar es­ta tec­no­lo­gia pa­ra che­gar ao mer­ca­do de con­su­mo. O pro­ble­ma foi so­lu­ci­o­na­do em par­te atra­vés da uti­li­za­ção de pro­ces­sa­do­res de­di­ca­dos que es­tão sem­pre a mo­ni­to­ri­zar a qua­li­da­de da li­ga­ção e a al­te­rar as frequên­ci­as usa­das na comunicaçã­o de for­ma a mi­ni­mi­zar o pro­ble­ma do ruí­do.No en­tan­to, se ti­ver uma re­de des­te ti­po, com um dis­po­si­ti­vo “ba­ru­lhen­to” pe­lo meio, co­mo um fri­go­rí­fi­co ou uma má­qui­na de la­var, nun­ca con­se­gui­rá o mes­mo de­sem­pe­nho que nu­ma li­ga­ção mais “lim­pa”. Os pri­mei­ros dis­po­si­ti­vos co­mer­ci­ais com tec­no­lo­gia PowerLi­ne con­se­gui­am uma ve­lo­ci­da­de má­xi­ma teó­ri­ca de 20 Mbps. Nes­te mo­men­to, os dis­po­si­ti­vos mais rá­pi­dos con­se­guem uma ve­lo­ci­da­de teó­ri­ca de 1,2 Gbps e usam to­dos os ca­bos da ins­ta­la­ção – neu­tro, fa­se e ter­ra – pa­ra o con­se­guir. No pre­sen­te as re­des PowerLi­ne são usa­das em dois ce­ná­ri­os tí­pi­cos. O pri­mei­ro vi­sa au­men­tar o al­can­ce de re­des sem fi­os. O si­nal das re­des Wi-Fi não li­da mui­to bem com can­tos e pa­re­des gros­sas. Por is­so, mes­mo que a ca­sa se­ja pe­que­na, há for­tes hi­pó­te­ses de a re­de não che­gar a to­do o la­do. Por is­so, usa-se uma in­ter­fa­ce PowerLi­ne que é li­ga­da com um ca­bo ao rou­ter de In­ter­net. De­pois o si­nal é en­vi­a­do atra­vés da ins­ta­la­ção eléc­tri­ca pa­ra ou­tra in­ter­fa­ce que es­tá ins­ta­la­da num sí­tio da ca­sa on­de o Wi-Fi não che­gue. O se­gun­do ce­ná­rio en­vol­ve cri­ar uma re­de en­tre dois dis­po­si­ti­vos que es­tão lon­ge um do ou­tro. Nes­te ca­so li­ga-se uma das in­ter­fa­ces PowerLi­ne ao rou­ter, a ou­tra é ins­ta­la­da no sí­tio pa­ra on­de quer le­var a re­de, de­pois li­ga-se ao dis­po­si­ti­vo que qui­ser usar, por exem­plo uma con­so­la ou um com­pu­ta­dor.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.