Úl­ti­ma ho­ra

PC Guia - - ON -

O 11 de Se­tem­bro de 2001 foi o dia em que as no­tí­ci­as na In­ter­net ga­nha­ram o seu es­pa­ço. Quan­do as Tor­res Gé­me­as fo­ram ata­ca­das, o pa­ra­dig­ma in­for­ma­ti­vo al­te­rou-se de­vi­do às cir­cuns­tân­ci­as: mi­lhões de pes­so­as nos seus es­cri­tó­ri­os não ti­nham aces­so a uma te­le­vi­são mas acom­pa­nha­vam a par­tir dos seus com­pu­ta­do­res o que se es­ta­va a pas­sar. Na al­tu­ra, os si­tes in­for­ma­ti­vos ti­nham pou­ca ca­pa­ci­da­de pa­ra re­ce­ber tan­tos aces­sos de uma vez só, pe­lo que fo­ram os bloggers - que mos­tra­ram o seu va­lor co­mo pro­du­to­res e agre­ga­do­res de con­teú­dos - que sur­gi­ram pa­ra re­pli­car a in­for­ma­ção que es­ta­va nos si­tes jor­na­lís­ti­cos e que, en­tre­tan­to, se ti­nham ido abai­xo. Mui­tos da­vam con­ta da sua ex­pe­ri­ên­cia pes­so­al. E a par­tir daí, as no­tí­ci­as nun­ca mais fo­ram as mes­mas. Ou­tros even­tos (e aten­ta­dos) anos mais tar­de, fo­ram re­la­ta­dos em tem­po re­al no Twit­ter, que per­mi­tia a quem es­ta­va no lo­cal re­por­tar os acon­te­ci­men­tos, ul­tra­pas­san­do lar­ga­men­te a ca­pa­ci­da­de de co­ber­tu­ra no­ti­ci­o­sa dos me­dia tra­di­ci­o­nais, e a ou­tros de ve­rem nas su­as ti­me­li­nes de sa­be­rem tu­do an­tes de apa­re­cer na te­le­vi­são. Em 2015, de acor­do com um es­tu­do do Pew Re­se­ar­ch Cen­ter, 63% dos uti­li­za­do­res do Fa­ce­bo­ok re­ce­bi­am as su­as no­tí­ci­as atra­vés da re­de so­ci­al, sen­do ho­je em dia um dos prin­ci­pais pon­tos de aces­so aos si­tes in­for­ma­ti­vos. As con­sequên­ci­as fo­ram a que­da abrup­ta da ven­da dos jor­nais em pa­pel, uma des­va­lo­ri­za­ção ge­ral da qua­li­da­de do jor­na­lis­mo pra­ti­ca­do, o au­men­to na pres­são so­bre os jor­na­lis­tas que pas­sa­ram a ter es­ta­tís­ti­cas es­pe­cí­fi­cas so­bre o al­can­ce e im­pac­to dos seus ar­ti­gos. Por ou­tro la­do, há mais in­for­ma­ção, pro­du­tos in­for­ma­ti­vos que ex­plo­ram as ca­rac­te­rís­ti­cas do meio di­gi­tal e aces­so a pu­bli­ca­ções que es­ta­vam fe­cha­das ge­o­gra­fi­ca­men­te por par­te de no­vos pú­bli­cos. Em Ja­nei­ro de 1996 apa­re­ceu a ver­são on-li­ne do New York Ti­mes, e ain­da ho­je se fa­la dis­to tu­do co­mo “no­vos me­dia”. Já não são no­vos, são o meio mais usa­do pa­ra se sa­ber o que se pas­sa no fim do mun­do ou no fun­do da rua, pa­ra­fra­se­an­do o slo­gan da TSF. E é na­tu­ral que al­gu­mas pu­bli­ca­ções dei­xem de exis­tir fi­si­ca­men­te pa­ra pas­sar a ser uni­ca­men­te di­gi­tais, e ou­tras ig­no­rem com­ple­ta­men­te o som das ro­ta­ti­vas. O jor­na­lis­mo di­gi­tal en­trou na ida­de adul­ta. So­ou a úl­ti­ma ho­ra pa­ra quem se qui­ser re­no­var. adul­ta. So­ou a úl­ti­ma ho­ra pa­ra quem se qui­ser re­no­var.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.