HIGH-TE­CH GIRL

Que­ria ser as­tro­nau­ta mas op­tou por que­rer mu­dar o mun­do ten­do a tec­no­lo­gia co­mo fer­ra­men­ta. Es­co­lheu a car­rei­ra de con­sul­to­ra tec­no­ló­gi­ca, pro­fis­são ca­paz de mo­der­ni­zar e mu­dar ser­vi­ços que nos afec­tam a to­dos. Ho­je, na Mi­cro­soft, o seu pa­pel é ga­ran­tir

PC Guia - - INDICE - SAN­DRA MIRANDA FERREIRA Chi­ef Te­cho­logy Of­fi­cer da Mi­cro­soft

Es­te mês a High-Te­ch Girl en­tre­vis­tou San­dra Miranda Ferreira, Chi­ef Te­cho­logy Of­fi­cer da Mi­cro­soft.

O QUE É QUE ES­TU­DOU?

En­ge­nha­ria Ae­ro­es­pa­ci­al, no Téc­ni­co, por­que que­ria coi­sas di­fe­ren­tes, tec­no­lo­gia de pon­ta. Que­ria ser as­tro­nau­ta. Na al­tu­ra, o Es­pa­ço era a úl­ti­ma fron­tei­ra. Mas de­pois, quan­do ti­nha 17 anos, ti­ve a sor­te de pas­sar um ano fo­ra e per­ce­bi o ver­da­dei­ro sig­ni­fi­ca­do da pa­la­vra ‘emi­grar’. Ape­sar de não que­rer sair do País, de­ci­di con­cluir o cur­so. A se­guir, en­trei pa­ra con­sul­to­ria tec­no­ló­gi­ca e fui ten­tar mu­dar as coi­sas com a ar­ma mais dis­rup­ti­va dos di­as de ho­je: a tec­no­lo­gia, a evo­lu­ção tec­no­ló­gi­ca. Nes­ta área eu con­se­guia mu­dar, me­lho­rar, mo­der­ni­zar ins­ti­tui­ções de saú­de, Câ­ma­ras, a Se­gu­ran­ça So­ci­al... sen­ti que no meu pe­que­ni­no pa­pel es­ta­va a mu­dar um bo­ca­di­nho do meu mun­do.

FOI UM CA­MI­NHO SO­LI­TÁ­RIO?

Em ne­nhum dos pas­sos do per­cur­so ha­via mui­tas mu­lhe­res. No Téc­ni­co não sen­ti ne­nhu­ma dis­cri­mi­na­ção, mas sen­ti-me um bo­ca­do mais so­zi­nha. Pas­sei de um cer­to equi­lí­brio no li­ceu, em que ha­via me­nos mu­lhe­res que ho­mens nas áre­as de Fí­si­ca e Ma­te­má­ti­ca, mas eram nú­me­ros mui­to equi­li­bra­dos, pa­ra uma re­a­li­da­de mui­to de­se­qui­li­bra­da. Mas is­so aca­bou por me pre­pa­rar pa­ra o ambiente de tra­ba­lho. A ní­vel pro­fis­si­o­nal, es­ti­ve em mul­ti­na­ci­o­nais, em­pre­sas pre­o­cu­pa­das em não per­mi­tir que ques­tões de de­si­gual­da­de lhes re­ti­ras­sem ta­len­tos. Se vir­mos na pers­pec­ti­va de uma em­pre­sa, as di­fe­ren­ças di­tam que se eu con­se­guir apro­vei­tar o ta­len­to mais di­fe­ren­ci­a­do pos­sí­vel, con­si­go ace­der a um pú­bli­co mais vas­to e is­to é uma for­ma de au­men­tar a com­pe­ti­ti­vi­da­de. E quan­do a ba­se é es­sa, não só es­tou a con­tri­buir pa­ra a so­ci­e­da­de, co­mo pa­ra o meu pró­prio su­ces­so em­pre­sa­ri­al. Ti­ve a sor­te de es­co­lher em­pre­sas que acre­di­ta­vam nis­so co­mo prin­cí­pio éti­co. As­sim, a mi­nha pre­o­cu­pa­ção era ser ca­da vez me­lhor na­qui­lo que fa­zia e não a de ter de es­tar a afir­mar que por que sou mu­lher tam­bém pos­so fa­zer is­to ou aqui­lo. Um es­for­ço in­gló­rio, mas que sa­be­mos que ain­da exis­te.

CO­MO É TRA­BA­LHAR NA MI­CRO­SOFT? A Mi­cro­soft tem uma vi­são que ho­je é das mais dis­rup­ti­vas em ter­mos tec­no­ló­gi­cos. Nu­ma da­da al­tu­ra tor­nou-se uma em­pre­sa me­nos ‘co­ol’. Mas es­tá nu­ma trans­for­ma­ção tec­no­ló­gi­ca pro­fun­da e a tor­nar-se no­va­men­te uma em­pre­sa ape­te­cí­vel. Es­ta­mos nu­ma re­a­li­da­de em que as em­pre­sas têm um tem­po de vi­da ca­da vez mais pe­que­no e que, pa­ra so­bre­vi­ve­rem, têm de se rein­ven­tar. E a tec­no­lo­gia é uma ar­ma de rein­ven­ção mui­to boa. Es­ta pro­pos­ta de va­lor da Mi­cro­soft é, em si mes­ma, dis­rup­ti­va e per­mi­te-nos fa­zer coi­sas fan­tás­ti­cas no mercado. Por­tan­to, eu con­ti­nuo a ado­rar. O QUE DI­RIA ÀS JO­VENS QUE AGO­RA ES­TÃO A ES­CO­LHER QUE CAR­REI­RA IRÃO SE­GUIR? Acre­di­to que as pes­so­as de­vem apos­tar nos seus ta­len­tos e nem to­dos têm os mes­mos

O QUE QUE­REM AS MU­LHE­RES?

Lá se con­ven­ci­o­nou que a cor mais fe­mi­ni­na do mun­do era o cor-de-ro­sa. E ca­da vez que se quer fa­zer al­gu­ma coi­sa a pen­sar nas mu­lhe­res, ou se­ja, trans­for­mar um pro­du­to ti­do co­mo mas­cu­li­no em fe­mi­ni­no, o que é que fa­zem? De­se­nham um pro­du­to cor-de-ro­sa! Já ti­ve me­nos pa­ci­ên­cia pa­ra o ro­sa e acho que os de­sig­ners fe­liz­men­te tam­bém co­me­çam a bus­car tons ro­sa­dos mais in­te­res­san­tes. Al­gum dia ha­ve­mos de nos en­con­trar de for­ma se­re­na. Até lá, dei­xo aqui al­gu­mas sugestões so­bre o que é que as mu­lhe­res que­rem. É sim­ples: pro­du­tos prá­ti­cos e ob­jec­ti­vos, que fa­ci­li­tem re­al­men­te as su­as vi­das. Ou pro­du­tos bo­ni­tos, com de­sign ac­tu­al, que tra­gam va­lor acres­cen­ta­do ao seu es­ti­lo. E se­jam quais fo­rem as su­as fun­ci­o­na­li­da­des, tu­do tem de ser co­mu­ni­ca­do com cla­re­za, mui­ta cla­re­za. Que­ro com is­so di­zer que to­das as su­as van­ta­gens de­vem vir apre­sen­ta­das no pró­prio pro­du­to ou em ins­tru­ções sim­pli­fi­ca­das e re­al­men­te elu­ci­da­ti­vas. As mu­lhe­res não que­rem per­der tem­po com ca­lha­ma­ços ex­pli­ca­ti­vos (nem os ho­mens que­rem!), têm me­do de fa­zer ex­pe­ri­ên­ci­as e não acei­tam, em hi­pó­te­se ne­nhu­ma, par­tir unhas pa­ra abrir o que quer que se­ja. Já es­tá! ta­len­tos. Mas tam­bém acre­di­to que a tec­no­lo­gia é ho­je, e se­rá ain­da mais no fu­tu­ro, uma fer­ra­men­ta fun­da­men­tal em qual­quer pro­fis­são. Há uns anos olhá­va­mos pa­ra a tec­no­lo­gia co­mo uma es­co­lha, mas ho­je a sua uti­li­za­ção é uma ine­vi­ta­bi­li­da­de. Pe­ran­te is­to, pen­so que va­mos as­sis­tir ao au­men­to trans­ver­sal das ca­pa­ci­da­des tec­no­ló­gi­cas em to­dos os cur­sos, pois é uma fer­ra­men­ta pa­ra sa­ber o que se pas­sa, pa­ra ana­li­sar da­dos, pa­ra des­co­brir ino­va­ções, pa­ra des­per­tar ta­len­tos, pa­ra tu­do. O sec­tor da tec­no­lo­gia tem, ho­je, ple­no em­pre­go em Por­tu­gal, ao con­trá­rio de mui­tas áre­as. E pre­vê-se que, quer em Por­tu­gal quer na Eu­ro­pa, no es­pa­ço de cin­co anos, se­rão mais de 700 mil po­si­ções que vão es­tar por ocu­par se a for­ma­ção tec­no­ló­gi­ca se man­ti­ver nos ní­veis que te­mos ho­je. É di­fí­cil ig­no­rar es­ta ten­dên­cia. Por­tan­to, se eu es­ti­ver ver­da­dei­ra­men­te in­de­ci­sa e não ti­ver um ta­len­to em que quei­ra apos­tar, pro­va­vel­men­te vou ter mais fa­ci­li­da­de em des­co­brir um ca­mi­nho, se en­ve­re­dar por al­go com uma for­te com­po­nen­te de tec­no­lo­gia. Is­to irá abrir mais ho­ri­zon­tes de es­co­lha. E se con­se­guir­mos ali­ar a tec­no­lo­gia ao que gos­ta­mos mes­mo de fa­zer, es­ta­mos a cri­ar no­vos ne­gó­ci­os, no­vas for­mas de olhar pa­ra as coi­sas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.