Sem mãos

PC Guia - - ON -

Pri­mei­ro apren­dem a con­du­zir. De­pois, o de­sa­fio sa­fio é an­dar sem m mãos no gui­a­dor. É as­sim com os miú­dos, quan­doo apren­dem a an­dar de bi­ci­cle­ta e co­me­ça a ser as­sim com os con­du­to­res ndu­to­res de au­to­mó­veis.au­to­mó Aqui­lo que po­de­mos ape­li­dar de ‘Au­to­mó­vel 2.0’ já áéé uma re­a­li­da­de­lid d e es­tá pró­xi­mo de se tor­nar al­go co­mum nas nos­sas es­tra­das. Pra­ti­ca­men­te to­dos os gran­des cons­tru­to­res de au­to­mó­veis já têm ver­sões com al­gum grau de res­pos­ta au­to­má­ti­ca às con­di­ções da con­du­ção e mui­tos já anun­ci­a­ram os seus pla­nos pa­ra lan­çar veí­cu­los de con­du­ção au­tó­no­ma. A ou­tra gran­de ten­dên­cia da In­dús­tria é a adop­ção de mo­to­res 100% eléc­tri­cos, de­pois da tí­mi­da ten­ta­ti­va de mas­si­fi­car os mo­de­los hí­bri­dos. De uma for­ma ou de ou­tra, as gran­des mar­cas ten­tam res­pon­der à pro­cu­ra por mo­de­los clás­si­cos, com mo­to­res de com­bus­tão in­ter­na, en­quan­to me­dem o pul­so aos veí­cu­los de no­va ge­ra­ção. Mas exis­te uma mar­ca que rom­pe de­ci­si­va­men­te com o pas­sa­do e se de­di­ca ape­nas ao con­cei­to do Au­to­mó­vel 2.0 - veí­cu­los 100% eléc­tri­cos e com con­du­ção au­tó­no­ma - a Tes­la. A Tes­la é, só por si, um ca­so de es­tu­do. Nas­ceu da men­te ir­re­qui­e­ta do bi­li­o­ná­rio sul-afri­ca­no Elon Musk, que ven­deu o PayPal ao eBay e com is­so lan­çou uma sé­rie de pro­jec­tos ino­va­do­res co­mo a Spa­ceX, o Hy­per­lo­op e a Tes­la. À se­me­lhan­ça de ou­tros vi­si­o­ná­ri­os das tec­no­lo­gi­as a quem o tem­po aca­bou por dar ra­zão, tam­bém Elon Musk se lan­çou em pro­jec­tos que pes­so­as de sen­so co­mum ape­li­da­ri­am de lu­ná­ti­cos, mas a ver­da­de é to­dos co­me­çam a tor­nar-se re­a­li­da­de. A Spa­ceX já co­mer­ci­a­li­za vo­os es­pa­ci­ais, a Hy­per­lo­op pla­neia con­truir o pri­mei­ro tro­ço ex­pe­ri­men­tal es­te ano e a Tes­la aca­ba de lan­çar o seu quar­to au­to­mó­vel, o Mo­del 3. De­pois de lan­çar três mo­de­los pa­ra en­tu­si­as­tas dos veí­cu­los eléc­tri­cos, a Tes­la sur­pre­en­deu ao lan­çar o Mo­del 3 co­mo um veí­cu­lo de no­va ge­ra­ção pa­ra as mas­sas, ao co­mu­ni­car o pre­ço de 35 mil dó­la­res pa­ra a con­fi­gu­ra­ção ba­se. As re­ser­vas fei­tas nos di­as se­guin­tes ao anún­cio con­fir­ma­ram as pre­vi­sões ini­ci­ais de que es­te lan­ça­men­to iria mu­dar as re­gras do jo­go. E nor­mal­men­te é as­sim que acon­te­ce: é o out­si­der que não tem na­da a per­der quem se tor­na o ele­men­to dis­rup­tor na In­dús­tria. A tec­no­lo­gia já as­sis­tiu a es­te ce­ná­rio vá­ri­as ve­zes: a Go­o­gle de­sa­fi­ou a Mi­cro­soft com o seu mo­de­lo de ser­vi­ços grá­tis, a Ap­ple de­sa­fi­ou a In­dús­tria com a in­tro­du­ção do iPod, do iPho­ne e do iPad e o Fa­ce­bo­ok des­tro­nou o MyS­pa­ce e o Hi5, en­tre ou­tros exem­plos. Pen­so que a Tes­la é o out­si­der da In­dús­tria au­to­mó­vel que po­de trans­for­mar a for­ma co­mo ve­mos o au­to­mó­vel. E tal co­mo os veí­cu­los au­tó­no­mos que sem mãos no vo­lan­te, nos le­vam on­de que­re­mos, tam­bém na In­dús­tria au­to­mó­vel as­sis­ti­mos a uma vi­a­gem que não pre­ci­sa­mos de con­tro­lar, mas que nos le­va cer­ta­men­te a um des­ti­no que mui­tos de nós am­bi­ci­o­nam.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.