CUL­TU­RA DE EXIGÊNCIA

PC Guia - - ON -

Agi­gan­tam-se per­gun­tas no uni­ver­so dos mer­ca­dos re­la­ti­va­men­te à Ap­ple. Pe­la pri­mei­ra vez, des­de 2007, o va­lor por ac­ção de­cres­ce e creio que é che­ga­dohe­ga­do o mo­men­to a que eu mes­mo cha­mo o fac­tor ‘Wow!’. Dis­se­ca­dos ados os pro­du­tos cor­ren­tes no port­fó­lio de Cu­per­ti­no, o rei in­con­tes­ta­do con­ti­nua (e con­ti­nu­a­rá a ser o iPho­ne). Os nú­me­ros que têm si­do tor­na­dos pú­bli­cos pe­lo va­lor dos mer­ca­dos emer­gen­tes con­ti­nu­am a ser ab­sur­da­men­te im­pres­si­o­nan­tes, mas as apos­tas dos in­ves­ti­do­res não que­rem sa­ber de cres­ci­men­tos seg­men­ta­dos. A Ap­ple vai ter de se ex­pan­dir e é aqui pre­ci­sa­men­te que in­ci­de a mi­nha mai­or cu­ri­o­si­da­de. Mes­mo que um pro­du­to co­mo o iPho­ne vá sen­do in­cre­men­ta­do ano após ano, a Ap­ple ne­ces­si­ta de con­ti­nu­ar a sua ló­gi­ca de cres­ci­men­to pa­ra res­pon­der às ques­tões bol­sis­tas. 2016 não de­ve­rá ser o ano em que se­ja es­pe­ra­da uma forte mu­dan­ça nes­te es­ta­do de coi­sas, mas já de­ve­rá ser no pró­xi­mo exer­cí­cio fis­cal que al­go te­rá de acon­te­cer. É di­fí­cil pre­ver o que quer que se­ja em ter­mos de pro­du­tos. Se uma gran­de par­te dos ana­lis­tas in­di­ca a re­a­li­da­de vir­tu­al co­mo ‘the next big thing’, eu não es­tou mui­to in­cli­na­do a acei­tar es­sa pre­vi­são co­mo ven­ce­do­ra. Há ru­mo­res de que a Ap­ple, co­mo de cos­tu­me sen­ta­da so­bre uma cai­xa forte mui­to bem re­che­a­da, po­de dar um pas­so de gi­gan­te (mais um) em di­rec­ção ao mer­ca­do de con­teú­dos. Há no­mes so­nan­tes a apos­tar que a Net­flix po­de, a bre­ve tre­cho (e ul­ti­ma­men­te os ru­mo­res têm cor­res­pon­di­do à re­a­li­da­de) ser com­pra­da. Pa­ra is­so, além da obs­ce­na quan­tia em jo­go, a Ap­ple te­ria de de­ci­dir de uma vez por to­das se dei­xa de fazer de mor­ta no mer­ca­do do stre­am de TV e, por­que não, do pró­prio hard­ware ter­mi­nal. Se é ver­da­de que o ecrã é in­di­fe­ren­te, o con­teú­do é ca­da vez mais cru­ci­al na ho­ra do on de­mand. É um bo­ca­di­nho la­pa­li­ci­a­no, é um fac­to mas não é des­ca­bi­do de to­do. Pre­ci­sa­mos de um ‘Wow!’. A mi­nha úni­ca ac­ção da com­pa­nhia precisa dis­so. Ain­da não ces­sa­ram os ecos da guer­ra em que se trans­for­mou a ques­tão da ne­ga­ti­va da Ap­ple ao des­blo­queio do iPho­ne re­la­ci­o­na­do com o aten­ta­do ter­ro­ris­ta de San Ber­nar­di­no. Se é ver­da­de que o FBI anun­ci­ou ter des­blo­que­a­do o te­le­fo­ne sem a aju­da da Ap­ple, a dis­cus­são con­ti­nua en­tre os de­fen­so­res da en­crip­ta­ção à pro­va de tu­do e aque­les que (co­mo eu) não es­tão dis­pos­tos a qual­quer pre­ço pa­ra que os ‘maus’ dis­po­nham das mes­mas fer­ra­men­tas dos ‘bons’ sem con­sequên­ci­as. Co­me­çam a sur­gir no­tí­ci­as de que po­de­rá de fac­to ha­ver uma fa­lha ex­plo­ra­da por uma com­pa­nhia is­ra­e­li­ta e a Ap­ple tu­do vai ten­tar pa­ra cor­ri­gir es­sa “por­ta”. Por­que as­sim o exi­gi­rá a po­si­ção pu­bli­ca­men­te as­su­mi­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.