PAS DE ZO­MA­TO

PC Guia - - BOOT -

Nu­ma das mi­nhas úl­ti­mas vi­a­gens em tra­ba­lho re­gres­sei a Pa­ris, uma das mi­nhas ci­da­des pre­fe­ri­das. Quan­do lá fui da úl­ti­ma vez, há uns seis anos, não ha­via ain­da aque­la fe­bre de usar uma app pa­ra procurar um sí­tio trendy e di­fe­ren­te pa­ra co­mer. A es­tra­té­gia era sim­ples: ia-se pe­los Cam­pos Elí­si­os, fa­zi­am-se uns des­vi­os por umas trans­ver­sais e lá se en­con­tra­va qual­quer sí­tio de­cen­te pa­ra co­mer. Ou en­tão, mais fá­cil: apa­nha­va-se o me­tro até ao Pi­gal­le, per­to de Mont­mar­tre, e aí o pro­ble­ma era mes­mo es­co­lher. Des­ta vez, de­ci­di que ia fa­zer o que mui­tas ve­zes fa­ço quan­do es­tou à pro­cu­ra de um lo­cal di­fe­ren­te ou novo pa­ra co­mer: che­ga­va lá, à ci­da­de da boa co­mi­da, das bou­lan­ge­ri­es, das pa­tis­se­ri­es, dos bis­trots e dos ca­fés, to­ca­va no íco­ne da app Zo­ma­to e o fes­tim de su­ges­tões su­ce­de­ria a um rit­mo alu­ci­nan­te. Co­mo de­vem es­tar a per­ce­ber, es­tá tu­do a fa­zer sen­ti­do nes­te texto, cer­to? Zo­ma­to, aque­la app que já nin­guém dis­pen­sa, que es­tá tá em 23 paí­ses, tem mais de um mi­lhão de res­tau­ran­tes in­de­xa­dos. s. Co­mer em Pa­ris, des­ta vez, ia ser uma brin­ca­dei­ra de cri­an­ças. Pois, mas é a par­tir de ago­ra que tu­do vai começar a pa­re­cer um fil­me de fic­ção ci­en­tí­fi­ca: não há Zo­ma­to em Pa­ris. Leu bem: li­ga-se a app no Tro­ca­dé­ro e ela pen­sa que es­ta­mos em Mar­te ou nou­tro pla­ne­ta qual­quer que não a Ter­ra. Eu não sei o que se pas­sa na cabeça de uma em­pre­sa que eu já tan­to elo­gi­ei. Não sei se é uma ques­tão le­gal qual­quer que im­pe­de is­to, nem sin­ce­ra­men­te is­to me in­te­res­sa. Mas se há ci­da­de on­de a Zo­ma­to de­ve­ria es­tar era em Pa­ris, mil­le mil­li­ons de mil­le sa­bords!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.