«PARTE DO SE­GRE­DO ES­TÁ NA CO­RA­GEM DE ‘SAIR FO­RA DA CAI­XA»

A sua área é a da óp­ti­ca pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to de he­ad moun­ted dis­plays e we­a­ra­ble dis­plays pa­ra re­a­li­da­de au­men­ta­da. Foi a co-au­to­ra de uma no­va patente re­la­ci­o­na­da com es­tes dis­po­si­ti­vos. É ita­li­a­na de ori­gem e es­tá em Por­tu­gal des­de 2011.

PC Guia - - HIGH - TECH GIRL - Sa­ra Mou­ti­no

O QUE A LE­VOU A ESPECIALIZ­AR-SE NES­TA ÁREA?

Foi por me­ro aca­so. Há al­guns anos, quan­do ain­da estava em Itá­lia, res­pon­di a um anún­cio de em­pre­go em Por­tu­gal atra­vés do Lin­ke­dIn. Era de uma em­pre­sa ae­ro­es­pa­ci­al com se­de em Lisboa, pa­ra um tra­ba­lho mis­te­ri­o­so e con­fi­den­ci­al. Não fa­zia ten­ção de me mu­dar pa­ra cá, mas aca­bei por con­se­guir a va­ga e de­ci­di agar­rar a opor­tu­ni­da­de. Na al­tu­ra, as pes­so­as ain­da não ti­nham bem a ideia do que um ‘he­ad moun­ted dis­play’ [HMD] po­de­ria ser. Es­te car­go trans­for­mou-se no meu tra­ba­lho de so­nho. É uma ac­ti­vi­da­de que reú­ne di­fe­ren­tes as­pec­tos de tec­no­lo­gia avan­ça­da de cam­pos tão dis­tin­tos co­mo a ci­ên­cia dos ma­te­ri­ais, a fo­tó­ni­ca e as na­no­es­tru­tu­ras, jun­ta­men­te com a óp­ti­ca, mas que tam­bém im­pli­ca ter em con­si­de­ra­ção fac­to­res hu­ma­nos e de ex­pe­ri­ên­cia do uti­li­za­dor. É uma abor­da­gem global que exi­ge um gran­de es­for­ço do pon­to de vis­ta ci­en­tí­fi­co e mui­ta cri­a­ti­vi­da­de na es­co­lha de so­lu­ções so­fis­ti­ca­das e in­te­res­san­tes já exis­ten­tes ou no de­sen­vol­vi­men­to de ou­tras com­ple­ta­men­te no­vas. Re­la­ti­va­men­te às so­lu­ções so­fis­ti­ca­das, tam­bém co­lec­ci­o­no al­gu­mas no meu blog HMD-hot-spot (sco­op. it/t/hmd-hot-spot).

O QUE MAIS A ENTUSIASMA NO QUE FAZ?

Ter a opor­tu­ni­da­de de tra­ba­lhar nu­ma tec­no­lo­gia que es­tá ain­da a dar os pri­mei­ros pas­sos e que tem um enor­me po­ten­ci­al de apli­ca­ção: da me­di­ci­na à ar­te, pas­san­do pe­la uti­li­za­ção na in­dús­tria 4.0, nas for­çar ar­ma­das, na edu­ca­ção e pa­ra dar apoio a de­fi­ci­en­tes.

E O QUE MAIS A ORGULHA NO SEU PER­CUR­SO?

Di­go hu­mil­de­men­te que te­nho mui­to or­gu­lho sem­pre que me dou con­ta, em diá­lo­go e de­ba­tes com ou­tros es­pe­ci­a­lis­tas da área, de que o meu co­nhe­ci­men­to de óp­ti­ca HMD es­tá ao mais al­to ní­vel. In­te­res­so-me pe­la his­tó­ria dos dis­po­si­ti­vos, bem co­mo pe­las em­pre­sas e in­ves­ti­ga­do­res que tor­nam pos­sí­vel o seu

Ade­sen­vol­vi­men­to. Es­te as­pec­to his­tó­ri­co é ex­tre­ma­men­te edu­ca­ti­vo e ins­pi­ra­dor, in­cluin­do o la­do hu­ma­nos por trás das idei­as de re­fe­rên­cia e dos dis­po­si­ti­vos pi­o­nei­ros.

HÁ AL­GUM AS­PEC­TO MAIS DI­FÍ­CIL QUE TEM OU TE­VE DE EN­FREN­TAR?

Do pon­to de vis­ta hu­ma­no, a parte mais di­fí­cil es­tá in­di­rec­ta­men­te re­la­ci­o­na­da com os po­ten­ci­ais in­te­res­ses en­vol­vi­dos. Nes­te âm­bi­to, cor­re­mos o ris­co de, mais ce­do ou mais tar­de, ser­mos con­fron­ta­dos com si­tu­a­ções de­li­ca­das. Acon­te­ceu-me a mim, mas não só. E o fac­to de ser uma mu­lher com idei­as cla­ras, prin­cí­pi­os e uma boa dose de de­ter­mi­na­ção, não aju­dou. No en­tan­to, es­tes pro­ble­mas profission­ais fo­ram uma gran­de Web Sum­mit já é pas­sa­do, mas uma das idei­as que re­ti­ve das apre­sen­ta­ções que vi foi a de que nem só de al­go­rit­mos vi­ve o mun­do di­gi­tal e o mun­do em geral. A emo­ção, a ob­ser­va­ção e a in­tui­ção – ca­rac­te­rís­ti­cas tão hu­ma­nas – são fer­ra­men­tas in­dis­pen­sá­veis pa­ra o su­ces­so. Aqui e ali iden­ti­fi­co mo­vi­men­tos in­di­vi­du­ais de uma no­va for­ma de es­tar na vi­da e no tra­ba­lho. Não tem que ver com pre­gui­ça ou fal­ta de am­bi­ção, mas com a bus­ca de um equi­lí­brio en­tre o rit­mo fre­né­ti­co do mun­do pro­fis­si­o­nal e a im­por­tân­cia da vi­da em si. Uma des­tas idei­as deu ori­gem a um mo­de­lo não con­ven­ci­o­nal de ne­gó­cio cen­tra­do ‘no ser’, que es­co­la da vi­da, da qual saí mais cons­ci­en­te e for­te. A ní­vel técnico, o dis­po­si­ti­vo we­a­ra­ble, re­ve­la uma na­tu­re­za re­gi­da pelo equi­lí­brio em to­do e ca­da as­pe­to dos seus com­po­nen­tes, ca­da um com as su­as li­mi­ta­ções. As pes­so­as que tra­ba­lham no ter­re­no têm ple­na cons­ci­ên­cia dis­so.

E O QUE AIN­DA ES­TÁ POR RE­A­LI­ZAR?

No mo­men­to, es­tou a de­sen­vol­ver com ou­tros dois co­le­gas uma apli­ca­ção com story­tel­ling e re­a­li­da­de au­men­ta­da, que tem co­mo ba­se as noi­tes es­cu­ras de Ve­ne­za: ‘Ghosts of Ve­ni­ce’ (ghost­sof­ve­ni­ce.it). Co­me­çá­mos em 2013, quan­do usar HMD pa­ra o en­tre­te­ni­men­to era pra­ti­ca­men­te des­co­nhe­ci­do. O que esta app tem de no­vo é que é pa­ra ser ex­plo­ra­da hands-free, com ócu­los de re­a­li­da­de au­men­ta­da, no ce­ná­rio úni­co de Ve­ne­za, pa­ra evi­den­ci­ar to­dos os in­gre­di­en­tes de uma ex­pe­ri­ên­cia re­vo­lu­ci­o­ná­ria, en­vol­ven­te e imer­si­va. No mo­men­to, pen­sa­mos na Ho­loLens co­mo su­por­te, mas ain­da não de­ci­di­mos. Ghosts of Ve­ni­ce é um dra­ma em que o uti­li­za­dor en­tra nu­ma ex­pe­ri­ên­cia ha­bi­ta­da por fan­tas­mas tra­di­ci­o­nal­men­te re­la­ci­o­na­dos com al­guns dos edi­fí­ci­os da ci­da­de e pe­las su­as his­tó­ri­as len­dá­ri­as e emo­ci­o­nan­tes. A ex­pe­ri­ên­cia es­ten­de-se ao do­mí­nio da he­ran­ça cultural de Ve­ne­za, sen­do ba­se­a­da nu­ma in­ves­ti­ga­ção cui­da­do­sa

TEM AL­GUM HOBBY?

Cos­tu­mo fa­bri­car jói­as. Is­so faz o meu cé­re­bro re­la­xar e res­pi­rar en­quan­to se­lec­ci­o­no, mon­to no­vas for­mas e uti­li­zo pe­ças se­mi­pre­ci­o­sas. O de­sen­vol­vi­men­to de HMD tem al­gu­ma se­me­lhan­ça com es­te pro­ces­so cri­a­ti­vo: re­sol­ver pro­ble­mas da con­cep­ção até ao fa­bri­co e usar tec­no­lo­gi­as de ex­plo­ra­ção, res­pei­tan­do cer­tas pro­por­ções, na ten­ta­ti­va de ob­ter o vi­dro in­te­li­gen­te mais le­ve pos­sí­vel. É sem­pre um pro­ces­so de oti­mi­za­ção que re­quer uma gran­de dose de know-how e cri­a­ti­vi­da­de, e em que parte do se­gre­do es­tá na co­ra­gem de sair fo­ra da cai­xa. é a pe­ça cen­tral de um li­vro que vi­sa aju­dar em­pre­en­de­do­res. Cha­ma-se ‘Qu­e­en Be: Co­mo evi­tar os er­ros de ini­ci­a­li­za­ção e cons­truir um ne­gó­cio ex­tra­or­di­ná­rio’ e é da au­to­ria de Fi­li­pa La­ran­gei­ra (já aqui en­tre­vis­ta­da). A sua cam­pa­nha de crowd­fun­ding es­tá na rec­ta fi­nal (pu­blishi­zer.com/qu­e­en-be/).

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.