ONCOLOGIA SOB VI­GI­LÂN­CIA

PC Guia - - ON - POR RI­CAR­DO DU­RAND

É sem­pre bom re­ce­ber notícias de apli­ca­ções tec­no­ló­gi­cas no ra­mo da saú­de, so­bre­tu­do aque­las que ser­vem pa­ra ter uma de­ter­mi­na­da do­en­ça e o res­pec­ti­vo pa­ci­en­te de­bai­xo de olho. Se a ideia for por­tu­gue­sa, en­tão a tor­na-se nu­ma in­for­ma­ção du­pla­men­te boa de par­ti­lhar. É is­so que acon­te­ce es­te mês nes­ta co­lu­na: a no­tí­cia de que a On­coS­tats é a primeira em­pre­sa na­ci­o­nal de saú­de com uma ron­da de fi­nan­ci­a­men­to aber­ta na pla­ta­for­ma de crowd­fun­ding Se­e­drs. O ob­jec­ti­vo é con­se­guir 250 mil eu­ros, uma quan­tia que vai aju­dar a cri­ar uma equi­pa que tra­ba­lhe a tem­po in­tei­ro pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to e in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção da On­coS­tats: «Va­mos cri­ar con­di­ções pa­ra fa­zer ama­du­re­cer a pla­ta­for­ma e ex­pan­dir as su­as ca­pa­ci­da­des de acom­pa­nha­men­to de pa­ci­en­tes a ou­tro ti­po de can­cro, além do da ma­ma, que te­mos des­de o iní­cio, bem co­mo a ins­ta­la­ção em di­ver­sos hos­pi­tais por­tu­gue­ses», ex­pli­ca Mi­guel Bor­ges, CEO e um dos três co-fun­da­do­res da On­coS­tats. A in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção tam­bém es­tá na mi­ra da em­pre­sa, que qu­er fa­zer de Por­tu­gal uma «ram­pa de lan­ça­men­to pa­ra o mundo», mais con­cre­ta­men­te pa­ra o Bra­sil, Rei­no Uni­do, Ale­ma­nha e Suí­ça. Ava­li­a­da em 2,25 mi­lhões de eu­ros, es­ta star­tup fun­da­da em 2015 qu­er «mu­dar a prá­ti­ca da oncologia no mundo». Pa­ra is­so, o mo­de­lo de fun­ci­o­na­men­to ba­seia-se no acom­pa­nha­men­to do pa­ci­en­te e no cons­tan­te re­gis­to das su­as in­for­ma­ções clí­ni­cas nu­ma pla­ta­for­ma «desenhada por mé­di­cos e pa­ra mé­di­cos», com ca­da re­gis­to de in­for­ma­ção a ser pre­vi­a­men­te va­li­da­do pe­los pro­fis­si­o­nais de saú­de. A On­coS­tats tam­bém con­ta com uma ver­ten­te que se apoia mui­to na con­tri­bui­ção do pa­ci­en­te, uma vez que pos­si­bi­li­ta que o mes­mo co­mu­ni­que a for­ma co­mo se sen­te em qual­quer al­tu­ra, es­pe­ci­al­men­te de­pois de fei­tos os tra­ta­men­tos am­bu­la­tó­ri­os com as equi­pas clí­ni­cas. «Des­ta for­ma con­se­gui­mos que o do­en­te se en­vol­va no tra­ta­men­to, atra­vés de uma apli­ca­ção mó­vel». Quem es­ti­ver in­te­res­sa­do em apoi­ar a On­coS­tats pode fa­zê-lo até fi­nal de Ja­nei­ro em se­e­drs.com/on­cos­tats.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.