SAL­VAR O COM­PU­TA­DOR COM SOFT­WARE

Co­mo vi­mos nas pá­gi­nas an­te­ri­o­res, uma das for­mas mais po­de­ro­sas de dar uma no­va vi­da ao seu com­pu­ta­dor é atra­vés da ac­tu­a­li­za­ção do hardwa­re, com a ins­ta­la­ção de no­vos e mais po­de­ro­sos com­po­nen­tes. Mas...

PC Guia - - CAPA -

... em mui­tas das si­tu­a­ções, a so­lu­ção não es­tá nu­ma lo­ja de in­for­má­ti­ca, mas sim na In­ter­net, on­de po­de ir bus­car pro­gra­mas gratuitos, ou não, que po­dem de­vol­ver ao seu com­pu­ta­dor, o ful­gor de ou­tros tem­pos. Nes­ta segunda par­te do nos­so te­ma de ca­pa va­mos ver co­mo po­de fa­zer com que o com­pu­ta­dor fun­ci­o­ne tão bem co­mo no dia em que o ti­rou da caixa pe­la pri­mei­ra vez, sem usar uma cha­ve de pa­ra­fu­sos!

OP­TI­MI­ZA­ÇÃO DO DIS­CO

Se o seu com­pu­ta­dor já ti­ver al­guns anos, de cer­te­za que tem um dis­co me­câ­ni­co. Es­tes usam vá­ri­os “pratos” co­ber­tos por um óxi­do fer­ro­so, cu­ja po­la­ri­da­de é al­te­ra­da atra­vés da pas­sa­gem de uma ca­be­ça de gra­va­ção, per­mi­tin­do as­sim cri­ar bits de in­for­ma­ção. Sim­plis­ti­ca­men­te, es­te é o prin­cí­pio de fun­ci­o­na­men­to des­te hardwa­re; no en­tan­to, ao ní­vel do soft­ware, a coi­sa é um pou­co di­fe­ren­te. Pa­ra que o sis­te­ma ope­ra­ti­vo con­si­ga gravar e ler da­dos num dis­co, ou em qual­quer ou­tro su­por­te de gra­va­ção, tem de usar uma coi­sa que se cha­ma, de for­ma ge­né­ri­ca, ‘sis­te­ma de fi­chei­ros’. É atra­vés des­te que o sis­te­ma ope­ra­ti­vo sa­be que es­pa­ço es­tá ocu­pa­do, o que es­tá a ocu­par es­se es­pa­ço e co­mo es­tá fei­ta a or­ga­ni­za­ção das pas­tas ou di­rec­tó­ri­os. Com ba­se no sis­te­ma de fi­chei­ros, o sis­te­ma ope­ra­ti­vo gra­va e apa­ga da­dos nos vá­ri­os su­por­tes de ar­ma­ze­na­men­to que es­tão li­ga­dos ao com­pu­ta­dor.O sis­te­ma de fi­chei­ros é in­de­pen­den­te do su­por­te­or­te que es­tá a ser uti­li­za­do, ex­cep­tu­an­doo o ca­so do DVD e do Blu-ray. Is­too faz com que, por exemplo, se­jaa pos­sí­vel usar os mes­mos dis­cos s rí­gi­dos em má­qui­nas com sis­te­ma ope­ra­ti­voo Li­nux, Windows ou macOS. De ou­tra for­ma se­ria necessário usar su­por­tes di­fe­ren­tes por cada sis­te­ma ope­ra­ti­vo. Is­to não im­pe­de, to­da­via, que os di­ver­sos sis­te­mas ope­ra­ti­vos não su­por­tem os sis­te­mas de fi­chei­ros uns dos ou­tros.

A COI­SA FI­CA PI­OR COM A IDA­DE

O Windows usa um sis­te­ma de fi­chei­ros cha­ma­do NTFS, mas também po­de usar o mais an­ti­go: o FAT, in­ven­ta­do no final dos anos 70 do século pas­sa­do pa­ra o sis­te­ma ope­ra­ti­vo MS-DOS da Microsoft. Qu­an­do se gra­va um fi­chei­ro, o sis­te­ma or­de­na ao dis­co rí­gi­do pa­ra di­ri­gir a ca­be­ça de gra­va­ção pa­ra uma zo­na fí­si­ca do dis­co que es­te­ja li­vre de con­teú­dos. Is­to le­va à al­te­ra­ção da po­la­ri­da­de das par­tí­cu­las de óxi­do pa­ra for­mar os bits que com­põem o fi­chei­ro que se es­tá a gravar. Es­te processo é len­to, por­que a ca­be­ça tem mesmo de ir a cada zo­na e pas­sar fi­si­ca­men­te por ci­ma de­le, pa­ra gravar os da­dos. O com­pu­ta­dor faz sem­pre is­to cada vez que se gra­va um fi­chei­ro, mesmo que es­te­ja a co­piá-lo. Os cri­a­do­res do sis­te­ma de fi­chei­ros ins­ta­la­ram um ata­lho pa­ra ace­le­rar o processo de apa­ga­men­to. Qu­an­do ten­ta apa­gar um fi­chei­ro, o com­pu­ta­dor não or­de­na que a ca­be­ça se di­ri­ja ao sí­tio fí­si­co on­de es­tão gra­va­dos os da­dos. Em vez dis­so, o sis­te­ma or­de­na ao dis­co que “dê bai­xa” des­ses fi­chei­ros na ta­be­la de ocu­pa­ção do dis­co. Is­to é a ra­zão pe­la qual se con­se­gue re­cu­pe­rar fi­chei­ros, mesmo de­pois de se­rem apa­ga­dos: os da­dos con­ti­nu­am lá, mas o es­pa­ço é da­do co­mo li­vre. Se apa­gar mui­tos fi­chei­ros pe­que­nos, vai cri­ar “bu­ra­cos” com zo­nas sem da­dos no meio de zo­nas com fi­chei­ros. As­sim, qu­an­do o dis­co tem de gravar al­go, não vai pro­cu­rar o me­lhor es­pa­ço pa­ra os co­lo­car, sim­ples­men­te vai ocu­par o es­pa­ço que es­tá li­vre. Is­to re­sul­ta em mui­tos pe­da­ços de fi­chei­ros es­pa­lha­dos pe­los vá­ri­os bo­ca­di­nhos de dis­co que es­tão li­vres. Se is­to for fei­to mui­tas ve­zes, o tem­po que o dis­co de­mo­ra a en­con­trar os da­dos au­men­ta cada vez mais, por­que tem de pro­cu­rar a in­for­ma­ção que com­põe os fi­chei­ros em to­da a sua ex­ten­são. Is­to vai fi­can­do cada vez pi­or, à me­di­da que o com­pu­ta­dor en­ve­lhe­ce.

CON­TRA A LENTIDÃO, DESFRAGMEN­TAR, DESFRAGMEN­TAR!

Pa­ra re­sol­ver es­te pro­ble­ma fo­ram in­ven­ta­dos uns pro­gra­mas cha­ma­dos ‘op­ti­mi­za­do­res de dis­co’ que pe­gam nos fi­chei­ros e gra­vam os seus da­dos con­ti­gua­men­te, pa­ra me­lho­rar a ve­lo­ci­da­de ge­ral de aces­so. Exis­tem va­ri­a­ções des­te processo de op­ti­mi­za­ção, ofe­re­ci­das por al­guns pro­gra­mas, que vão além da gra­va­ção con­tí­gua dos da­dos. Al­guns pro­gra­mas ana­li­sam quan­tas ve­zes os fi­chei­ros são ace­di­dos e co­lo­cam-nos em zo­nas do dis­co que, su­pos­ta­men­te, perm­per­mi­tem uma ve­lo­ci­da­de de aces­so mais rá­pi­da.ráp Não precisa de fa­zer uma des­frag­men­ta­ção­des­fra to­dos os di­as, nem tão ppou­co to­das as se­ma­nas: bas­ta, pe­pe­lo me­nos, fa­zê- fa­zê-lo uma vez de três

em três me­ses.

RE­MO­VER LI­XO

Ou­tro pro­ble­ma que faz com que a sua má­qui­na per­ca ve­lo­ci­da­de ao lon­go do tem­po é o “li­xo digital” que se vai acu­mu­lan­do cada vez que ins­ta­la, usa e de­pois re­mo­ve um pro­gra­ma. Além da frag­men­ta­ção do dis­co abor­da­da an­te­ri­or­men­te, is­to tem que ver com uma ca­rac­te­rís­ti­ca do Windows que se cha­ma ‘Re­gis­to’ (ou ‘Re­gis­try’, em in­glês). Tu­do o que se pas­sa no Windows vai parar, de uma for­ma ou ou­tra, ao ‘Re­gis­to’. Tra­ta-se do sí­tio on­de prac­ti­ca­men­te to­das as de­fi­ni­ções de hardwa­re e soft­ware do Windows são guar­da­das. Também são inú­me­ros os pro­gra­mas que al­te­ram o ‘Re­gis­to’ de várias for­mas qu­an­do se ac­tu­a­li­zam as su­as de­fi­ni­ções ou qu­an­do se fa­zem coi­sas tão sim­ples, co­mo gravar um fi­chei­ro pa­ra o dis­co ou pa­ra um pen USB. Qu­an­do re­mo­ve o pro­gra­ma em cau­sa, gran­de par­te des­sas al­te­ra­ções não são re­ver­ti­das. Is­to faz com que, qu­an­do o sis­te­ma ne­ces­si­ta de pro­cu­rar al­go no ‘Re­gis­to’, se­ja necessário pas­sar por to­da a in­for­ma­ção inú­til que lá foi dei­xa­da pe­los vá­ri­os pro­gra­mas. Ou­tra for­ma de “li­xo” que fi­ca guar­da­do no dis­co, com o pas­sar do tem­po, são os fi­chei­ros que vão sen­do cri­a­dos au­to­ma­ti­ca­men­te pe­los vá­ri­os pro­gra­mas qu­an­do os usa. Tal co­mo acon­te­ce com o ‘Re­gis­to’, também, na sua gran­de mai­o­ria, es­tes fi­chei­ros não são re­mo­vi­dos qu­an­do se apa­gam os pro­gra­mas res­pon­sá­veis pe­la sua cri­a­ção. Com is­to, o dis­co fi­ca cheio de­mais e po­de au­men­tar a frag­men­ta­ção dos da­dos.Os fi­chei­ros tem­po­rá­ri­os também po­dem ser um pro­ble­ma, mas, nes­te ca­so, o pro­ble­ma tem mais que ver com o es­pa­ço ocu­pa­do no dis­co que po­de ser usa­do pa­ra guardar ou­tras coi­sas.

CO­MO SE RE­SOL­VE IS­TO?

Por exemplo, com o CC­le­a­ner, um soft­ware que po­de des­car­re­gar em ver­são gra­tui­ta aqui em bit.ly/1AVvT0X. Mesmo na sua ver­são gra­tui­ta, o CC­le­a­ner con­se­gue lim­par gran­de par­te do “li­xo” que o Windows e ou­tros pro­gra­mas pro­du­zem e que fi­ca a ocu­par es­pa­ço des­ne­ces­sá­rio no dis­co.Mas o CC­le­a­ner não é o úni­co, exis­te também o dMain­te­nan­ce Ho­me Edi­ti­on (bit.ly/13xTNkJ) que, além dos fi­chei­ros, também lim­pa o ‘Re­gis­to do Windows’. Se qui­ser uma op­ção vo­ca­ci­o­na­da ape­nas es­ta ta­re­fa, use o Glary Uti­li­ti­es (glary­soft.com). Com es­te pro­gra­ma con­se­gue fa­zer a lim­pe­za com­ple­ta do ‘Re­gis­to’ com um úni­co cli­que do ra­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.