EN­TRE­VIS­TA

Fique a co­nhe­cer o per­cur­so de Patrícia Fi­guei­ra, co-fun­da­do­ra da MeshApp.

PC Guia - - ÍNDICE - Patrícia Fi­guei­re­do co-fun­da­do­ra da MeshApp

O QUE A LE­VOU A ES­CO­LHER ES­TA ÁREA?

Des­de pe­que­na ti­ve in­fluên­cia da tec­no­lo­gia. O meu pai era en­ge­nhei­ro de in­for­má­ti­ca e sem­pre ti­ve­mos aces­so a com­pu­ta­do­res mui­to ce­do. Ele sem­pre fa­lou das coi­sas que fa­zia com gran­de en­tu­si­as­mo e à me­di­da que fui cres­cen­do, per­ce­bi que era uma área que me atraía, prin­ci­pal­men­te por não es­tar to­tal­men­te “de­fi­ni­da”. Des­de es­sa al­tu­ra para cá, o meu pai dei­xou de exer­cer a pro­fis­são e mui­to do que ele sa­bia já es­tá ob­so­le­to. Com o pas­sar dos anos con­ti­nu­a­mos sem­pre apren­der e a evo­luir.

CO­MO SUR­GIU O CON­CEI­TO DA MESHAPP?

O con­cei­to da MeshApp sur­giu to­tal­men­te da ca­be­ça do Ro­dri­go Moreira Ra­to e da sua vi­da su­per ata­re­fa­da. De iní­cio, ba­se­a­va-se em reu­nir num úni­co sítio to­dos os con­teú­dos que nos de­fi­ni­am, des­de con­tac­tos a no­tí­ci­as, a con­teú­do dos nossos ami­gos, emails, etc. Já na al­tu­ra tí­nha­mos o con­cei­to das ‘má­gi­cas fór­mu­las’, que iri­am per­mi­tir que fos­se pos­sí­vel fa­cil­men­te es­co­lher o que se que­ria ver a ca­da mo­men­to (fos­se con­teú­do so­bre a es­co­la do fi­lho ou do tra­ba­lho). No en­tan­to, com o de­cor­rer do tem­po, e com vá­ri­os con­cei­tos a mu­dar, o aces­so a con­teú­do pri­va­do (dos ami­gos) fi­cou mais res­tri­to e o pro­je­to mu­dou na­tu­ral­men­te para con­teú­do cri­a­do mai­o­ri­ta­ri­a­men­te por mar­cas, en­ti­da­des pú­bli­cas, etc.

NA PRÁ­TI­CA, CO­MO FI­COU?

O con­cei­to prin­ci­pal man­te­ve-se: reu­nir tudo aqui­lo de que pre­ci­so num só lu­gar e po­der for­mu­lar o que pre­ten­do que se­ja en­tre­gue num fe­ed de con­teú­do. A cri­a­ti­vi­da­de do Ro­dri­go le­vou a que se cri­as­se uma ma­nei­ra de usar es­ta ges­tão de con­teú­do e fa­zer que, com mui­to pou­co tra­ba­lho, fos­se pos­sí­vel apre­sen­tá-lo num web­si­te ou apli­ca­ção, com pou­ca ne­ces­si­da­de de ma­nu­ten­ção ou de­pen­dên­cia de uma equi­pa téc­ni­ca. Des­ta for­ma, as or­ga­ni­za­ções po­dem fo­car-se sim­ples­men­te em ge­rir o que que­rem apre­sen­tar, tra­ba­lhar au­di­ên­ci­as e re­sol­ver re­al­men­te o que que­rem que es­se con­teú­do úd se­ja, f fa­zen­do d cres­cer o ne­gó­cio. Es­ta bre­ve des­cri­ção fi­ca mui­to aquém do que a MeshApp po­de ofe­re­cer. Es­te é um pro­jec­to mui­to gran­de e só o ex­pe­ri­men­tan­do é pos­sí­vel per­ce­ber to­do o seu po­ten­ci­al.

FUN­DAR UMA START-UP IM­PLI­CA MUI­TO MAIS DO QUE CO­NHE­CI­MEN­TO CI­EN­TÍ­FI­CO. CO­MO TEM SI­DO ES­TA EX­PE­RI­ÊN­CIA?

Mui­to re­su­mi­da­men­te: uma ava­lan­che. Ti­ve mui­ta sor­te em cru­zar-me com o Ro­dri­go no meu ca­mi­nho. Ain­da es­ta­va a aca­bar o cur­so e fui con­vi­da­da pe­lo João Afon­so para tra­ba­lhar com eles. A par­tir daí foi um sal­to mui­to gran­de que não me via a dar nu­ma ou­tra em­pre­sa. O Ro­dri­go tem ba­ses de Mar­ke­ting e já ti­nha um ca­lo enor­me nes­te mun­do do em­pre­en­de­do­ris­mo. En­tão, foi só apro­vei­tar a ma­ré e ab­sor­ver o má­xi­mo que po­dia. A mi­nha ação re­cai so­bre to­do o tra­ba­lho de re­ta­guar­da, na par­te téc­ni­ca da mon­ta­gem do pro­du­to, da sua cons­tru­ção. Gosto do ‘stress bom’ as­so­ci­a­do à pro­gra­ma­ção, ao de­se­nho das so­lu­ções e aos de­sa­fi­os que is­so traz. Te­nho ti­do sor­te de tra­ba­lhar com ex­ce­len­tes pes­so­as co­mo o Fre­de­ri­co Ho­nó­rio, que me de­sa­fia to­dos os di­as, e o João Pi­na, que tem con­du­zi­do a equi­pa. To­da a “lo­co­mo­ti­va” da star­tup é con­du­zi­da pe­lo Ro­dri­go e, ape­sar de es­tar mais fo­ca­da no de­sen­vol­vi­men­to téc­ni­co, con­ti­nuo a ter mão na dis­cus­são de pro­du­to que sem­pre me foi na­tu­ral. Vi­vo o pro­je­to nos seus al­tos eb e bai­xos, e es­se la­do em­pre­en­de­dor só se des de­sen­vol­ve com as man­gas ar­re­ga­ça­das.

ERA ER ATÉ HÁ POU­CO CTO DA MESHAPP E DEI­XOU DE EXER­CER ES­TA FUN­ÇÃO. POR QUÊ?

A AM MeshApp, co­mo equi­pa, de­sen­vol­veu-se em Avei­ro, mas, com o pas­sar do tem­po, co­me­çá­mos com a cres­cer em Lis­boa tam­bém. A Am mi­nha vi­da pes­so­al tra­vou a ida para Lis­boa. Lis A cer­ta al­tu­ra, o João Pi­na co­me­çou a tra­ba­lhar tr con­nos­co e a par­tir daí co­me­çou a fa­zer fa sen­ti­do para mim que ele as­su­mis­se es­se ess pa­pel, es­tan­do per­to do CEO. Ele es­tá em Lis­boa com par­te da equi­pa téc­ni­ca é e toma as gran­des de­ci­sões des­se pa­pel, en­quan­to eu e o Fre­de­ri­co as exe­cu­ta­mos em Avei­ro e aju­da­mos a es­tu­dá-las. Sem­pre que é ne­ces­sá­rio tra­ba­lhar em so­lu­ções de mai­or ca­li­bre e na dis­cus­são das no­vas idei­as, o Fre­de­ri­co e eu va­mos a Lis­boa. Es­ta­mos sem­pre li­ga­dos co­mo equi­pa e co­mo co-fun­da­do­res, e es­ta­mos con­for­tá­veis com a ma­nei­ra co­mo a equi­pa se de­sen­vol­veu.

QUAIS SÃO OS PRÓ­XI­MOS PAS­SOS PARA A MESHAPP?

A MeshApp es­tá nes­te mo­men­to a pôr à pro­va to­da a tec­no­lo­gia de­sen­vol­vi­da com no­vos cli­en­tes e es­pe­ra­mos ser em pou­co tem­po a pla­ta­for­ma sem qual já não se sa­be vi­ver.

E PARA SI?

O meu ob­je­ti­vo prin­ci­pal é con­ti­nu­ar a cres­cer tec­ni­ca­men­te en­quan­to o mo­tor se con­ti­nua a de­sen­vol­ver (es­tou a pôr as mãos em no­vas tec­no­lo­gi­as). De­pois de a ba­se da MeshApp es­tar a cor­res­pon­der com a fer­ra­men­ta de ges­tão e en­tre­ga de con­teú­do que se pre­ten­de, e eu ti­ver da­do o meu con­tri­bu­to, os meus pas­sos irão cer­ta­men­te acom­pa­nhar as ne­ces­si­da­des da MeshApp. Gosto de ves­tir a ca­mi­so­la e ser fi­el ao pro­jec­to on­de es­tou. Co­mo pro­fis­si­o­nal e co­mo pes­soa quero cres­cer des­sa for­ma.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.