A FLEXIBILID­ADE DO VE­RACRYPT

PC Guia - - BOOT -

Usar o BitLoc­ker é bas­tan­te sim­ples, mas o Ve­raCrypt po­de ser uma al­ter­na­ti­va vá­li­da ao sis­te­ma da Mi­cro­soft, so­bre­tu­do se não ti­ver uma das ver­sões do Win­dows mais avan­ça­das. Es­te é um soft­ware open sour­ce e tem uma ver­são portátil, o que sig­ni­fi­ca que a po­de usar nu­ma pen, mas que não vai fun­ci­o­nar no dis­co de bo­ot do sis­te­ma. Além dis­so fun­ci­o­na em macOS e Li­nux e é bas­tan­te fle­xí­vel, fun­ci­o­nan­do com dri­ves de da­dos, a par­ti­ções de bo­ot, dri­ves re­mo­ví­veis e es­con­di­das. E, me­lhor, com o Ve­raCrypt não há ne­ces­si­da­de de ter um TPM.

1 Fa­ça o down­lo­ad do Ve­raCrypt em ve­racrypt.fr (ver­são EXE pa­ra o Win­dows). Dê um du­plo cli­que no fi­chei­ro que des­car­re­gou e cli­que em ‘Ins­tall’. Abra o pro­gra­ma e vá a ‘Sys­tem’ > ‘En­crypt Sys­tem Par­ti­ti­on/Dri­ve’.

2 An­tes de co­me­çar o pro­ces­so, há uma op­ção que per­mi­te cri­ar uma par­ti­ção de sis­te­ma es­con­di­da (‘Hid­den’) - não fa­ça is­to. A op­ção cer­ta é es­co­lher ‘Nor­mal’.

3 Nes­te ca­so, a única op­ção dis­po­ní­vel é a par­ti­ção do Win­dows. Es­co­lha ‘En­crypt the who­le dri­ve’, o mais in­di­ca­do se qui­ser to­dos os seus documentos; se qui­ser en­crip­tar par­ti­ções de for­ma se­pa­ra­da, vai ter de usar chaves e passwords pa­ra ca­da uma de­las.

4 Nesta ja­ne­la é da­da a op­ção de es­co­lher­mos vá­ri­os sis­te­ma operativos, se ti­ver­mos um PC on­de usa­mos mais que o Win­dows. Não é o ca­so, mas fi­que a sa­ber que o Ve­raCrypt po­de ser usa­do em to­dos.

5 O Ve­raCrypt usa vá­ri­os al­go­rit­mos de en­crip­ta­ção, mas pa­ra nós bas­ta o que es­tá se­lec­ci­o­na­do por de­fei­to: AES e SHA-512. Cli­que em ‘Ben­ch­mark’ pa­ra con­fir­mar que o seu sis­te­ma es­tá mais bem pre­pa­ra­do pa­ra li­dar com es­te ti­po de en­crip­ta­ção: vai apa­re­cer no to­po, bem des­ta­ca­do de to­dos os ou­tros, com uma lar­ga mar­gem.

6 An­tes de pros­se­guir, vai pre­ci­sar de de­fi­nir uma pas­sword for­te, mas que se­ja sim­ples de lem­brar. Vai usar es­ta pa­la­vra-chave ca­da vez que fi­zer bo­ot, por is­so de­co­re-a bem.

7 Es­ta é o pas­so mais es­tra­nho des­te guia. Na ja­ne­la que apa­re­ce vai ter de mo­ver o pon­tei­ro do ra­to de for­ma er­rá­ti­ca pe­lo emaranhado de sím­bo­los que apa­re­ce. Is­to ser­ve pa­ra que o Ve­raCrypt crie um con­jun­to de chaves ver­da­dei­ra­men­te ale­a­tó­rio - du­ran­te quan­to mais tem­po es­ti­ver a mo­ver o ra­to, me­lhor. A qual­quer al­tu­ra po­de cli­car em ‘Next’ pa­ra ir pa­ra a ja­ne­la on­de as chaves (keys) lhe po­dem ser mos­tra­das.

8 Aqui vamos cri­ar os fi­chei­ros de da­dos que con­têm um du­pli­ca­do do bo­o­tlo­a­der EFI, pa­ra que con­si­ga res­tau­rar tu­do à sua for­ma ini­ci­al. Lem­bre-se de que pre­ci­sa da sua pas­sword que cri­ou no pas­so 6. O Ve­raCrypt pe­de, ago­ra, que ex­traia o fi­chei­ro ZIP cri­a­do pa­ra uma pen USB for­ma­ta­da em FAT ou FAT32.

9 O Ve­raCrypt vai fa­zer-lhe uma su­ges­tão algo pa­ra­nói­ca: apa­gar a dri­ve ao usar da­dos se­mi-ale­a­tó­ri­os pa­ra evitar que os hac­kers pos­sam ter aces­so e re­cu­pe­rar qual­quer in­for­ma­ção. Is­to não de­ve ser um re­ceio, no seu ca­so, por is­so cli­que em ‘No­ne’.

10 Te­mos tu­do pron­to pa­ra dei­xar que o Ve­raCrypt en­crip­te o PC. O pro­gra­ma co­me­ça por fa­zer um ci­clo de tes­te pa­ra ga­ran­tir que o no­vo bo­o­tlo­a­der es­tá a fun­ci­o­nar bem, an­tes de co­me­çar a en­crip­tar os da­dos. In­tro­du­za a pas­sword de­fi­ni­da no pas­so 6 pa­ra que o Win­dows rei­ni­cie. De vol­ta ao sis­te­ma ope­ra­ti­vo, po­de dar iní­cio ao pro­ces­so de en­crip­ta­ção. E não se es­que­ça da pas­sword: sem ela, fi­ca de­fi­ni­ti­va­men­te sem aces­so aos seus da­dos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.