“A MULTICULTU­RALIDADE E A MULTIDISCI­PLINARIDAD­E DA EQUI­PA SÃO FUNDAMENTA­IS”

É a ‘mãe’ dos tran­sís­to­res de pa­pel e es­tá en­tre os mais im­por­tan­tes in­ves­ti­ga­do­res em Elec­tró­ni­ca Trans­pa­ren­te em to­do o mun­do. Con­quis­tou re­cen­te­men­te uma bol­sa de 3,5 mi­lhões de eu­ros, a mai­or al­gu­ma vez atri­buí­da a um in­ves­ti­ga­dor por­tu­guês e a mai­or

PC Guia - - HIGH-TECH GIRL -

Es­ta não é a pri­mei­ra vez que a ci­en­tis­ta con­quis­ta um dos al­tís­si­mos e co­bi­ça­dos fi­nan­ci­a­men­tos do ERC. Em 2008, pe­la pri­mei­ra vez em Por­tu­gal, foi-lhe atri­buí­da uma bol­sa de 2,25 mi­lhões de eu­ros. Com es­ta ver­ba au­men­tou a sua equi­pa, com­prou equi­pa­men­to de to­po pa­ra o la­bo­ra­tó­rio de in­ves­ti­ga­ção que li­de­ra e con­se­guiu man­ter o tra­ba­lho de in­ves­ti­ga­ção por mais al­guns anos. Na al­tu­ra, o fo­co da sua equi­pa es­ta­va na ele­tró­ni­ca trans­pa­ren­te, ou se­ja em usar em ele­tró­ni­ca ma­te­ri­ais ba­ra­tos e mui­to aces­sí­veis co­mo, por exem­plo, os in­gre­di­en­tes dos ci­men­tos, dos óxi­dos, dos vi­dros. Tec­no­lo­gia pa­ra ser usa­da, por exem­plo, em sis­te­mas de alar­me in­vi­sí­veis em ja­ne­las, pa­ra cap­tar ener­gia so­lar atra­vés da pró­prio vi­dro, pa­ra per­mi­tir con­tro­lar à dis­tan­cia a trans­pa­rên­cia das ja­ne­las a ca­da al­tu­ra do dia, ou ain­da cri­an­do mo­ni­to­res ou ecrãs de te­le­mó­vel ul­tra­fi­nos e fle­xí­veis. Ago­ra, o fo­co do tra­ba­lho de El­vi­ra For­tu­na­to e da sua equi­pa pre­ten­de «re­vo­lu­ci­o­nar a for­ma co­mo se fa­bri­cam os cir­cui­tos in­te­gra­dos e com­po­nen­tes de ele­tró­ni­ca, sem re­cur­so ao si­lí­cio, ex­plo­ran­do si­mul­ta­ne­a­men­te ma­te­ri­ais eco-fri­en­dly, com pro­pri­e­da­des ex­ce­ci­o­nais, à na­no es­ca­la». Pa­ra­le­la­men­te, pre­ten­de-se que o mes­mo dis­po­si­ti­vo ve­nha a «de­sem­pe­nhar mais do que uma fun­ção». El­vi­ra For­tu­na­do, que di­ri­ge o Cen­tro de In­ves­ti­ga­ção de Ma­te­ri­ais (CENIMAT) da Uni­ver­si­da­de No­va há cer­ca de vin­te anos, apos­ta na vi­da do dia-a-dia e nos ma­te­ri­ais que ne­la en­con­tra. Gos­ta de usar pro­du­tos con­ven­ci­o­nais de for­ma não con­ven­ci­o­nal. Ou se­ja, ao cri­ar os tran­sís­to­res de pa­pel usou co­mo ba­se os nor­ma­lís­si­mos pa­péis de fo­to­có­pia e im­pres­são que to­dos usa­mos. Re­cor­reu tam­bém a pro­du­tos co­mo as po­ma­das ti­po Ha­li­but, pa­ra os ra­bi­nhos dos be­bés, ou pas­tas de den­te nas su­as ex­pe­ri­ên­ci­as. E no mo­men­to, por exem­plo, tem uti­li­za­do vi­ta­mi­na C pa­ra sin­te­ti­zar na­no­par­tí­cu­las de ou­ro e a ge­la­ti­na pa­ra fa­zer elec­tró­li­tos. A ci­en­tis­ta des­cri­ta na Wi­ki­pe­dia co­mo «pi­o­nei­ra mun­di­al na ele­tró­ni­ca de pa­pel, no­me­a­da­men­te tran­sís­to­res, me­mó­ri­as, ba­te­ri­as, ecrãs, an­te­nas e cé­lu­las so­la­res», apos­ta tam­bém na sua equi­pa. E a di­ver­si­da­de é fun­da­men­tal pa­ra a in­ves­ti­ga­do­ra. El­vi­ra For­tu­na­to li­de­ra ho­mens e mu­lhe­res por­tu­gue­ses, mas tam­bém es­pa­nhóis, po­la­cos, chi­ne­ses, in­di­a­nos, en­tre ou­tras na­ci­o­na­li­da­des, com es­pe­ci­a­li­za­ção em áre­as co­mo a Quí­mi­ca, a Fí­si­ca, a En­ge­nha­ria, só pa­ra ci­tar al­guns exem­plos. El­vi­ra For­tu­na­to des­co­briu a pai­xão pe­la ci­ên­cia ao ob­ser­var coi­sas ao mi­cros­có­pio nas ex­pe­ri­ên­ci­as es­co­la­res. De­pois de con­cluir o li­ceu, ten­tou en­trar em En­ge­nha­ria do Am­bi­en­te, mas a sua mé­dia não foi su­fi­ci­en­te. Foi pa­ra En­ge­nha­ria de Ma­te­ri­ais com a ideia de mais tar­de pe­dir trans­fe­rên­cia pa­ra a sua pri­mei­ra op­ção, mas aca­bou ren­di­da à mi­cro­e­le­tró­ni­ca. Com o ma­ri­do, Ro­dri­go Mar­tins, pre­si­den­te do De­par­ta­men­to de Ci­ên­cia dos Ma­te­ri­ais da Uni­ver­si­da­de No­va, cri­ou de raiz o la­bo­ra­tó­rio de in­ves­ti­ga­ção que di­ri­ge. Ho­je, é uma dos mais con­cei­tu­a­dos do mun­do e con­ta com um uma equi­pa com mais de ses­sen­ta pro­fis­si­o­nais.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.