GUIA

A se­gun­da par­te de um pro­jec­to ins­pi­ra­do nos jo­gos Hit­man.

PC Guia - - EDITORIAL - POR LUÍS AL­VES

1 BA­SE DE TRA­BA­LHO

É mui­to im­por­tan­te com­pre­en­der a peça ini­ci­al e os seus de­ta­lhes, não só de di­men­são, co­mo fun­ci­o­na­men­to de com­po­nen­tes ex­tra. No nos­so ele­men­to exis­te um bo­tão no to­po, um sím­bo­lo na zo­na de bai­xo e di­ver­sas ros­cas den­tro da peça que per­mi­tem pren­der es­ta peça ma­ci­ça de alumínio na fren­te da cai­xa. Nes­ta pri­mei­ra fa­se fo­ram re­co­lhi­das as me­di­das da peça pa­ra ini­ci­ar o de­se­nho e de­fi­ni­ção da ideia pre­ten­di­da. 2 DE­SE­NHO Pa­ra mo­di­fi­car es­ta fron­tal o de­se­nho vec­to­ri­al foi su­fi­ci­en­te, por não exis­ti­rem des­ní­veis ou de­ta­lhes com­ple­xos. Al­gu­mas pe­ças ne­ces­si­ta­ri­am de for­ma­ção em mo­de­la­ção 3D ou CAD mas não é o ca­so des­te exem­plo. O de­se­nho foi ini­ci­a­do no Ado­be Ilus­tra­tor CC e de­pois im­por­ta­do pa­ra o soft­ware de pro­gra­ma­ção CAD/CAM. Pa­ra ma­xi­mi­zar o im­pac­to do lo­gó­ti­po, o sím­bo­lo da sé­rie foi co­lo­ca­do em gran­de e in­cli­na­do, per­mi­tin­do as­sim que nas la­te­rais exis­ta al­gum des­ba­lan­ce­a­men­to do re­sul­ta­do. 3 CAD/CAM Foi uti­li­za­do o soft­ware As­pi­re 9.0 (Vec­tric) pa­ra pro­gra­mar a CNC, re­cor­ren­do a du­as fre­sas, uma de 4 e ou­tra de 2 mm. A pri­mei­ra fre­sa ser­ve pa­ra re­mo­ver o ma­te­ri­al num es­ta­do mais bru­to, mas co­mo 4 mm de di­â­me­tro é de­ma­si­a­do pa­ra os con­tor­nos afi­a­dos do nos­so mo­de­lo. A pre­sa mais pe­que­na é res­pon­sá­vel por apri­mo­rar os con­tor­nos in­ter­nos do nos­so cor­te. Co­mo a nos­sa peça não é ma­te­ri­al em bru­to, mas um ele­men­to que já exis­te, a de­fi­ni­ção do ei­xo ze­ro da nos­sa peça é mui­to im­por­tan­te. Ca­so con­trá­rio, cor­re­mos o ris­co de cor­tar in­cor­re­ta­men­te, in­de­pen­den­te­men­te da qua­li­da­de do nos­so mo­de­lo. Pa­ra aju­dar a man­ter a peça no sí­tio, e im­pe­dir que pe­que­nos ele­men­tos se sol­tem, po­de ser apli­ca­da fi­ta de du­pla fa­ce em to­da a tra­sei­ra da peça.

5 MAQUINAÇÃO

O cor­te to­tal da peça de­mo­rou cer­ca de cin­co ho­ras, com um in­ter­va­lo rá­pi­do pa­ra tro­car de fre­sas. O fac­to de o pro­ces­so ser au­to­má­ti­co é mui­to prá­ti­co por­que per­mi­te con­ti­nu­ar a tra­ba­lhar nou­tros com­po­nen­tes do pro­jec­to en­quan­to o cor­te é efe­tu­a­do. O re­sul­ta­do fi­nal é es­pec­ta­cu­lar, su­per-de­ta­lha­do; após li­mar as du­as mol­du­ras de apoio, a peça fi­ca pron­ta a apli­car.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.