DEFEITOS ES­PE­CI­AIS

O Ri­car­do Du­rand re­flec­te so­bre a vi­da, a mor­te e o amor.

PC Guia - - ÍNDICE - RI­CAR­DO DU­RAND Edi­tor

Ao lon­go dos meus 36 anos de vi­da já fui con­fron­ta­do vá­ri­as ve­zes com a mor­te de um en­te que­ri­do pró­xi­mo. A pri­mei­ra foi lo­go aos dez anos, al­tu­ra em que fui mui­to pro­te­gi­do. É uma da­que­las si­tu­a­ções em que co­me­ço a du­vi­dar: se­rá uma dor mai­or um pai so­bre­vi­ver ao fi­lho ou uma cri­an­ça per­der um pai tão no­va? As se­guin­tes fo­ram em três anos con­se­cu­ti­vos: 2006, 2007 e 2008, com a par­ti­da de to­dos os meus avós. É gi­ro di­zer­mos ‘par­ti­da’ co­mo eu­fe­mis­mo de ‘mor­te’, até por­que es­ta é uma das par­ti­das que a vi­da, mais tar­de ou mais ce­do, nos pre­ga. Foi aqui que co­me­cei a en­trar no cir­cui­to dos ve­ló­ri­os e fu­ne­rais de fa­mí­lia - e, di­go-vos uma coi­sa: a mor­te tem chei­ro. É um aro­ma do­ce de flo­res, on­de se sen­te uma paz in­des­cri­tí­vel, on­de se ou­vem tos­ses, cho­ra­min­gos e ou­tros la­men­tos. O “chei­ro” é is­to tu­do jun­to. É pos­sí­vel o pa­ra­le­lis­mo en­tre uma mor­te e não ser cor­res­pon­di­do no amor? Ou per­ce­ber que al­guém de quem já gos­tá­mos mui­to e que tam­bém gos­tou de nós, já par­tiu pa­ra ou­tra? Não, cla­ro. A se­gun­da si­tu­a­ção é mui­to pi­or e é fá­cil ex­pli­car: quan­do al­guém mor­re, é im­pos­sí­vel ter es­sa pes­soa de vol­ta. Não te­mos de pen­sar o que es­tá a fa­zer na­que­le mo­men­to, com quem es­tá, se se es­tá a di­ver­tir, se re­gres­sa aos lu­ga­res on­de já fo­mos os dois fe­li­zes, não te­mos de ou­vir fa­lar de­la por ou­tra pes­so­as, não cor­re­mos o ris­co de en­con­trar uma fo­to­gra­fia ac­tu­al que não va­mos gos­tar de ver. Mas, quan­do uma pes­soa dei­xa de gos­tar de nós e nós con­ti­nu­a­mos a amar es­sa pes­soa, ou a pen­sar que ain­da te­mos uma hi­pó­te­se, tu­do is­to acon­te­ce. É co­mo se vi­vês­se­mos num es­ta­do de re­a­ni­ma­ção eter­na, co­mo se a qual­quer mo­men­to es­sa pes­soa pu­des­se vol­tar. E, por­que, na re­a­li­da­de, po­de. Res­sus­ci­tar um amor é com­pli­ca­do, mas não é im­pos­sí­vel. Vi­ver nes­sa re­a­li­da­de to­dos os di­as é tor­tu­ran­te; vi­ver nu­ma re­a­li­da­de em que a ou­tra pes­soa já não exis­te fi­si­ca­men­te, não. É uma fe­ri­da que se cu­ra com o tem­po. Sa­ber que já não so­mos cor­res­pon­di­dos é ter uma fe­ri­da aber­ta que só se cu­ra com um cho­que que ter­mi­ne com es­ta ilu­são. En­quan­to is­so, es­ta­mos li­ga­dos às má­qui­nas e a nos­sa vi­da não avan­ça. Per­der um amor, é pi­or que uma mor­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.