DIS­PO­NI­BI­LI­DA­DE INFINITA

PC Guia - - HIGH-TECH GIRL -

Uma pes­soa nem sem­pre es­tá dis­po­ní­vel (fi­si­ca­men­te, men­tal­men­te e amo­ro­sa­men­te) pa­ra res­pon­der a tu­do o que nos pe­dem. É nor­mal: so­mos pes­so­as e te­mos uma per­so­na­li­da­de ca­paz de ana­li­sar si­tu­a­ções, lo­go, de res­pon­der con­for­me o de­sa­fio. Nes­ta uni­da­de que nos é tão ca­rac­te­rís­ti­ca, ha­ve­rá pes­so­as que es­tão sem­pre dis­po­ní­veis pa­ra fa­zer qual­quer coi­sa que ul­tra­pas­se os seus li­mi­tes (nor­mal­men­te, is­to é uma coi­sa que, mais tar­de, ou mais ce­do, vai cor­rer mal). É o que acon­te­ce quan­do, do na­da, sem estarmos à es­pe­ra, apa­re­ce al­guém que nos de­sa­fia e nos aba­na a es­ta­bi­li­da­de - e, por ar­ras­to, a dis­po­ni­bi­li­da­de. Ain­da es­tá por es­tu­dar es­ta re­la­ção es­tra­nha que há en­tre o co­ra­ção e a ra­zão, já pa­ra não me­ter uma se­gun­da ca­be­ça ao ba­ru­lho. Lo­go que is­to acon­te­ce, é co­mo se fi­zes­se­mos bun­gee jum­ping. En­quan­to va­mos a cair, a sen­sa­ção é es­pec­ta­cu­lar, te­mos aque­la sen­sa­ção de que es­ta­mos a vo­ar, tu­do acon­te­ce mui­to rá­pi­do, sen­ti­mo-nos in­ven­cí­veis e só qu­e­re­mos que es­ta que­da du­re mais tem­po. Mas, se tu­do cor­rer bem, a cor­da elás­ti­ca che­ga ao seu li­mi­te e pu­xa-nos de vol­ta pa­ra ci­ma - ou se­ja, de­vol­ve-nos à re­a­li­da­de. Afi­nal, não sa­be­mos vo­ar e não te­mos li­ber­da­de to­tal; afi­nal es­ta­mos pre­sos pe­los pés. É exac­ta­men­te is­to que acon­te­ce quan­do uma re­la­ção co­me­ça ao con­trá­rio, de uma pai­xão tór­ri­da, pa­ra um co­nhe­ci­men­to de quem es­tá do ou­tro la­do, à me­di­da que so­mos pu­xa­dos pa­ra ci­ma pe­la cor­da do bun­gee jum­ping. Es­cu­sa­do se­rá di­zer que is­to é do­lo­ro­so, mas tam­bém me es­cu­so a di­zer que há uma fór­mu­la cer­ta pa­ra cri­ar uma re­la­ção amo­ro­sa. Po­de ha­ver um sal­to ini­ci­al e o re­gres­so a re­a­li­da­de ser su­a­ve; mas nor­mal­men­te, o que acon­te­ce é per­ce­ber­mos que afi­nal, an­tes de dar o sal­to, po­día­mos ter ido fa­zer uma ca­mi­nha­da pe­la flo­res­ta ao pé da pon­te do bun­gee jum­ping, ir jan­tar na­que­le res­tau­ran­te com vis­ta pa­ra o va­le, pas­sar uma ou du­as ve­zes pe­la pon­te pa­ra ava­li­ar a al­tu­ra e pes­qui­sar so­bre a em­pre­sa de ex­pe­ri­ên­ci­as que or­ga­ni­za os sal­tos. Não di­go que nun­ca mais vou fa­zer bun­gee jum­ping. Mas tam­bém é ver­da­de que di­fi­cil­men­te vou que­rer ser pre­so pe­los pés a uma ex­pe­ri­ên­cia ra­di­cal que, em vez de nos en­cher de adre­na­li­na, nos en­che o co­ra­ção de pe­dras.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.