EN­TRE­VIS­TA

Isa­bel San­tos é uma en­tu­si­as­ta: em re­la­ção ao tra­ba­lho que faz e à em­pre­sa que a viu cres­cer pro­fis­si­o­nal­men­te. Di­ri­ge o de­par­ta­men­to de apoio téc­ni­co da Ep­son e a boa dis­po­si­ção faz com que trans­for­me pro­ble­mas em bo­as opor­tu­ni­da­des de apro­xi­mar os cli­en

PC Guia - - CONTENTS - Isa­bel San­tos

Fi­que a co­nhe­cer Isa­bel San­tos, res­pon­sá­vel pe­lo de­par­ta­men­to de apoio téc­ni­co da Ep­son.

A SUA FOR­MA­ÇÃO DE BA­SE É EM ECO­NO­MIA. O QUE A LE­VOU A MU­DAR O RU­MO PA­RA UMA VER­TEN­TE MAIS TEC­NO­LÓ­GI­CA?

Quan­do ter­mi­nei o cur­so, fiz uma for­ma­ção em in­for­má­ti­ca. Já foi há al­gum tem­po e nes­sa al­tu­ra es­ta­va tu­do um bo­ca­do no prin­cí­pio. Pa­re­ceu-me que ter es­ta fer­ra­men­ta po­de­ria ser in­te­res­san­te pro­fis­si­o­nal­men­te.

NÃO ERA UMA ÁREA QUE, NA AL­TU­RA, DESPERTASSE MUI­TO O IN­TE­RES­SE DAS RAPARIGAS...

Já em Eco­no­mia tam­bém éra­mos pou­cas raparigas, por­tan­to, não foi um pro­ble­ma pa­ra mim. O que in­te­res­sa­va era que eu gos­ta­va.

ES­TE­VE SEM­PRE NA MES­MA EM­PRE­SA?

Fiz tra­ba­lhos tem­po­rá­ri­os e tam­bém trabalhei nu­ma em­pre­sa fa­mi­li­ar. A Ep­son foi o pri­mei­ro tra­ba­lho re­al­men­te im­por­tan­te que ti­ve, que me aju­dou a cri­ar um pla­no de car­rei­ra e a cres­cer. Es­ti­ve sem­pre na área de ser­vi­ços até che­gar à di­re­ção do de­par­ta­men­to.

EM QUE CON­SIS­TE ES­SEN­CI­AL­MEN­TE O SEU TRA­BA­LHO?

Ou­vi­mos as ne­ces­si­da­des dos cli­en­tes e pro­cu­ra­mos res­pos­tas ten­tan­do su­pe­rar as ex­pec­ta­ti­vas mas sem­pre com sus­ten­ta­bi­li­da­de. Te­mos um call cen­ter eu­ro­peu e so­mos con­fron­ta­dos com to­do o ti­po de pro­ble­mas téc­ni­cos. So­mos uma equi­pa de de­zoi­to es­pe­ci­a­lis­tas en­tre en­ge­nhei­ros, co­mer­ci­ais e ou­tros es­pe­ci­a­lis­tas, e fa­ze­mos o acom­pa­nha­men­to de qua­li­da­de de cer­ca de du­zen­tas em­pre­sas co­la­bo­ra­do­ras.

O QUE MAIS GOS­TA NO QUE FAZ?

A pro­xi­mi­da­de com o cli­en­te e a con­fi­an­ça que des­per­ta­mos. Pro­cu­ra­mos ofe­re­cer o que gos­ta­ría­mos de re­ce­ber co­mo cli­en­tes, tan­to em re­sul­ta­do co­mo em ex­ce­lên­cia. E re­ce­be­mos es­te fe­ed­back. As pes­so­as sen­tem que do ou­tro la­do têm uma equi­pa a apoiá-las, que po­dem fa­lar com pes­so­as, e, cla­ro, pes­so­as bem pre­pa­ra­das a ní­vel tec­no­ló­gi­co, pois es­ta é a es­sên­cia do nos­so pro­du­to.

O SEU DIA-A-DIA É FEI­TO DE QUEI­XAS E PRO­BLE­MAS. É DI­FÍ­CIL DE AGUEN­TAR?

Quan­to mais di­fí­cil o pro­ble­ma mai­or é o rep­to e a pos­si­bi­li­da­de de cres­cer e me­lho­rar. So­mos um pe­que­no uni­ver­so den­tro da em­pre­sa, um cír­cu­lo que se fe­cha em si pró­prio.

AS MU­LHE­RES TÊM UM JEI­TO ES­PE­CI­AL EM LI­DAR COM PES­SO­AS. ACHA QUE É UMA MAIS-VA­LIA PA­RA O TRA­BA­LHO QUE FAZ?

Mu­lhe­res e ho­mens têm uma ma­té­ria cin­zen­ta e não há di­fe­ren­ça. Te­nho a sor­te de es­tar nu­ma em­pre­sa em que as de­ci­sões não são to­ma­das por ser­mos mu­lhe­res ou ho­mens. Te­mos mui­tas mu­lhe­res a di­re­ção. E o im­por­tan­te é estarmos pró­xi­mo do cli­en­te. Sem ele não te­mos na­da.

res­pon­sá­vel pe­lo de­par­ta­men­to de apoio téc­ni­co da Ep­son

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.