AU­TO­MÓ­VEIS ELÉC­TRI­COS

Eléc­tri­cos, eléc­tri­cos com ex­ten­sor de au­to­no­mia, hí­bri­dos, hí­bri­dos Plug-In, Mi­cro-Hí­bri­dos e Mild Hy­brid. São vá­ri­as as so­lu­ções in­tro­du­zi­das no mer­ca­do com a elec­tri­fi­ca­ção au­to­mó­vel. Co­nhe­ça quais as di­fe­ren­ças en­tre elas e qual a que me­lhor se adap­ta

PC Guia - - CONTENTS - POR GUS­TA­VO DI­AS

Co­nhe­ça as di­fe­ren­ças en­tre as vá­ri­as so­lu­ções de elec­tri­fi­ca­ção au­to­mó­vel .

Os com­bus­tí­veis fós­seis têm os di­as con­ta­dos e a elec­tri­fi­ca­ção au­to­mó­vel tem si­do o ca­mi­nho apre­sen­ta­do co­mo a so­lu­ção pa­ra um fu­tu­ro mais sus­ten­ta­do. Po­rém, es­te ca­mi­nho tem co­nhe­ci­do di­ver­sos ata­lhos, ca­da qual adop­ta­do por di­fe­ren­tes fa­bri­can­tes, que acre­di­tam, as­sim, ir ao en­con­tro das ne­ces­si­da­des dos seus cli­en­tes. Além dos veí­cu­los to­tal­men­te eléc­tri­cos (des­de to­da a ga­ma da Tes­la, a di­ver­sos mo­de­los da Re­nault, Nis­san, Volkswa­gen, BMW, PSA, Hyun­dai e Kia), exis­tem mo­de­los que uti­li­zam uma so­lu­ção to­tal­men­te eléc­tri­ca ali­a­da a um pe­que­no mo­tor de com­bus­tão, que tem co­mo fi­na­li­da­de ac­tu­ar co­mo ge­ra­dor de ener­gia eléc­tri­ca pa­ra ga­ran­tir uma mai­or au­to­no­mia, ra­zão pe­la qual são de­sig­na­dos ‘veí­cu­los eléc­tri­cos com ex­ten­sor de au­to­no­mia’. Os dois prin­ci­pais exem­plos dis­po­ní­veis em Por­tu­gal são o Opel Am­pe­ra, que tem re­gis­ta­do uma pro­cu­ra mui­to ele­va­da no mer­ca­do de usa­dos e veí­cu­los im­por­ta­dos, e o BMW i3 REx.

HÍ­BRI­DOS

Co­mo o no­me in­di­ca, um au­to­mó­vel é de­sig­na­do ‘hí­bri­do’ quan­do tem du­as fon­tes de ener­gia dis­tin­tas as­sen­tes em mo­to­ri­za­ções dis­tin­tas, pa­ra per­mi­tir a sua lo­co­mo­ção, ra­zão pe­lo qual os veí­cu­los a GPL não são con­si­de­ra­dos co­mo hí­bri­dos. Co­mo tal, os veí­cu­los hí­bri­dos são aque­les que ten­dem a usar uma mo­to­ri­za­ção de com­bus­tão (di­e­sel ou a ga­so­li­na) ali­a­da a uma mo­to­ri­za­ção eléc­tri­ca, que tan­to po­de ac­tu­ar di­rec­ta­men­te na lo­co­mo­ção do veí­cu­lo co­mo auxiliar o mo­tor de com­bus­tão. Os mo­de­los que uti­li­zam um sis­te­ma hí­bri­do tra­di­ci­o­nal po­dem ser en­con­tra­dos em mar­cas co­mo a Toyo­ta e Le­xus, que têm em to­da a sua ga­ma uma ver­são hí­bri­da, ten­do o mo­tor eléc­tri­co uti­li­za­do a fun­ção de apoi­ar o mo­tor de com­bus­tão nas oca­siões de mai­or es­for­ço (co­mo ar­ran­que e re­cu­pe­ra­ções), bem co­mo per­mi­tir a con­du­ção num mo­do to­tal­men­te eléc­tri­co du­ran­te uma dis­tân­cia re­la­ti­va­men­te cur­ta. Al­gu­mas mar­cas uti­li­zam o mo­tor eléc­tri­co não só pa­ra re­du­zir os con­su­mo e emis­sões, co­mo pa­ra au­men­tar a po­tên­cia com­bi­na­da do con­jun­to, co­mo o su­per­des­por­ti­vo Fer­ra­ri LaFer­ra­ri.

HÍ­BRI­DOS PLUG-IN

Fa­ce aos mo­de­los hí­bri­dos tra­di­ci­o­nais, tal co­mo o no­me in­di­ca, os mo­de­los Hí­bri­dos Plug-In (PHEV) dis­tin­guem-se por per­mi­tir um car­re­ga­men­to da ba­te­ria a par­tir de uma fon­te de ener­gia ex­ter­na (co­mo to­ma­da eléc­tri­ca ou pos­to de car­re­ga­men­to pú­bli­co), ao con­trá­rio dos hí­bri­dos tra­di­ci­o­nais, que re­car­re­gam a ba­te­ria ape­nas pe­la re­ge­ne­ra­ção de ener­gia em des­ci­das, de­sa­ce­le­ra­ções e tra­va­gens. Os mo­de­los PHEV des­ta­cam-se ain­da por usa­rem ba­te­ri­as com uma ca­pa­ci­da­de sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te su­pe­ri­or, que ofe­re­cem uma au­to­no­mia em mo­do to­tal­men­te eléc­tri­co que po­de atin­gir os cin­quen­ta qui­ló­me­tros, ac­ti­van­do um mo­do de lo­co­mo­ção hí­bri­do tra­di­ci­o­nal quan­do a ba­te­ria atin­ge ní­veis de car­ga bai­xos.

MI­CRO-HÍ­BRI­DO

Por cul­pa das ca­da vez mais exi­gen­tes nor­mas de emis­sões, di­ver­sos fa­bri­can­tes es­tão a do­tar os seus mo­de­los tra­di­ci­o­nais de so­lu­ções Mi­cro-Hí­bri­dasz, que in­te­gram uma ba­te­ria de 12V adi­ci­o­na, um pe­que­no mo­tor eléc­tri­co de bai­xa po­tên­cia e um sis­te­ma que per­mi­te

HÍ­BRI­DOS DO PAS­SA­DO

Sa­bia que o pri­mei­ro au­to­mó­vel hí­bri­do do mun­do foi cri­a­do em 1898 por Fer­di­nand Pors­che? O Loh­ner-Pors­che uti­li­za­va um mo­tor e com­bus­tão que ge­ra­va ener­gia pa­ra as ba­te­ri­as de chum­bo que ali­men­ta­vam os dois mo­to­res eléc­tri­cos uti­li­za­dos, ca­da um apli­ca­do nas ro­das di­an­tei­ras di­rec­ci­o­nais. Es­te au­to­mó­vel ti­nha uma au­to­no­mia de 50 qui­ló­me­tros.

agru­par o al­ter­na­dor com o mo­tor de ar­ran­que. Es­te mo­tor, de­vi­do à bai­xa po­tên­cia e à ba­te­ria de bai­xa ca­pa­ci­da­de, per­mi­ti­rá ape­nas ac­tu­ar pe­ran­te o sis­te­ma de Start and Stop, apro­vei­tan­do me­lhor as tra­va­gens e de­sa­ce­le­ra­ções pa­ra car­re­gar a ba­te­ria, au­xi­li­an­do o mo­tor de com­bus­tão du­ran­te os ar­ran­ques e re­cu­pe­ra­ções, re­du­zin­do as­sim de for­ma sig­ni­fi­ca­ti­va os con­su­mos e as emis­sões en­tre os 5 a 10%, fa­ce aos mo­de­los com mo­to­ri­za­ção de com­bus­tão tra­di­ci­o­nal. Um bom exem­plo da im­ple­men­ta­ção des­te sis­te­ma po­de­rá ser vis­to no no­vo Re­nault Grand Scé­nic Hy­brid As­sist, que po­de­rá ver tes­ta­do mais à fren­te nes­ta edi­ção da PCGuia.

MILD HY­BRID

Os mo­de­los Mild Hy­brid (MHEV) uti­li­zam o prin­cí­pio dos sis­te­mas Mi­cro-Hí­bri­dos, co­mo a in­te­gra­ção do al­ter­na­dor com o mo­tor de ar­ran­que, em­bo­ra re­cor­ra a mo­to­res eléc­tri­cos de po­tên­ci­as su­pe­ri­o­res, bem co­mo ba­te­ri­as de mai­or ca­pa­ci­da­de, que uti­li­zam uma ali­men­ta­ção de 48 V, em vez dos tra­di­ci­o­nais 12. Es­te sis­te­ma, que é ali­men­ta­do pe­las de­sa­ce­le­ra­ções e tra­va­gens, per­mi­te auxiliar o mo­tor de com­bus­tão, po­den­do ain­da ac­tu­ar co­mo prin­ci­pal for­ma de lo­co­mo­ção em si­tu­a­ções de ve­lo­ci­da­de cons­tan­te, à se­me­lhan­ça do que já acon­te­ce com os me­ca­nis­mos de de­sac­ti­va­ção de ci­lin­dros. Po­de­rá, as­sim, cir­cu­lar em au­to-es­tra­da com o mo­tor de com­bus­tão des­li­ga­do du­ran­te vá­ri­os se­gun­dos (de­pen­den­do da car­ga da ba­te­ria) a ve­lo­ci­da­des que po­dem che­gar aos 160 km/h. Es­ta so­lu­ção, po­rém, não eli­mi­na o tra­di­ci­o­nal sis­te­ma de ali­men­ta­ção de ele­men­tos a 12 V, que con­ti­nu­a­rá a ser ne­ces­sá­rio pa­ra ali­men­tar os di­ver­sos ele­men­tos exis­ten­tes. Ou se­ja, um veí­cu­lo MHEV pas­sa a dis­por de dois sis­te­mas eléc­tri­cos, o no­vo de 48 V, res­pon­sá­vel ape­nas pe­la ac­tu­a­ção do mo­tor de com­bus­tão, e o sis­te­ma de 12 V pa­ra ali­men­tar sis­te­mas co­mo o de in­fo­en­tre­te­ni­men­to, cli­ma­ti­za­ção, lu­zes e ou­tros, sen­do es­te ali­men­ta­do pe­lo sis­te­ma de 48 V, gra­ças a um con­ver­sor DC/DV in­te­gra­do. Es­ta so­lu­ção per­mi­te uma eco­no­mia nos con­su­mos e emis­sões que po­de che­gar aos 30%, ra­zão pe­lo qual tem vin­do a ser apli­ca­da em mo­de­los to­po de ga­ma co­mo os no­vos Au­di A6, A7, A8 e SQ7, bem co­mo em al­guns Clas­se S da Mer­ce­des-Benz.

EM­BO­RA OS PRI­MEI­ROS AU­TO­MÓ­VEIS FOS­SEM ELÉC­TRI­COS, A ELEC­TRI­FI­CA­ÇÃO SÓ VOL­TOU A SER CON­SI­DE­RA­DA DE­POIS DA CRI­SE DO PE­TRÓ­LEO DOS ANOS 70.

Fi­cha de car­re­ga­men­to das ba­te­ri­as Ba­te­ria de al­ta vol­ta­gem Cai­xa au­to­má­ti­ca de 8 ve­lo­ci­da­des. Mo­tor eléc­tri­co Mo­tor de com­bus­tão Re­gu­la­dor de cor­ren­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.