Con­cei­to Hu­ma­noi­de oi­de Li­xo à por­ta da úl­ti­ma fron­tei­ra da hu­ma­ni­da­de

PC Guia - - NEWS - AN­DRÉ GON­ÇAL­VES con­cept@hu­ma­noid.net

Na Ter­ra, con­ti­nu­a­mos a acre­di­tar ce­ga­men­te no des­car­tá­vel e em ci­clos de vi­da de pro­du­to in­cri­vel­men­te re­du­zi­dos. O ní­vel de re­sí­du­os, não re­ci­cla­dos e de de­gra­da­ção len­ta, pro­du­zi­dos com uma cri­an­ça de dez anos em 2018 é su­pe­ri­or ao de uma vi­da in­tei­ra há cem anos. Ape­nas es­te da­do, con­ju­ga­do com a ex­plo­são de­mo­grá­fi­ca e o in­cre­men­to da es­pe­ran­ça de vi­da glo­bal, se­ria su­fi­ci­en­te pa­ra an­te­ver uma des­gra­ça. As­sim na Ter­ra co­mo no céu, a quan­ti­da­de de de­tri­tos tec­no­ló­gi­cos em ór­bi­ta es­tá pres­tes a en­trar no pon­to de rup­tu­ra. In­fe­liz­men­te, não es­tou a fa­lar ape­nas dos mais de 1800 sa­té­li­tes em fun­ci­o­na­men­to, mas sim dos res­tos de fo­gue­tes e sa­té­li­tes de­sa­ti­va­dos des­car­ta­dos após as su­as mis­sões, pois até os mais bri­lhan­tes ci­en­tis­tas es­pa­ci­ais fo­ram in­ca­pa­zes de fa­zer um per­cur­so sus­ten­tá­vel na sua cor­ri­da ao es­pa­ço. Pa­ra ten­tar con­tro­lar os ris­cos, cri­a­ram di­ver­sas re­des de vi­gi­lân­cia es­pa­ci­al que atu­al­men­te mo­ni­to­ram mais de 21 mil “li­xos” de gran­de di­men­são em ór­bi­ta (al­guns de­les con­ten­do ain­da gran­des quan­ti­da­des de com­bus­tí­veis e me­tais pe­ri­go­sos). Es­tas re­des de vi­gi­lân­cia con­ta­bi­li­zam tam­bém mais de 750 mil ob­jec­tos ar­ti­fi­ci­ais pe­ri­go­sos de me­no­res di­men­sões que gra­vi­tam a Ter­ra des­con­tro­la­da­men­te. O al­vo mais ex­pos­to a es­te pe­ri­go é, se­gu­ra­men­te, a es­ta­ção es­pa­ci­al in­ter­na­ci­o­nal, on­de so­am anu­al­men­te de­ze­nas de aler­tas de co­li­são com li­xo es­pa­ci­al, pon­do em ris­co a vi­da dos seus “ha­bi­tan­tes” e obri­gan­do a inú­me­ras ma­no­bras eva­si­vas por par­te da es­ta­ção. Es­ta si­tu­a­ção agra­va-se de dia pa­ra dia com o lan­ça­men­to dos po­pu­la­res Cu­beSats, pe­que­nos sa­té­li­tes de bai­xo cus­to (leia-se des­car­tá­veis) lan­ça­dos às cen­te­nas por mis­são, “de­mo­cra­ti­zan­do” o aces­so ao es­pa­ço, abrin­do-o a em­pre­sas pri­va­das e gru­pos de in­ves­ti­ga­ção sem que an­tes se­ja fei­ta uma co­or­de­na­ção in­te­gra­da. A ine­xis­tên­cia de um pla­no efi­ci­en­te de sus­ten­ta­bi­li­da­de das mis­sões es­pa­ci­ais fez com que, nes­se as­pec­to, se­ja mais pe­ri­go­so fa­zer uma vi­a­gem tri­pu­la­da à Lua ho­je, que em 1969. Mas não é por fal­ta de avi­so pré­vio, pois es­ta si­tu­a­ção foi pre­vis­ta e ex­pos­ta há qu­a­ren­ta anos com a sín­dro­me de Kes­s­ler. Es­te des­cre­via a ine­vi­ta­bi­li­da­de de co­li­são em ór­bi­ta de dois ob­jec­tos ar­ti­fi­ci­ais de gran­des di­men­sões, de on­de re­sul­ta­ri­am cen­te­nas de de­tri­tos ca­pa­zes de de­sen­ca­de­ar uma re­ac­ção em ca­deia. Por con­sequên­cia, is­to tor­na­ria im­pos­sí­vel to­do o ti­po de mis­sões es­pa­ci­ais e a ma­nu­ten­ção das “cons­te­la­ções” dos mais di­ver­sos ser­vi­ços de sa­té­li­te co­mo os me­te­o­ro­ló­gi­cos, de ge­o­lo­ca­li­za­ção e co­mu­ni­ca­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.