SMARTPHO­NES SÃO FON­TE DE IN­FOR­MA­ÇÃO

PC Guia - - NEWS -

As­tar­tup, que cri­ou um ecos­sis­te­ma li­ga­do à con­du­ção, sur­giu de uma ideia de dois con­sul­to­res li­ga­dos aos sec­to­res fi­nan­cei­ro e se­gu­ra­dor. Se­gun­do Gon­ça­lo Fa­ri­nha (à di­rei­ta), que fun­dou a Drivit com Ca­lor Abreu (à es­quer­da), as se­gu­ra­do­ras «têm de evo­luir na sua ofer­ta». Foi is­to que fez com que os em­pre­en­de­do­res ti­ves­sem vis­to uma opor­tu­ni­da­de de ne­gó­cio cri­an­do uma so­lu­ção pa­ra ob­ter da­dos de con­du­ção que aju­das­sem «a cri­ar um se­gu­ro au­to­mó­vel mais jus­to» em que o pré­mio do se­gu­ro a pa­gar pe­lo con­du­tor «es­ti­ves­se di­rec­ta­men­te re­la­ci­o­na­do com o seu per­fil de con­du­ção e o seu ris­co de ter um aci­den­te». Mas ao de­sen­vol­ve­rem a so­lu­ção vi­ram mais po­ten­ci­a­li­da­des. As­sim, a mis­são da Drivit é apro­xi­mar as pes­so­as dos au­to­mó­veis: «Aju­dar a qu­e­brar a bar­rei­ra en­tre o car­ro e o res­to das nos­sas vi­das», diz o co-fun­da­dor. A ideia é «ofe­re­cer um con­jun­to de fer­ra­men­tas que aju­dem, não só a tor­nar a ex­pe­ri­ên­cia de ter um car­ro mais per­so­na­li­za­da e sim­ples, mas tam­bém a aju­dar a re­du­zir o im­pac­to do car­ro no am­bi­en­te, nos es­pa­ços co­muns em ge­ral, e na me­lho­ra­ria da se­gu­ran­ça ro­do­viá­ria», acres­cen­ta. A so­lu­ção fun­ci­o­na atra­vés de uma apli­ca­ção móvel que re­gis­ta to­das as vi­a­gens efec­tu­a­das, per­mi­te ver quais os con­su­mos do au­to­mó­vel e des­pe­sas com com­bus­tí­vel em ca­da vi­a­gem e ao lon­go do tem­po, ob­ter pa­râ­me­tros do car­ro de acor­do com a con­du­ção e uma pon­tu­a­ção de se­gu­ran­ça. A app exis­te pa­ra An­droid e a ver­são iOS, ago­ra em de­sen­vol­vi­men­to, es­tá pre­vis­ta pa­ra o iní­cio do pró­xi­mo ano. Quan­to à re­co­lha dos da­dos, é fei­ta «usan­do os sen­so­res pre­sen­tes em qual­quer smartphone (ace­le­ró­me­tro, gi­ros­có­pio, mag­ne­tó­me­tro, GPS)» e tam­bém com re­cur­so ao «uso de um adap­ta­dor OBDII, uma pe­que­na pe­ça de hardware que se li­ga à por­ta di­ag­nós­ti­co do car­ro e que per­mi­te ter aces­so ime­di­a­to a in­for­ma­ção di­rec­ta­men­te a par­tir do car­ro». Es­ta úl­ti­ma op­ção, exi­ge que o uti­li­za­dor te­nha um ins­ta­la­do no veí­cu­lo mas a sua uti­li­za­ção não é obri­ga­tó­ria. No en­tan­to, Gon­ça­lo Fa­ri­nha re­ve­la que a star­tup es­tá à pro­cu­ra de no­vas tec­no­lo­gi­as de me­di­ção em tem­po re­al já que «os adap­ta­do­res OBD têm al­guns in­con­ve­ni­en­tes, co­mo o pre­ço, a fi­a­bi­li­da­de e, em al­guns ca­sos, a di­fi­cul­da­de na ins­ta­la­ção».

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.