Bu­si­ness as usu­al

PC Guia - - ON - PE­DRO ANICETO [email protected]

O“ho­mem do le­me” da Apple, Tim Co­ok, ook, deu uma en­tre­vis­ta que foi exi­bi­da es­te fim-de-se­ma­na em que trou­xe a lu­me al­gu­mas das “pre­o­cu­pa­ções” que cau­sam pre­o­cu­pa­ção na in­dús­tria tec­no­ló­gi­ca. Sen­do eu um cép­ti­co quan­to às ma­té­ri­as que cau­sam efec­ti­va “pre­o­cu­pa­ção” à in­dús­tria tec­no­ló­gi­ca no seu ge­ral, fui ven­do com a de­vi­da aten­ção al­guns dos tó­pi­cos que fo­ram abor­da­dos.

Um de­les diz res­pei­to à pri­va­ci­da­de. Qu­em co­nhe­ce as mi­nhas po­si­ções sa­be que du­ran­te mui­tos anos afir­mei pres­cin­dir de al­gu­ma da mi­nha a tro­co de um bem mai­or. Mas na ver­da­de es­se bem mai­or é ca­da vez mais di­mi­nu­to. Diz Co­ok que é uma fal­sa ques­tão que o pro­ble­ma se­ja ob­ser­va­do co­mo “pri­va­ci­da­de ver­sus lu­cro”, que o que a in­dús­tria de fac­to faz é dar aos dis­po­si­ti­vos uma ca­pa­ci­da­de de in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al so­bre o uti­li­za­dor, mas que is­so não quer di­zer que a em­pre­sa lhe te­nha aces­so en­quan­to em­pre­sa. Por mo­men­tos achei que ti­nha vis­to mal… Co­ok quer mes­mo con­ven­cer-me (nos) de que o acer­vo de co­nhe­ci­men­to que tem so­bre o uti­li­za­dor não de­ve ser uti­li­za­do pe­las em­pre­sas? En­tão por que é que es­se mes­mo acer­vo é cons­ti­tuí­do? (nin­guém lhe per­gun­tou, o que em si mes­mo foi uma pe­na…).

Is­to ati­rou ine­vi­ta­vel­men­te a con­ver­sa pa­ra a “bes­ta ne­gra” que há anos tem si­do en­gor­da­da pe­la evo­lu­ção tec­no­ló­gi­ca, a da fu­tu­ra exis­tên­cia de re­gu­la­men­ta­ção. Quan­do ques­ti­o­na­do so­bre se a tec­no­lo­gia em si mes­ma é do la­do do bem ou do la­do do mal, Co­ok dis­se o que Jac­ques de La Pa­li­ce di­ria se fos­se ele o en­tre­vis­ta­do. Que tu­do de­pen­de do uti­li­za­dor, mas que já exis­tem ques­tões que pre­ci­sam de re­gu­la­men­ta­ção. Na es­tei­ra da me­lhor tra­di­ção Apple (It’s bet­ter to be a pi­ra­te than join the navy), Co­ok diz de­fen­der um mer­ca­do li­vre, mas con­cor­da com o fac­to de que es­se mes­mo mer­ca­do li­vre não es­tá a fun­ci­o­nar (a sé­rio, Va­ra­to­jo?), apro­vei­tan­do pa­ra de­fen­der o seu acor­do com a Go­o­gle nos dis­po­si­ti­vos de bus­ca «por­que eles são os me­lho­res». Es­ta de­fe­sa tam­bém me faz sor­rir. O ní­vel de pro­mis­cui­da­de en­tre fa­bri­can­tes de hard­ware, software é tão al­to nes­te mo­men­to que se tor­na di­fí­cil acre­di­tar no que quer que se­ja, no­me­a­da­men­te no ‘com­pli­an­ce’ de fa­bri­can­tes em ter­mos da uti­li­za­ção do que re­co­lhem cons­tan­te­men­te. E não vejo a mas­sa anó­ni­ma a pre­ve­nir-se e a dar ca­da vez me­nos. An­tes pe­lo con­trá­rio. Por­que no fim do dia, é bu­si­ness as usu­al...

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.