“AS­SIS­TIR À MU­DAN­ÇA DO PA­RA­DIG­MA DA CO­MU­NI­CA­ÇÃO É DO­LO­RO­SO MAS FAS­CI­NAN­TE AO MES­MO TEM­PO”

PC Guia - - HIGH-TECH GIRL - Su­sa­na Cha­ves Blog­ger, jor­na­lis­ta, spe­a­ker

DA IM­PREN­SA TRA­DI­CI­O­NAL PA­RA O UNI­VER­SO DI­GI­TAL: CO­MO FOI ES­TA MU­DAN­ÇA?

Foi uma tran­si­ção mui­to na­tu­ral, o di­gi­tal sem­pre me fas­ci­nou des­de que apa­re­ceu a In­ter­net e sem­pre que sa­bia de al­gu­ma no­vi­da­de, me­tia o na­riz em tu­do. Abria – e ain­da abro – con­tas em to­das as re­des no­vas pa­ra ver co­mo fun­ci­o­na, até con­ta no Se­cond Li­fe ti­ve e ain­da “vi­vi” por lá al­gum tem­po [ri­sos]. Quan­do o di­gi­tal e as re­des so­ci­ais co­me­ça­ram a ter mais re­le­vân­cia pa­ra as re­vis­tas e, con­cre­ta­men­te, pa­ra a re­vis­ta on­de tra­ba­lha­va, a Vo­gue, eu já era uma uti­li­za­do­ra ex­pe­ri­en­te: já ti­nha Hi5 em 2007, Fa­ce­bo­ok em 2008, Twit­ter des­de 2009 (o Ba­rack Oba­ma foi um dos meus pri­mei­ros se­gui­do­res e con­ti­nua a se­guir-me!), Ins­ta­gram des­de o pri­mei­ro dia e por aí fo­ra. Cri­ei o blog Be­auty Air­li­nes den­tro do si­te da Vo­gue co­mo la­bo­ra­tó­rio de mais ex­pe­ri­ên­ci­as, em 2011. O “meu es­pa­ço” foi con­quis­ta­do na­tu­ral­men­te, por­que nun­ca foi fei­to com in­ten­ção de “con­quis­tar” na­da, mas ape­nas de per­ce­ber e par­ti­ci­par no fe­nó­me­no. E di­ver­tir-me! Sim, te­nho Mu­si­cal.ly e tam­bém an­dei à pro­cu­ra de Po­ké­mons. Cu­ri­o­sa­men­te, nun­ca jo­guei Farm­vil­le.

CON­TE-NOS MAIS SO­BRE OS SEUS DOIS PRO­JEC­TOS...

O Be­auty Air­li­nes veio co­mi­go de­pois de eu ter saí­do da Vo­gue e é o meu “re­creio”. É on­de tan­to pos­so fa­lar de be­le­za co­mo de aviões (te­nho um fas­cí­nio por avi­a­ção e aviões co­mer­ci­ais, em par­ti­cu­lar), ter um tom sé­rio mas brincar com as pa­la­vras, com as ima­gens. In­for­mar e en­tre­ter, co­me­çan­do por mim. Nes­te mo­men­to, es­tá em mo­do au­to-pi­lot, pois sur­giu a Mi­ran­da na mi­nha vi­da e te­nho de­di­ca­do os úl­ti­mos me­ses à con­so­li­da­ção des­te pro­jec­to tão gi­ro e im­por­tan­te. A Mi­ran­da by SAPO é um por­tal edi­to­ri­al de­di­ca­do ex­clu­si­va­men­te a con­teú­dos de be­le­za, o pri­mei­ro com es­tas ca­rac­te­rís­ti­cas em Por­tu­gal. Há mui­tos - e bons - pro­jec­tos que in­clu­em be­le­za mas es­tão na blo­gos­fe­ra e/ou den­tro dos si­tes de re­vis­tas fe­mi­ni­nas ou de en­tre­te­ni­men­to e não têm o apro­fun­da­men­to que es­te te­ma pe­de, por­que es­tes mei­os têm de co­brir to­da uma ou­tra va­ri­e­da­de de as­sun­tos. A Mi­ran­da de­di­ca-se 100% à be­le­za e cosmética, com uma pi­ta­da de bem-es­tar, nu­tri­ção, an­ti-aging, boa for­ma e ‘Ou­tras Coi­sas’ (é mes­mo o no­me da sec­ção on­de co­bri­mos as­sun­tos que fo­gem ao “tra­di­ci­o­nal”). Já so­mos uma equi­pa fi­xa de três pes­so­as full ti­me e vá­ri­os co­la­bo­ra­do­res. Es­tá a ser um de­sa­fio e uma apren­di­za­gem, in­crí­veis com a tam­bém in­crí­vel “má­qui­na” que é o SAPO, por trás. Por ou­tro la­do, ten­to man­ter ac­ti­vos ou­tros pro­jec­tos, co­mo o Cur­so de Jor­na­lis­mo de Be­le­za que cri­ei em 2017 e a mi­nha par­ti­ci­pa­ção em con­fe­rên­ci­as e pa­les­tras de be­le­za.

CO­MO SE PO­DE FA­LAR DE BE­LE­ZA E SER APE­LA­TI­VA NA ERA DA IN­TER­NET, A COM­PE­TIR NUM UNI­VER­SO GLO­BAL?

Sur­fan­do a on­da com ra­pi­dez, aten­ção, adap­ta­ção e es­tra­té­gia. Não ter me­do de ar­ris­car e apa­nhar on­das gran­des mas tam­bém pe­que­nas! Do­mi­nar as fer­ra­men­tas é es­sen­ci­al: a in­for­ma­ção tem de ser qua­li­ta­ti­va e is­so co­me­ça na pes­qui­sa, nas fon­tes e na for­ma co­mo se tra­ba­lha ou edi­ta to­da a in­for­ma­ção dis­po­ní­vel. Te­nho mui­to a men­ta­li­da­de do ‘na­da é im­pos­sí­vel’, nun­ca par­to do prin­cí­pio que al­go é di­fí­cil ou im­pos­sí­vel de con­cre­ti­zar. E, na mai­o­ria dos ca­sos, é is­so que acon­te­ce, con­se­gui­mos che­gar a um ob­jec­ti­vo se tra­ba­lhar­mos pa­ra is­so e nos fo­car­mos. Ado­ro fu­rar o sis­te­ma e per­ce­ber co­mo se che­ga a uma pes­soa ou in­for­ma­ção re­le­van­te.

CO­MO TEM RE­SUL­TA­DO A EX­PE­RI­ÊN­CIA NO WEB SUM­MIT?

Foi uma ex­pe­ri­ên­cia úni­ca. Te­mos aces­so a to­da a re­de de spe­a­kers con­vi­da­dos e é in­cen­ti­va­do e fa­ci­li­ta­do o networ­king com eles. Pu­de co­nhe­cer e fa­lar com pes­so­as que já ad­mi­ra­va e cu­jo tra­ba­lho se­guia co­mo ou­tras, que es­tão mais nos bas­ti­do­res das em­pre­sas ou mar­cas e que, por ve­zes, são tan­to ou mais re­le­van­tes que os fun­da­do­res ou CEO. Além de to­das as con­fe­rên­ci­as é po­der es­tar nos bas­ti­do­res da gran­de má­qui­na que é o Web Sum­mit e ver de per­to co­mo tra­ba­lham. São ul­tra-pro­fis­si­o­nais e or­ga­ni­za­dos, é in­crí­vel vê-los a tra­ba­lhar, ain­da a me­ses de dis­tân­cia e de­pois no pró­prio even­to. Con­ci­li­ar tan­tas talks em vá­ri­os pal­cos, as­se­gu­ra­rem-se que os spe­a­kers es­tão on­de de­vem es­tar à ho­ra mar­ca­da e ter pa­les­tras a co­me­çar ao mi­nu­to acor­da­do… não é pa­ra to­dos.É uma apren­di­za­gem por con­tac­to e ob­ser­va­ção que me en­si­na e en­ri­que­ce mui­to, tan­to a ní­vel pro­fis­si­o­nal co­mo pes­so­al. Ao lon­go dos anos te­nho vin­do a su­pe­rar as in­se­gu­ran­ças de fa­lar em pú­bli­co e até a co­me­çar a des­fru­tar e di­ver­tir-me en­quan­to o fa­ço. Es­te ano di­ver­ti-me a va­ler, os con­vi­da­dos eram fan­tás­ti­cos e a equi­pa nos bas­ti­do­res era top.

E AGO­RA, QUAIS OS PRÓ­XI­MOS PAS­SOS?

Sou mui­to in­qui­e­ta e cu­ri­o­sa, es­tou sem­pre à pro­cu­ra da in­for­ma­ção mais re­cen­te, ado­ro com­pre­en­der os fe­nó­me­nos so­ci­ais de con­su­mo, quer na ver­ten­te do jor­na­lis­mo de be­le­za quer co­mo “ob­ser­va­do­ra” do mun­do e das pes­so­as. As­sis­tir à mu­dan­ça do pa­ra­dig­ma da co­mu­ni­ca­ção, do print pa­ra o di­gi­tal e ver co­mo uns se adap­tam e ou­tros se afun­dam é, por ve­zes do­lo­ro­so (co­mo o im­pac­to que te­ve e tem na im­pren­sa es­cri­ta tra­di­ci­o­nal) mas fas­ci­nan­te ao mes­mo tem­po e um pri­vi­lé­gio pa­ra a mi­nha ge­ra­ção. So­bre­vi­ve qu­em pro­cu­ra com­pre­en­der e adap­tar-se o mais ra­pi­da­men­te pos­sí­vel nes­ta nos­sa “sel­va” ur­ba­na da co­mu­ni­ca­ção. Não sei quais se­rão os pró­xi­mos pas­sos… de­pois de 24 anos li­ga­da ao print, ado­ro a ideia de es­tar 100% di­gi­tal e de “go with the flow”. Sei que a be­le­za (e os aviões) vão es­tar sem­pre por per­to [ri­sos].

Foi a pri­mei­ra por­tu­gue­sa a ser con­vi­da­da pa­ra ser spe­a­ker e mes­tre-de-ce­ri­mó­ni­as no Web Sum­mit, em 2017, e es­te ano re­pe­tiu a do­se. Su­sa­na Cha­ves é a pro­va de que nem só de có­di­go e big da­ta vi­vem as des­bra­va­do­ras no uni­ver­so das tec­no­lo­gi­as e da In­ter­net.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.