Fo­to­gra­fia noc­tur­na

É nas fo­to­gra­fi­as noc­tur­nas que te­mos as­sis­ti­do à mai­or evo­lu­ção nos sen­so­res de ima­gem. Mas se­rá que o smartphone já tem ca­pa­ci­da­des de ri­va­li­zar com as má­qui­nas tra­di­ci­o­nais?

PC Guia - - CAPA -

Ao con­trá­rio do que fi­ze­mos no pas­sa­do, quan­do com­pa­rá­mos di­fe­ren­tes smartpho­nes, des­ta vez sub­me­te­mos o Huawei Ma­te 20 Pro às mes­mas situações a que, ha­bi­tu­al­men­te, sub­me­te­mos as câ­ma­ras tra­di­ci­o­nais: fotografar sem re­cur­so a tri­pé. Uti­li­zan­do a fa­cha­da prin­ci­pal do Ter­rei­ro do Pa­ço, em Lis­boa, foi pos­sí­vel apro­vei­tar as zo­nas bem ilu­mi­na­das, co­mo a sec­ção su­pe­ri­or do ar­co da Rua Au­gus­ta, bem co­mo as ja­ne­las e os ar­cos dos edi­fí­ci­os e, ao fun­do, as lu­zes de na­tal na pró­pria Rua Au­gus­ta, pa­ra de­ter­mi­nar as ca­pa­ci­da­des de cap­ta­ção de ima­gem de ca­da sen­sor em situações com lu­mi­no­si­da­de li­mi­ta­da. Pa­ra tal, usá­mos os mo­dos de cap­ta­ção de ima­gem de for­ma to­tal­men­te au­to­má­ti­ca, dei­xan­do a aber­tu­ra do di­a­frag­ma da ob­jec­ti­va no seu va­lor má­xi­mo. Tam­bém dei­xá­mos a ISO to­tal­men­te em au­to­má­ti­co e des­li­gá­mos os sis­te­mas de re­du­ção de ruí­do, pa­ra deixar apa­re­cer aque­le efei­to de grão, em vez dos vul­ga­res “bor­rões”, fru­to tam­bém da com­pres­são de ima­gem pa­ra JPEG.

MO­DOS NOCTURNOS

Uma das mai­o­res ino­va­ções da Huawei, lan­ça­da com o P20 Pro e li­gei­ra­men­te me­lho­ra­da com o Ma­te 20 Pro, foi a cri­a­ção de um modo noc­tur­no de­di­ca­do, à se­me­lhan­ça do que já acon­te­cia com vá­ri­as câ­ma­ras fotográfic­a de­di­ca­das. Po­rém, a Huawei sou­be ti­rar par­ti­do do mó­du­lo de in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al do pro­ces­sa­dor (NPU) pa­ra uma edi­ção em tem­po re­al, que con­sis­te na cap­ta­ção de vá­ri­as fo­to­gra­fi­as com ex­po­si­ções dis­tin­tas, pos­te­ri­or­men­te com­bi­na­das pa­ra cri­ar uma ima­gem fi­nal li­vre de ruí­do. In­fe­liz­men­te, nem sem­pre o re­sul­ta­do foi o me­lhor, já que, em al­guns ca­sos, vi­mos sur­gir um efei­to es­tra­nho, co­mo se se tra­tas­se de uma ima­gem HDR com ní­veis de sa­tu­ra­ção exa­ge­ra­do, on­de par­te dos de­ta­lhes da ima­gem aca­bam por se per­der. Em­bo­ra lon­ge de ideal, es­ta não dei­xa de ser a me­lhor so­lu­ção que en­con­tra­rá num smartphone, per­fei­ta­men­te utilizável pa­ra situações sim­ples, co­mo a par­ti­lha nas re­des so­ci­ais.

Já no ca­so das má­qui­nas fo­to­grá­fi­cas, tan­to a Ca­non EOS 6D Mark II, co­mo a Sony RX100 VI e a A7 III, per­mi­tem a uti­li­za­ção de di­fe­ren­tes mo­dos nocturnos. Em to­das exis­te o tra­di­ci­o­nal modo que im­pli­ca a uti­li­za­ção de tri­pé pa­ra a cap­ta­ção de uma ima­gem com lon­ga ex­po­si­ção, um modo de re­tra­to noc­tur­no (que usa um flash pa­ra ilu­mi­nar o mo­ti­vo em pri­mei­ro pla­no e uma lon­ga ex­po­si­ção pa­ra cap­tar o fun­do) e, no ca­so da Ca­non EOS, um modo noc­tur­no portátil que uti­li­za a com­bi­na­ção de qua­tro dis­pa­ros con­se­cu­ti­vos, o que dis­pen­sa o uso de um tri­pé.

RE­SUL­TA­DOS

Nos res­pec­ti­vos ecrãs, to­das as fo­to­gra­fi­as pa­re­cem ter boa qua­li­da­de, mas só quan­do as abri­mos em RAW, no computador, ve­ri­fi­cá­mos as li­mi­ta­ções de ca­da sen­sor. A Sony A7 III foi a que mais se des­ta­cou, ao cap­tar uma ima­gem de ele­va­da qua­li­da­de, com a ex­po­si­ção e equi­lí­brio de bran­cos per­fei­tos, mui­to de­ta­lhe e pou­co ruí­do, gra­ças ao uso de um va­lor ISO re­la­ti­va­men­te bai­xo, de ape­nas 1000, tal é o ní­vel de luz cap­ta­do pe­lo mai­or sen­sor des­te comparativ­o. Na Ca­non EOS 6D Mark II, a fo­to­gra­fia re­ve­lou nu­ma ex­po­si­ção exa­ge­ra­da, em­bo­ra com um bom equi­lí­brio de bran­cos e mui­to pou­co ruí­do, em­bo­ra te­nha usa­do um va­lor ISO bas­tan­te ele­va­do (3200), fru­to tam­bém da gran­de di­men­são e efi­cá­cia do sen­sor Full-Fra­me. Fe­liz­men­te, por a fo­to ter si­do cap­ta­da em RAW, foi pos­sí­vel re­cu­pe­rar to­do o de­ta­lhe da ima­gem: bas­tou ajus­tar o ní­vel de re­al­ces no Ado­be Ligh­tro­om, fi­can­do qua­se ao ní­vel da Sony A7 III. Já a Cy­ber-Shot RX100 VI re­ve­lou ní­veis de ex­po­si­ção e equi­lí­brio de bran­cos equi­va­len­tes aos da A7 III mas, em­bo­ra te­nha uti­li­za­do um va­lor ISO in­fe­ri­or (800), o sen­sor de uma po­le­ga­da aca­bou por ge­rar al­gum ruí­do nas zo­nas com pi­or ilu­mi­na­ção, em­bo­ra chei­os de de­ta­lhe. Es­te re­sul­ta­do só foi pos­sí­vel por es­tar­mos a cap­tar em RAW, já que em for­ma­to JPG a com­pres­são de ima­gem JPEG e o sis­te­ma de re­du­ção de ruí­do ar­rui­na­ria es­ses de­ta­lhes to­dos. Por fim, com o Huawei Ma­te 20 Pro, em­bo­ra a re­so­lu­ção se­ja a mai­or do teste, a di­men­são do sen­sor aca­bou por li­mi­tar a cap­ta­ção de luz, ra­zão pe­la qual es­te smartphone foi o que ob­te­ve a pi­or ima­gem em ter­mos de qua­li­da­de, de­ta­lhe e equi­lí­brio de bran­cos (tem­pe­ra­tu­ra demasiado fria). Mesmo usan­do um va­lor ISO re­la­ti­va­men­te bai­xo (561), as zo­nas mal ilu­mi­na­das apre­sen­ta­ram bas­tan­te ruí­do, mas ajus­tan­do li­gei­ra­men­te o equi­lí­brio de bran­cos e re­di­men­si­o­nan­do a ima­gem pa­ra uma re­so­lu­ção mais bai­xa, a ima­gem aca­bou por se re­ve­lar utilizável, até pa­ra im­pres­são. O re­sul­ta­do foi me­lhor que o da ima­gem ob­ti­da usan­do o modo noc­tur­no, que em­bo­ra te­nha mai­or ni­ti­dez, exa­ge­rou na ex­po­si­ção e sa­tu­ra­ção, em­bo­ra não te­nha o efei­to de ‘wow’ de­se­ja­do pa­ra as re­des so­ci­ais.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.