O artigo 13 da ‘Di­rec­ti­va so­bre di­rei­tos de au­tor no Mer­ca­do Úni­co Di­gi­tal’ tem cau­sa­do gran­de po­lé­mi­ca. Se­rá o fim da Internet co­mo a co­nhe­ce­mos?

A União Eu­ro­peia quer pôr or­dem na for­ma co­mo os di­rei­tos de au­tor são ge­ri­dos no es­pa­ço di­gi­tal. Al­guns di­zem que é o fim do es­pí­ri­to que le­vou à cri­a­ção da Internet e da li­ber­da­de de ex­pres­são. Ou­tros di­zem que é uma sis­te­ma que vai tra­zer mais jus­ti­ça

PC Guia - - ÍNDICE - POR PEDRO TRÓIA

Os di­rei­tos de au­tor no mun­do di­gi­tal são co­mo o fu­te­bol ou a po­lí­ti­ca: to­da a gen­te tem uma opi­nião e al­gu­ma ra­zão nos ar­gu­men­tos que ex­põe, quer es­te­ja do la­do que os de­fen­dem com unhas e den­tes, quer do la­do que ad­vo­ga re­gras mais li­vres. Por is­so, co­mo se con­se­gue per­ce­ber, nun­ca irá ha­ver um con­sen­so so­bre co­mo re­sol­ver o pro­ble­ma de se con­se­guir com­pen­sar jus­ta­men­te os au­to­res e ao mesmo tem­po ga­ran­tir que os seus tra­ba­lhos pos­sam ser uti­li­za­dos pa­ra ou­tros fins pe­lo pú­bli­co. A União Eu­ro­peia quis aju­dar com uma di­rec­ti­va apro­va­da em 2001, que im­pu­nha re­gras de uti­li­za­ção, re­pro­du­ção e com­pen­sa­ção dos au­to­res pe­la uti­li­za­ção das su­as obras nos mei­os di­gi­tais. Mas o avan­ço alu­ci­nan­te da tec­no­lo­gia, e o apa­re­ci­men­to de ser­vi­ços co­mo as re­des so­ci­ais, pla­ta­for­mas de cri­a­ção e re­pro­du­ção de ví­deo e áu­dio, tor­na­ram a di­rec­ti­va de 2001 ob­so­le­ta. Por is­so, o Parlamento Eu­ro­peu de­ci­diu re­for­mar as re­gras de 2001 e as­sim nas­ceu a ‘Di­rec­ti­va So­bre Di­rei­tos de Au­tor no Mer­ca­do Úni­co Di­gi­tal’. Des­de o iní­cio da dis­cus­são que al­guns ar­ti­gos da no­va di­rec­ti­va cau­sa­ram al­gu­ma apre­en­são nos de­fen­so­res de re­gras me­nos res­tri­ti­vas pa­ra os di­rei­tos de au­tor. Os ca­sos que mais po­lé­mi­ca cau­sa­ram fo­ram os re­la­ci­o­na­dos com os Ar­ti­gos 11 e 13.

ARTIGO 11

Es­te artigo fi­cou lo­go co­nhe­ci­do co­mo a ‘ta­xa do link’ e obri­ga as agên­ci­as de clip­ping e os agre­ga­do­res de no­tí­ci­as, co­mo o Go­o­gle News, a pa­gar aos edi­to­res pe­la re­pro­du­ção de links ou no­tí­ci­as pu­bli­ca­das em pa­pel ou nos si­tes. Es­te sis­te­ma já foi tes­ta­do na Es­pa­nha e Ale­ma­nha (re­sul­tan­do na saí­da do Go­o­gle News de Es­pa­nha) e, se­gun­do a Comissão Eu­ro­peia, te­ve bons re­sul­ta­dos: hou­ve um au­men­to de trá­fe­go pa­ra os si­tes das pu­bli­ca­ções. No en­tan­to há si­nais de que, pe­lo me­nos em Es­pa­nha, os pe­que­nos edi­to­res so­fre­ram uma que­bra sig­ni­fi­ca­ti­va de trá­fe­go pa­ra os seus si­tes, por­que o Go­o­gle op­tou por des­con­ti­nu­ar o ser­vi­ço em vez de pa­gar pe­los links. No ca­so ale­mão foi da­da aos edi­to­res a op­ção de per­ma­ne­ce­rem ou saí­rem do Go­o­gle News. Mui­tos saí­ram e vol­ta­ram em fa­ce das que­bras de trá­fe­go, mesmo sem re­ce­ber na­da pe­la re­pro­du­ção dos links.

ARTIGO 13

O artigo 13 mu­da uma dis­po­si­ção da di­rec­ti­va an­te­ri­or de 2001, que in­di­ca­va que a res­pon­sa­bi­li­da­de pe­los con­teú­dos pu­bli­ca­dos sem autorização dos au­to­res

pas­sa dos uti­li­za­do­res pa­ra as pla­ta­for­mas. Por sua vez, as pla­ta­for­mas, co­mo o YouTube, Fa­ce­bo­ok e ou­tras quais­quer, que per­mi­tam o car­re­ga­men­to de con­teú­dos pe­lo uti­li­za­dor sob qual­quer for­ma, vão ter de im­ple­men­tar me­ca­nis­mos que con­si­gam de­tec­tar se os con­teú­dos es­tão, ou não, abran­gi­dos por di­rei­tos de au­tor e, ca­so is­to acon­te­ça, que os blo­quei­em au­to­ma­ti­ca­men­te. Há mui­to que o YouTube já tem um sis­te­ma se­me­lhan­te, cha­ma­do ‘Con­tent ID’, em que a em­pre­sa já gas­tou mais de de­zas­seis mi­lhões de dó­la­res, e ser­ve pa­ra tentar de­tec­tar se um ví­deo car­re­ga­do pa­ra o sis­te­ma es­tá abran­gi­do por di­rei­tos de au­tor e, se es­ti­ver, blo­queia-o ou im­pe­de que o uti­li­za­dor que o car­re­gou ga­nhe di­nhei­ro com pu­bli­ci­da­de. Os crí­ti­cos des­tes fil­tros têm um gran­de ar­gu­men­to: ne­nhum sis­te­ma ac­tu­al, nem a mé­dio pra­zo, con­se­gue dis­tin­guir en­tre con­teú­dos que de­vem ser pro­te­gi­dos dos que não de­vem, nem tão pou­co se es­tão den­tro das ex­cep­ções à Lei. Um exem­plo das di­fi­cul­da­des que es­tes sis­te­mas de fil­tra­gem têm são os fal­sos-po­si­ti­vos, que têm si­do no­tí­cia ao lon­go dos anos: ví­de­os de pás­sa­ros a can­tar con­fun­di­dos com obras com copy­right e até si­lên­cio que foi re­mo­vi­do do YouTube por in­frin­gir o copy­right de um tema “mu­si­cal” com­pos­to por... si­lên­cio. Tu­do is­to foi dis­cu­ti­do du­ran­te me­ses pe­los de­pu­ta­dos eu­ro­peus e apro­va­do sem que o pú­bli­co se aper­ce­bes­se, mesmo com as cam­pa­nhas pro­mo­vi­das pe­las vá­ri­as or­ga­ni­za­ções que a ní­vel eu­ro­peu e na­ci­o­nal es­tão con­tra es­tas pro­pos­tas. Foi pre­ci­so que, no fi­nal de Novembro, o YouTube ti­ves­se en­vi­a­do uma co­mu­ni­ca­ção aos prin­ci­pais you­tu­bers e vlo­gers eu­ro­peus, in­cluin­do os na­ci­o­nais, pa­ra que fi­zes­sem ví­deo de pro­tes­to con­tra a im­po­si­ção des­tes fil­tros, com o ob­jec­ti­vo de que o as­sun­to fos­se no­ti­ci­a­do nos mei­os de co­mu­ni­ca­ção tra­di­ci­o­nais. De­vi­do às re­ac­ções do pú­bli­co aos ví­de­os, a re­pre­sen­ta­ção da União Eu­ro­peia em Portugal pu­bli­cou, di­as de­pois, um artigo no Fa­ce­bo­ok a re­ba­ter as ale­ga­ções dos you­tu­bers, que só ser­viu pa­ra ati­çar ain­da mais a des­con­fi­an­ça do pú­bli­co.

O QUE VAI ACON­TE­CER AGO­RA?

De­pois da apro­va­ção em Se­tem­bro, as dis­po­si­ções da di­rec­ti­va se­rão dis­cu­ti­das en­tre os vá­ri­os Es­ta­dos-Mem­bros, com a Comissão Eu­ro­peia a ser­vir de ár­bi­tro, pa­ra in­tro­du­zir al­te­ra­ções e su­a­vi­zá-las (ou não). En­tre Fe­ve­rei­ro e Mar­ço de 2019 a pro­pos­ta fi­nal se­rá vo­ta­da no ple­ná­rio do Parlamento Eu­ro­peu. De­pois, pa­ra ter for­ça de Lei, te­rá de ser trans­pos­ta pa­ra ca­da Es­ta­do-Mem­bro.

O QUE DIZ GO­O­GLE? «AU­TO­RES E CRI­A­DO­RES DE VÍ­DEO DO YOUTUBE DE­VEM TRA­BA­LHAR EM CON­JUN­TO»

A Go­o­gle é, na­tu­ral­men­te, par­te in­te­res­sa­da em to­dos es­te pro­ces­so, por­que de­tém a mai­or pla­ta­for­ma de ví­deo da Internet e tam­bém por­que se­rá a en­ti­da­de mais afec­ta­da pe­las dis­po­si­ções do artigo 11. Em res­pos­ta a al­gu­mas ques­tões que fi­zé­mos à em­pre­sa de Moun­tain Vi­ew, a Go­o­gle afir­ma que «não es­tá es­sen­ci­al­men­te con­tra» o Artigo 13 da no­va di­rec­ti­va, mas «re­ceia que uma apli­ca­ção mui­to res­tri­ti­va des­tas dis­po­si­ções te­nha um efei­to mais ne­fas­to que be­né­fi­co» pa­ra os cri­a­do­res de con­teú­do. Se­gun­do a Go­o­gle, nos úl­ti­mos do­ze me­ses, fo­ram pa­gos «800 mi­lhões de eu­ros aos do­nos de con­teú­dos» só na UE. Tam­bém no úl­ti­mo ano, a em­pre­sa trans­fe­riu 1,5 mil mi­lhões de eu­ros pa­ra o pa­ga­men­to de re­cei­tas pu­bli­ci­tá­ri­as re­la­ci­o­na­das com ví­de­os mu­si­cais. A Go­o­o­gle tam­bém de­fen­de a efi­cá­cia do seu fil­tro Con­tent ID, vis­to que «mais de 98%» da ges­tão de di­rei­tos de au­tor no YouTube é fei­ta atra­vés des­te sis­te­ma, con­tra «2% de quei­xas di­rec­tas» que le­va­ram à re­mo­ção ma­nu­al de con­teú­dos que não cum­prem os di­rei­tos de au­tor. No en­tan­to, a em­pre­sa com­pro­me­te-se a «me­lho­rar es­te sis­te­ma» e dar «mais fer­ra­men­tas» aos de­ten­to­res de di­rei­tos de au­tor pa­ra que te­nham mais con­tro­lo. Na de­cla­ra­ção que a em­pre­sa en­vi­ou pa­ra a PCGuia, é ain­da su­ge­ri­do que os «au­to­res tra­ba­lhem em con­jun­to com a Go­o­gle pa­ra que con­si­gam atin­gir os ob­jec­ti­vos pro­pos­tos com o Artigo 13», mas tam­bém avi­sa que uma «im­ple­men­ta­ção er­ra­da», leia-se mais res­tri­ti­va, po­de fa­zer com que «os con­su­mi­do­res eu­ro­peus per­cam o aces­so aos con­teú­dos que mais gos­tam e que­rem ver». Is­to por­que, se­gun­do a Go­o­gle, na sua ver­são ac­tu­al, o Artigo 13 não é realista e dá um exem­plo: «Se os pró­pri­os pro­pri­e­tá­ri­os não se en­ten­dem, é im­pos­sí­vel es­pe­rar que as pla­ta­for­mas que al­ber­gam es­se con­teú­do to­mem as de­ci­sões cor­rec­tas so­bre os di­rei­tos. Um só ví­deo po­de con­ter vá­ri­os di­rei­tos de au­tor, des­de gra­va­ção de som até aos di­rei­tos de pu­bli­ca­ção. Ape­sar de o YouTube ter acor­dos com vá­ri­as en­ti­da­des pa­ra li­cen­ci­ar e pa­gar pe­la uti­li­za­ção de ví­deo, al­guns dos de­ten­to­res de di­rei­tos de au­tor po­dem per­ma­ne­cer des­co­nhe­ci­dos». Es­ta con­fu­são po­de que­rer dizer que a pla­ta­for­ma irá blo­que­ar ví­deo pa­ra não ser en­vol­vi­da em dis­pu­tas le­gais no âm­bi­to do Artigo 13: «Nu­ma es­ca­la co­mo a do YouTube, on­de mais de 400 ho­ras de ví­deo são car­re­ga­das a ca­da mi­nu­to, as po­ten­ci­ais res­pon­sa­bi­li­da­des po­de­ri­am ser tão gran­des que ne­nhu­ma em­pre­sa po­de­ria acei­tar es­te ris­co fi­nan­cei­ro», con­clui a Go­o­gle.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.