Bat­tle­fi­eld V Far­ming Si­mu­la­tor 19

Es­te no­vo Bat­tle­fi­eld vol­ta à Se­gun­da Guer­ra Mun­di­al. O cír­cu­lo fe­chou-se.

PC Guia - - ÍNDICE - P. Tróia

OBat­tle­fi­eld ori­gi­nal foi lan­ça­do há de­zas­seis anos. Até aqui, a sé­rie já pas­sou por gran­de par­te dos ce­ná­ri­os bé­li­cos que exis­ti­ram, des­de a Se­gun­da Guer­ra Mun­di­al até à Guer­ra do Vi­et­na­me – a edi­ção des­te ano fe­cha o cír­cu­lo e es­tá de vol­ta à Se­gun­da Guer­ra Mun­di­al. Bat­tle­fi­eld sem­pre co­lo­cou o jo­ga­dor no meio de cam­pos de ba­ta­lha imen­sos chei­os de ac­ção rá­pi­da e mor­tal. Des­de o úl­ti­mo episódio, Bat­tle­fi­eld 1, que as ba­ta­lhas se tor­na­ram mais des­tru­ti­vas com a ca­pa­ci­da­de de ar­ra­sar com pré­di­os e al­te­rar o terreno de jo­go com ata­ques de­vas­ta­do­res de ar­ti­lha­ria ou avi­a­ção. Bat­tle­fi­eld V pe­ga nes­sa mu­dan­ça e le­va-a um pou­co mais além.

RES­PEI­TO PE­LA HIS­TÓ­RIA

Bat­tle­fi­eld V tem um modo de jo­go cha­ma­do War Sto­ri­es que mos­tra epi­só­di­os de guer­ra es­pa­lha­dos pe­los vá­ri­os te­a­tros de ope­ra­ções da Se­gun­da Guer­ra. Ca­da um tem a in­ten­ção de mos­trar ao jo­ga­dor co­mo é que a ac­ção se de­sen­ro­lou. Po­de pas­sar pe­lo Nor­te de Áfri­ca, com as cam­pa­nhas de guer­ri­lha le­va­das a ca­bo pe­los in­gle­ses con­tra o Afri­ka Korps ale­mão e tam­bém al­gu­mas fa­ça­nhas que tor­na­ram len­dá­ria a Le­gião Es­tran­gei­ra fran­ce­sa. Tam­bém há mis­sões mais fur­ti­vas, com uma sni­per no­ru­e­guês. Aci­ma de tu­do, Bat­tle­fi­eld V tra­ta as his­tó­ri­as com al­gum res­pei­to: não é só co­me­çar aos ti­ros e pron­to. Há con­tex­to e con­sequên­ci­as, o que, por ve­zes, po­de ti­rar o gla­mour que a guer­ra pos­sa ter aos olhos de al­gu­mas pes­so­as. Mas tam­bém há al­guns pro­ble­mas, co­mo por exem­plo na cam­pa­nha no­ru­e­gue­sa, em que as par­tes fur­ti­vas não fun­ci­o­nam tão bem co­mo nou­tros tí­tu­los, prin­ci­pal­men­te pe­la fal­ta de equi­lí­brio de for­ças. O se­gun­do modo de jo­go de Bat­tle­fi­eld V é o já tra­di­ci- onal mul­ti­player, que per­mi­te que 32 jo­ga­do­res com­ba­tam en­tre si em oi­to ma­pas di­fe­ren­tes on­de te­mos de con­tro­lar vá­ri­os pontos es­tra­té­gi­cos pa­ra ga­nhar a par­ti­da. Aqui va­le tu­do, des­de com­ba­tes en­car­ni­ça­dos em ter­ra e dog­fights rá­pi­das, e vi­o­len­tas, no ar. No modo mul­ti­jo­ga­dor tu­do se pas­sa mais de­pres­sa que no episódio an­te­ri­or, o que per­mi­te aos jo­ga­do­res se­rem mais ágeis e mor­tí­fe­ros no cam­po de ba­ta­lha. Sal­tar por ci­ma de sa­cos de areia es­tá mais rápido que nun­ca e ago­ra já po­de­mos dis­pa­rar quan­do es­ta­mos dei­ta­dos de cos­tas. O jo­go tam­bém es­tá bas­tan­te mais rápido quan­do se faz mi­ra, em re­la­ção a Bat­tle­fi­eld 1. Is­to per­mi­te que se con­si­gam des­pa­char mais ini­mi­gos de ca­da vez. Es­tas no­vi­da­des po­dem não agra­dar aos ve­te­ra­nos de Bat­tle­fi­eld, mas pen­so que se­ja mais uma ques­tão de há­bi­to que ou­tra coi­sa. Con­ti­nu­am a exis­tir as vá­ri­as clas­ses de jo­ga­do­res, co­mo as tro­pas de as­sal­to ou os mé­di­cos, mas to­dos fo­ram re­de­se­nha­dos pa­ra re­al­çar o va­lor re­la­ti­vo en­tre si. Por exem­plo, se não ti­ver um ele­men­to de apoio, vai ha­ver me­nos mu­ni­ções pa­ra si e pa­ra a sua equi­pa. Ca­da jo­ga­dor tam­bém só po­de trans­por­tar um úni­co kit de saú­de, o que tor­na im­pres­cin­dí­vel a exis­tên­cia de um mé­di­co pa­ra os dis­tri­buir pe­la equi­pa. Tu­do is­to funciona bem, mas o sis­te­ma de pro­gres­são e des­blo­queio de no­vas fun­ções é um pou­co con­fu­so e de­via ter si­do mais sim­pli­fi­ca­do. Bat­tle­fi­eld V é um gos­to pa­ra os olhos e pa­ra os ou­vi­dos, tan­to a ne­ve da No­ru­e­ga co­mo a areia do de­ser­to da Lí­bia es­tão mui­tís­si­mo bem con­se­gui­dos e a for­ma co­mo a Di­ce tra­ba­lhou as mu­dan­ças de luz e as som­bras es­tá qua­se per­fei­ta. No ca­so do som, ca­da sol­da­do fa­la na lín­gua que é su­pos­to fa­lar e res­to do áu­di­o­es­tá mui­to bem con­se­gui­do, dos ti­ros às ex­plo­sões, pas­san­do pe­lo som dos pas­sos nos vá­ri­os am­bi­en­tes em que a ac­ção se de­sen­ro­la.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.