«O no­vo Artigo 13 é mais fle­xí­vel»

Pa­ra tentar en­con­trar uma ex­pli­ca­ção pa­ra as vá­ri­as dú­vi­das so­bre es­te tema, con­tac­tá­mos Ma­nu­el Lo­pes Ro­cha, co­or­de­na­dor da equi­pa de pro­pri­e­da­de in­te­lec­tu­al do es­cri­tó­rio de ad­vo­ga­dos PLMJ.

PC Guia - - EXTRA -

O que é o Artigo 13 da no­va di­rec­ti­va eu­ro­peia de re­for­ma de di­rei­tos de au­tor?

É um artigo in­se­ri­do nu­ma pro­pos­ta de di­rec­ti­va so­bre di­rei­tos de au­tor no mer­ca­do úni­co di­gi­tal, par­te de um pa­co­te mais vas­to de cri­a­ção de um mer­ca­do úni­co di­gi­tal. Pre­ten­de ser uma nor­ma que re­e­qui­li­bre os di­rei­tos dos au­to­res num ci­be­res­pa­ço do­mi­na­do por in­ter­me­diá­ri­os gran­des pe­que­nos, al­go que é um “cor­po es­tra­nho” no ve­lho mun­do do Di­rei­to de Au­tor.

Quais são as ex­cep­ções ao Artigo 13?

O Artigo 13 não tem, pro­pri­a­men­te, ex­cep­ções. Es­tas es­tão nu­ma di­rec­ti­va an­te­ri­or, de 2001, a de­no­mi­na­da ‘di­rec­ti­va di­rei­to de au­tor na so­ci­e­da­de de in­for­ma­ção’. O que os­ten­ta o no­vo Artigo 13, tal co­mo saiu da vo­ta­ção do Parlamento Eu­ro­peu, em Se­tem­bro, é uma cer­ta mi­ti­ga­ção da du­re­za ini­ci­al des­te artigo, pre­co­ni­zan­do uma mai­or fle­xi­bi­li­da­de.

O que quer dizer is­to dizer pa­ra os cri­a­do­res de con­teú­dos?

Quer is­to dizer uma cer­ta ga­ran­tia de re­mu­ne­ra­ção dos di­rei­tos dos cri­a­do­res, num am­bi­en­te to­tal­men­te no­vo em que os an­ti­gos gran­des players de­sa­pa­re­ce­ram e apa­re­ce­ram ou­tros des­co­nhe­ci­dos, ou qua­se, há vin­te anos.

Mesmo que os ví­de­os a car­re­gar pa­ra as pla­ta­for­mas di­gi­tais não es­te­jam mo­ne­ti­za­dos, po­dem con­ti­nu­ar a ser carregados?

Qual­quer ví­deo car­re­ga­do em pla­ta­for­mas de­ve ob­ser­var a Lei em vi­gor, não só qu­an­to aos di­rei­tos de au­tor, mas tam­bém mui­tos ou­tros, co­mo o di­re­to à ima­gem, por exem­plo.

Po­de ha­ver o ca­so on­de to­do um ví­deo com sons e mú­si­ca cri­a­dos pe­lo uti­li­za­dor é blo­que­a­do por de­fei­to, por sus­pei­ta de uti­li­za­ção de con­teú­do de ter­cei­ros? Ou se­ja, o uti­li­za­dor tem de pro­var que tu­do é seu pa­ra que o ví­deo se­ja acei­te pe­la pla­ta­for­ma?

As al­te­ra­ções vo­ta­das em se­tem­bro, pe­lo Parlamento Eu­ro­peu, de­sin­cen­ti­vam a apli­ca­ção de me­ca­nis­mos au­to­má­ti­cos de controle e ape­lam à ce­le­bra­ção de acor­dos com os ti­tu­la­res dos di­rei­tos. Ago­ra, se­ja on­li­ne, se­ja of­fli­ne, o au­tor que use ou­tras obras tem de de­mons­trar que es­tá au­to­ri­za­do, pa­ra o efei­to, pe­lo au­tor ini­ci­al.

A pre­sun­ção de ino­cên­cia (tu­do é ori­gi­nal ou per­mi­ti­do por ter­cei­ros, ou se­ja, os de­ten­to­res dos di­rei­tos) aca­ba e pas­sa a ha­ver sem­pre a pre­sun­ção de cul­pa (de que po­de ha­ver sem­pre con­teú­do ile­gí­ti­mo no ví­deo)?

De modo al­gum. Não há, nem po­de ha­ver, es­se fil­tro, a di­rec­ti­va alu­de a stan­dards co­mo me­di­das ade­qua­das e pro­por­ci­o­na­das e a ins­ta­la­ção de rá­pi­dos me­ca­nis­mos de re­cur­so que im­pe­çam fil­tra­gens ar­bi­trá­ri­as.

Su­pon­do que al­guém ti­ra uma fo­to às tor­res das Amo­rei­ras, ou a uma obra de ar­te num mu­seu: as pla­ta­for­mas di­gi­tais po­dem im­pe­dir o seu car­re­ga­men­to ou eli­mi­ná-las?

Tu­do de­pen­de do ca­so con­cre­to. As Amo­rei­ras não são pro­te­gi­das por qual­quer di­rei­to de ima­gem, não há di­rei­tos de ima­gem so­bre bens, as obras de ar­te dos mu­seus, se já caí­ram no do­mí­nio pú­bli­co, são de uti­li­za­ção li­vre. E po­dem ser uti­li­za­das obras de ar­te em mui­tos con­tex­tos. Mas o Tri­bu­nal de Jus­ti­ça da União Eu­ro­peia aca­ba de de­ci­dir que tal não po­de ser fei­tio con­tra a von­ta­de do au­tor, nu­ma fo­to­gra­fia, cu­jos di­rei­tos es­te­jam ac­ti­vos. Ou­tra coi­sa, bem di­fe­ren­te, é uma uti­li­za­ção co­mer­ci­al sem autorizaçã­o do au­tor. Eu pos­so ti­rar as fo­tos que qui­ser ao D. Se­bas­tião, do Jo­sé Cu­ti­lei­ro, em La­gos. Ago­ra, se fi­zer pos­tais e lu­crar com is­so, o au­tor tem de au­to­ri­zar e ser re­mu­ne­ra­do, co­mo é ób­vio. E por que não de­ve­ria ser?

É ver­da­de que se eu, por exem­plo, ti­rar uma fo­to­gra­fia a um au­to­mó­vel da Ci­tro­en ou a uma gar­ra­fa de Sa­gres, e pu­bli­cá-la no Fa­ce­bo­ok ou Ins­ta­gram, pos­so ter pro­ble­mas com as mar­cas por uso in­de­vi­do da ima­gem? E as pla­ta­for­mas po­dem blo­que­ar a ima­gem por in­frac­ção de quais­quer ti­pos de di­rei­tos?

Tu­do de­pen­de. As mar­cas va­lem, so­bre­tu­do, pa­ra o ser­vi­ço e bens em que são apos­tas. As mar­cas de gran­de pres­tí­gio é que têm um “ap­pe­al” e um tra­ta­men­to di­fe­ren­te na Lei. Se as fo­tos fo­rem in­ci­den­tais, e se não es­ti­ve­rem as­so­ci­a­das a

qual­quer ti­po de pro­mo­ção ou pu­bli­ci­da­de não au­to­ri­za­das, não ha­ve­rá pro­ble­ma. As mar­cas fa­zem par­ta da pai­sa­gem, não há que fu­gir dis­so. Ago­ra, se as mar­cas fo­rem usa­das pa­ra cau­sar con­fu­são nos con­su­mi­do­res le­van­do a crer que a Ni­ke, ou a Adi­das, por exem­plo, pa­tro­ci­na ou es­tá as­so­ci­a­das a uma de­ter­mi­na­da uti­li­za­ção, tal é proi­bi­do, cla­ro. A pro­te­ção do Di­rei­to de Au­tor e das Mar­cas tem mui­tas se­me­lhan­ças, mas nem sem­pre é coin­ci­den­te.

No ca­so dos me­mes, há di­rei­to a com­pen­sa­ção dos au­to­res ou são con­si­de­ra­dos ‘uti­li­za­ção le­gí­ti­ma’?

Se­rão, em prin­cí­pio, ex­cep­ci­o­na­das pe­la pa­ró­dia e pe­lo le­gí­ti­mo exer­cí­cio da li­ber­da­de de ex­pres­são, a me­nos que as uti­li­za­ções se­jam tão gra­ves e in­dig­nas que pos­sam ser per­se­gui­das e pu­ni­das. tal co­mo acon­te­ce fo­ra da Internet.

Co­mo de­ve sa­ber, mui­to do có­di­go uti­li­za­do em di­ver­sos programas nas mais va­ri­a­das apli­ca­ções é reu­ti­li­za­do a par­tir de re­po­si­tó­ri­os co­mo o Github. Nes­se ca­so te­rão de exis­tir tam­bém fil­tros de uplo­ad?

De­pen­de do que se dis­ser pre­vi­a­men­te em con­tra­tos ou se são de uti­li­za­ção li­vre.

O que acon­te­ce se uma em­pre­sa, ou pes­soa, não qui­ser ser com­pen­sa­da pe­la re­pro­du­ção de um tra­ba­lho qual­quer na Internet?

A re­nún­cia a prer­ro­ga­ti­vas ma­te­ri­ais de di­rei­to de au­tor é com­ple­ta­men­te li­vre e de­ve ser cla­ra­men­te ex­pres­sa .

A Internet vai mesmo acabar da for­ma que a co­nhe­ce­mos ou is­to é uma afir­ma­ção exa­ge­ra­da e alar­mis­ta?

Is­to é uma lu­ta e ca­da par­te usa os ar­gu­men­tos ad ter­ro­rem que po­de pa­ra in­flu­en­ci­ar uma vo­ta­ção pró­xi­ma, em Ja­nei­ro de 2019. Sem­pre as­sim foi, sem­pre as­sim se­rá. Mas a Internet é um pa­raí­so? Ou tem de ser?

O que fal­ta pa­ra o Artigo 13 se tor­nar efec­ti­va­men­te uma Lei que tem de ser se­gui­da por to­das as pla­ta­for­mas de con­teú­dos na EU?

Fal­ta o re­sul­ta­do fi­nal do triá­lo­gog en­tre Comissão, , Con­se­lho e Parlamento e vo­ta­ção fi­nal no mesmo Parlamento.

Qual é que acha que é ver­da­dei­ra­men­te a gran­de im­pli­ca­ção pa­ra o dia-a-dia de um uti­li­za­dor da Internet se es­ta lei vi­er a ser apro­va­da?

Pa­ra o uti­li­za­dor fi­nal, ar­ris­co dizer que mui­to pou­co. As pla­ta­for­mas já pa­gam, em mui­tos ca­sos, re­mu­ne­ra­ções por uti­li­za­ção de obras pro­te­gi­das pe­lo di­rei­to de au­tor, já re­ti­ram con­teú­dos, e vão con­ti­nu­a­ra a fa­zê-lo, até por que, ob­vi­a­men­te, não vão ali­e­nar os seus cli­en­tes ou one­rá-los. Os ti­tu­la­res dos di­rei­tos de au­tor tam­bém vão ter de ser re­a­lis­tas e acei­tar acor­dos fle­xí­veis.

Que su­ges­tão te­ria pa­ra al­te­rar es­te artigo do ponto de vis­ta le­gal? O que es­tá mal e es­tá bem nes­te artigo?

As leis são bo­as ou más, con­so­an­te a prá­ti­ca e a apli­ca­ção pe­los tri­bu­nais. Os tri­bu­nais lo­cais, na Eu­ro­pa, já de­ci­dem ca­sos em que es­tes pro­ble­mas es­tão em jo­go. E vêm de­ci­din­do mui­to em fa­vor dos ti­tu­la­res dos di­rei­tos de pro­pri­e­da­de in­te­lec­tu­al, ain­da que ha­ja de­ci­sões de si­nal con­trá­rio, tam­bém. Mas o di­rei­to her­da­do dos anos 2000 es­tá es­ti­lha­ça­do, sem dú­vi­da. Tu­do vai de­pen­der da for­ma co­mo os tri­bu­nais lo­cais e o Tri­bu­nal de Jus­ti­ça da UE vão apli­car os stan­dards da no­va di­rec­ti­va. O tem­po dos gran­des có­di­gos que cris­ta­li­za­vam a vida em so­ci­e­da­de aca­bou. É por is­so que, em áre­as co­mo a da In­te­li­gên­cia Ar­ti­fi­ci­al, se fa­zem tan­tos ape­los aos có­di­gos éti­cos ou em áre­as co­mo o se­gre­do co­mer­ci­al e o know-how on­de é o pró­prio le­gis­la­dor a pe­dir có­di­gos éti­cos de em­pre­sas, co­mo for­mas com­ple­men­ta­res de le­gis­lar. Por mim, pre­fi­ro mil ve­zes leis eu­ro­pei­as e o Tri­bu­nal de Jus­ti­ça a de­ci­dir que es­ta anar­quia nos tri­bu­nais por­tu­gue­ses que apli­cam os di­rei­tos de pro­pri­e­da­de in­te­lec­tu­al de for­mas, por ve­zes, ina­cre­di­tá­veis. Te­nho ago­ra um ca­so em que a pri­mei­ra ins­tân­cia dis­se uma coi­sa, a Re­la­ção ou­tra di­fe­ren­te e o Su­pe­ri­or Tri­bu­nal de Jus­ti­ça ain­da veio com uma ter­cei­ra in­ter­pre­ta­ção, to­das er­ra­das, di­ga-se. Por is­so, por mim, mais Eu­ro­pa, por fa­vor, ain­da qque com al­gunsg er­ros de pper­cur­so…

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.