@OvoDeCo­lom­bo

PC Guia - - ON - AN­DRÉ GON­ÇAL­VES con­[email protected]­ma­noid.net

Ser vi­ral é o no­vo El Do­ra­do da In­ter­net, uma for­ma de “que­brar” os al­go­rit­mos das re­des so­ci­ais pa­ra con­se­guir um al­can­ce que tra­di­ci­o­nal­men­te im­pli­ca­ria um in­ves­ti­men­to avul­ta­do na promoção dos con­teú­dos. A úl­ti­ma dé­ca­da foi mar­ca­da por su­ces­si­vas va­gas dos au­to-in­ti­tu­la­dos “gu­rus” que de­ti­nham a fór­mu­la se­cre­ta pa­ra que um conteúdo con­se­guis­se, or­ga­ni­ca­men­te, re­sul­ta­dos su­pe­ri­o­res aos de uma co­mu­ni­ca­ção pa­tro­ci­na­da num re­de. Al­qui­mis­tas do en­ga­ge­ment, nin­jas do SMO e hac­kers do cres­ci­men­to di­gi­tal, mis­tu­ram psi­co­lo­gia de gru­pos, so­ci­o­lo­gia e API pa­ra fa­zer pas­sar uma men­sa­gem atra­vés de um pú­bli­co mas­si­vo, bas­tan­te he­te­ro­gé­neo e com for­te sen­ti­do cri­ti­co.

Con­se­guir a apro­va­ção, re­co­men­da­ção e em­pe­nho das mas­sas não é fá­cil, pois di­a­ri­a­men­te sur­gem cen­te­nas de no­vas ten­ta­ti­vas de te­nên­cia. Por ou­tro la­do, após atin­gir es­se es­ta­tu­to tu­do cres­ce ex­po­nen­ci­al­men­te na­que­la que é uma ca­deia ca­da vez mais ole­a­da de fa­zer che­gar uma men­sa­gem tra­ba­lha­da a ca­da vez mais pes­so­as. Pes­so­as es­sas, que par­ti­lham e re­pli­cam con­teú­dos, não só por­que se iden­ti­fi­cam com eles, mas pa­ra se sen­ti­rem in­te­gra­das no co­lec­ti­vo que se­gue as te­nên­ci­as.

Nes­ta per­ma­nen­te lu­ta de ten­dên­ci­as, e con­tra-ten­dên­ci­as, a ge­ni­a­li­da­de da fo­to de um ovo con­se­gue des­tro­nar o re­cor­de mun­di­al de gos­tos, que es­ta­va nu­ma ima­gem de uma in­flu­en­ci­a­do­ra po­pu­lar, e um aro de ce­bo­la fri­ta con­se­gue ter mais fãs que o mai­or can­tor pop da mo­da. Só por­que sim... mas sem es­que­cer de cri­ar uma li­nha com­ple­ta de mer­chan­di­sing de ovos e aros de ce­bo­la, pois aí é que es­tá o ga­nho.

E, na ten­ta­ti­va de na­ve­gar na ten­dên­cia, lá sur­ge a fo­to do pis­ta­chio e da ga­li­nha que tam­bém que­rem “fa­ma”. Em­ba­la­dos na ten­dên­cia, mui­tos re­pli­ca­ram o exer­cí­cio fei­to pe­los seus ído­los, e ami­gos, de pu­bli­car com­pa­ra­ti­vos de fo­tos su­as com uma dé­ca­da de se­pa­ra­ção. Mas mui­to pou­cos se ques­ti­o­nam so­bre as ori­gens des­te de­sa­fio. Não que­ren­do di­zer com is­to, que ape­sar de ser uma ex­ce­len­te fer­ra­men­ta pa­ra trei­nar in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al no re­co­nhe­ci­men­to fa­ci­al, te­nha si­do es­se o pro­pó­si­to da cri­a­ção des­ta mo­da. Ape­nas que­ro dei­xar a mi­nha ho­me­na­gem a to­dos aque­les que por mé­ri­to, in­ves­ti­men­to ou sor­te con­se­guem atin­gir o es­tre­la­to das re­des so­ci­as.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.