Just Cau­se 4 New Su­per Ma­rio Bros. U De­lu­xe

Ri­co Ro­dri­guez g es­tá de vol­ta ppa­ra li­ber­tar o ppaís do pai.

PC Guia - - CONTENTS - P. Tróia

Pe­la quar­ta vez, Ri­co Ro­dri­guez, o he­rói que com­bi­na um pou­co de Ja­mes Bond, com Xan­der Ca­ge e Ram­bo, vai ten­tar li­ber­tar mais um país do ju­go de um di­ta­dor im­pla­cá­vel que co­man­da um exér­ci­to de cri­mi­no­sos. Jo­guei to­dos os epi­só­di­os des­ta sé­rie, des­de que foi lan­ça­da em 2006. Des­de es­sa al­tu­ra que, à ex­cep­ção dos avan­ços tec­no­ló­gi­cos que per­mi­ti­ram grá­fi­cos mais re­fi­na­dos o que, por sua vez trou­xe mais cri­a­ti­vi­da­de no que res­pei­ta à jo­ga­bi­li­da­de, Just Cau­se é es­sen­ci­al­men­te o mes­mo jo­go, só que pas­sa­do nu­ma lo­ca­li­za­ção di­fe­ren­te.

AVEN­TU­RAS TRO­PI­CAIS

Em to­dos os epi­só­di­os, Ri­co te­ve de re­ti­rar um di­ta­dor à for­ça do po­der de um país, mais ou me­nos tro­pi­cal. Pa­ra is­so, ser­viu-se das su­as ar­mas e gad­gets, no­me­a­da­men­te o ca­bo com uma garra na pon­ta (que lhe per­mi­te fa­zer coi­sas co­mo es­ca­lar edi­fí­ci­os e mon­ta­nhas, de­mo­lir es­tru­tu­ras ou ata­car ini­mi­gos) e o pá­ra-que­das que, em con­jun­to com o ca­bo, lhe per­mi­te vi­a­jar de um la­do pa­ra ou­tro. Mais re­cen­te­men­te, Ri­co ga­nhou um ‘wing­suit’ que lhe per­mi­te vo­ar ra­pi­da­men­te (ou cair de for a mais con­tro­la­da) pa­ra on­de qui­ser ir.

PRO­BLE­MAS FA­MI­LI­A­RES

Em Just Cau­se 4 Ri­co Ro­dri­guez vai pa­ra a ilha de So­lis, o lo­cal on­de nasceu o seu pai, pa­ra ten­tar pa­rar uma ex­pe­ri­ên­cia de con­tro­lo me­te­o­ro­ló­gi­co que, po­ten­ci­al­men­te, po­de dar ao di­ta­dor do país o po­der pa­ra do­mi­nar o mun­do. Pe­lo meio vai tam­bém li­ber­tar So­lis des­sa di­ta­du­ra. Além da pos­si­bi­li­da­de de pe­dir que en­tre­guem ar­mas e veí­cu­los, nes­te epi­só­dio, fo­ram acres­cen­ta­dos mais “brin­que­dos” pa­ra dar a Ri­co um pou­co mais de ver­sa­ti­li­da­de, co­mo é o ca­so dos ba­lões que per­mi­tem re­mo­ver ob­jec­tos que es­te­jam a obs­truir o ca­mi­nho. Em Just Cau­se 4 a me­câ­ni­ca de con­quis­ta do ma­pa tam­bém foi al­te­ra­da com a in­clu­são de um sis­te­ma em que, à me­di­da que se vão des­truin­do in­fra-es­tru­tu­ras da ca­da zo­na, as for­ças re­bel­des vão ga­nhan­do po­der até que po­dem con­quis­tar a zo­na. Nas ver­sões an­te­ri­o­res is­to era con­se­gui­do ape­nas atra­vés de sim­ples des­trui­ção de pon­tos-cha­ve co­mo cen­trais ener­gé­ti­cas ou ba­ses mi­li­ta­res.

MERECCIA ME­LHOR

Tes­tei es­te jo­go na Xbox One X e pos­so di­zer que, fran­ca­men­te, os grá­fi­cos não es­tão no pon­to. A Squa­re Enix abu­sou um pou­co do an­ti­a­li­a­sing (pe­lo me­nos nes­ta ver­são), o que faz com que os grá­fi­cos pa­re­çam des­fo­ca­dos em cer­tas si­tu­a­ções. O de­sem­pe­nho tam­bém não é na­da de es­pa­ci­al: os tem­pos de car­re­ga­men­to são lon­gos e há al­tu­ras em que tu­do fi­ca len­to, prin­ci­pal­men­te quan­do os edi­fí­ci­os co­me­çam a ex­plo­dir. O sis­te­ma pa­ra uti­li­zar os gad­gets no­vos é tu­do me­nos in­tui­ti­vo: te­mos de fa­zer vá­ri­as es­co­lhas nu­ma in­ter­fa­ce pou­co ex­plí­ci­ta. Es­te sis­te­ma de­via ser mui­to mais sim­ples e não era na­da com­pli­ca­do con­se­gui-lo. Ou­tra ques­tão é o ní­vel de di­fi­cul­da­de. Quan­do as ba­las co­me­çam a vo­ar e as ex­plo­sões a des­truir tu­do, os ini­mi­gos co­me­çam a sur­gir do na­da em va­gas su­ces­si­vas e ca­da vez mais di­fí­ceis. Não exis­te q ual­quer pro­gres­si­vi­da­de, o que po­de ser frus­tran­te pa­ra quem es­tá nas pri­mei­ras ho­ras de jo­go.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.