/ Se a ideia de con­tro­lar ob­jec­tos ou fun­ções atra­vés de gestos lhe soa a fic­ção ci­en­tí­fi­ca, en­tão, se­ja bem-vin­do ao fu­tu­ro!

Se a ideia de con­tro­lar ob­jec­tos ou fun­ções atra­vés de gestos, sem pre­ci­sar de to­car em na­da, lhe soa a fic­ção ci­en­tí­fi­ca, en­tão, se­ja bem-vin­do ao fu­tu­ro!

PC Guia - - ÍNDICE -

Tu­do aqui­lo que pa­re­cia fic­ção ci­en­tí­fi­ca em fil­mes de Hollywood é re­a­li­da­de há já al­guns anos e to­da a gen­te ig­no­rou o seu po­ten­ci­al. A Mi­cro­soft foi o pri­mei­ro gran­de fa­bri­can­te a adop­tar um sis­te­ma que per­mi­tia con­tro­lar a sua con­so­la Xbox 360: o Ki­nect. Es­te equi­pa­men­to ti­nha um ex­cep­ci­o­nal sis­te­ma de re­co­nhe­ci­men­to de gestos que per­mi­tia jo­gar ou con­tro­lar a pró­pria con­so­la e apli­ca­ções, sem usar um co­man­do. Mas a adop­ção do sis­te­ma fi­cou bas­tan­te aquém do es­pe­ra­do e o sis­te­ma, em­bo­ra te­nha re­gres­sa­do du­ran­te o lan­ça­men­to da Xbox One, aca­bou por ser des­con­ti­nu­a­do. O Mi­cro­soft Ki­nect uti­li­za­va um com­ple­xo sis­te­ma, mui­to pa­re­ci­do ao usa­do pe­los sen­so­res de re­co­nhe­ci­men­to fa­ci­al dos smartphone­s ac­tu­ais, com­pos­to por um fei­xe de luz in­fra­ver­me­lha, pos­te­ri­or­men­te cap­ta­do por uma câ­ma­ra RGB que con­se­gue de­ter­mi­nar a pro­fun­di­da­de, re­co­nhe­cen­do as­sim os gestos do uti­li­za­dor.

GESTOS NO CAR­RO?

A BMW tem si­do o fa­bri­can­te pi­o­nei­ro no de­sen­vol­vi­men­to de um sis­te­ma de re­co­nhe­ci­men­to por gestos pa­ra con­tro­lar al­gu­mas das fun­ções do seu sis­te­ma de in­fo­en­tre­te­ni­men­to iD­ri­ve. Tu­do is­to co­me­çou com o lan­ça­men­to da ac­tu­al ge­ra­ção do BMW Sé­rie 7, que aca­bou por ser re­pli­ca­do no no­vo Sé­rie 5. Es­te sis­te­ma uti­li­za uma câ­ma­ra colocada no to­po, que re­gis­ta os mo­vi­men­tos da mão na zo­na da con­so­la cen­tral, e per­mi­te con­tro­lar cer­tas fun­ções por gestos, co­mo re­gu­lar o vo­lu­me do som, acei­tar ou re­jei­tar uma cha­ma­da, mu­dar a es­ta­ção de rá­dio e ajus­tar a vi­su­a­li­za­ção de 360 graus pa­ra qu­an­do es­ti­ver a es­ta­ci­o­nar. Mas exis­tem ou­tras so­lu­ções, mais sim­ples e, mui­to ho­nes­ta­men­te, mais prá­ti­cas, co­mo os sen­so­res de pro­xi­mi­da­de co­lo­ca­dos por de­bai­xo do pa­ra-cho­ques de al­guns veí­cu­los pa­ra abrir a por­ta da ba­ga­gei­ra. Aqui, te­mos ain­da o sis­te­ma de apro­xi­ma­ção de al­guns sis­te­mas de in­fo­en­tre­te­ni­men­to de mar­cas do Gru­po Volkswa­gen (VW, Se­at e Sko­da), que ajus­tam a in­ter­fa­ce do ecrã, au­men­tan­do a di­men­são dos íco­nes, sem­pre que apro­xi­ma­mos a mão.

TAM­BÉM NOS SMARTPHONE­S?

Du­ran­te o Mo­bi­le World Con­gress, em Bar­ce­lo­na, a LG re­ve­lou dois no­vos smartphone­s: o V50 com o seu sis­te­ma de du­plo ecrã e o no­vo LG G8, que es­treia um sis­te­ma de con­tro­lo de gestos ino­va­dor. Es­te, uti­li­za uma ver­são mi­ni­a­tu­ri­za­da de uma câ­ma­ra cer­ti­fi­ca­da pa­ra o sis­te­ma de re­a­li­da­de au­men­ta­da da Go­o­gle, que te­rá co­mo prin­ci­pal fun­ção o re­co­nhe­ci­men­to da pal­ma da sua mão pa­ra des­blo­que­ar o dis­po­si­ti­vo, sen­do uti­li­za­do, pa­ra tal, o re­co­nhe­ci­men­to da nos­sa cir­cu­la­ção san­guí­nea, al­go que, se­gun­do res­pon­sá­veis da LG, é im­pos­sí­vel de fal­si­fi­car. O sis­te­ma tam­bém re­co­nhe­ce gestos atra­vés da tec­no­lo­gia Air Mo­ti­on, que per­mi­te de­sem­pe­nhar fun­ções co­mo re­gu­lar o vo­lu­me ou abrir uma das su­as apli­ca­ções mais uti­li­za­das. Em­bo­ra, nu­ma pri­mei­ra im­pres­são, a tec­no­lo­gia da LG re­ve­le pre­ci­sar de ser aper­fei­ço­a­do, se­rá que tem fu­tu­ro? Is­so é uma per­gun­ta à qual já não con­se­gui­mos res­pon­der.

Em­bo­ra fu­tu­ris­tas e in­te­res­san­tes, os sis­te­mas de in­te­rac­ção por gestos ten­dem a ter pou­ca adop­ção na ho­ra da com­pra.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.