AS DORES DA IDA­DE MAI­OR

PC Guia - - ON - O QUE VEM À RE­DE ALEX GAMELA @alex­ga­me­la

Es­ta cró­ni­ca era pa­ra ser mais le­ve­zi­nha. Ia fa­lar dos trin­ta anos da World Wide Web, fei­tos em Mar­ço, e de co­mo es­ta­va na ida­de adul­ta, com um em­prés­ti­mo no ban­co, um em­pre­go de que não gos­ta­va e com mau am­bi­en­te. De co­mo per­deu aque­le bri­lho­zi­nho nos olhos, pró­prio da ju­ven­tu­de, cheio de po­ten­ci­al que não se con­cre­ti­zou ape­sar das pos­si­bi­li­da­des pa­re­ce­rem in­fi­ni­tas.

Ia re­cor­dar o mun­do ma­ra­vi­lho­so do Ge­o­ci­ti­es, mor­to pa­ra os oci­den­tais há dez anos, mas de­fun­to ape­nas ago­ra no Ja­pão. Ia fa­lar dos si­tes car­re­ga­dos de GIF, ti­pos de le­tra flu­o­res­cen­tes, mú­si­ca de 8-bit em fun­do. De co­mo o Ge­o­ci­ti­es só po­de­ria so­bre­vi­ver mais dez anos num país da­que­les.

Ia ser uma cró­ni­ca gi­ra, mas veio um im­be­cil ma­tar cin­quen­ta pes­so­as em di­rec­to pa­ra as re­des so­ci­ais e es­tra­gou tu­do. Um im­be­cil nas­ci­do no lo­do da es­tu­pi­dez de pe­que­nos an­tros as­que­ro­sos que des­ti­lam ódio, in­to­le­rân­cia e frus­tra­ção.

A World Wide Web era bem mais in­te­res­san­te e di­ver­ti­da qu­an­do éra­mos pou­cos e a in­te­li­gên­cia mé­dia era su­pe­ri­or à do mun­do ana­ló­gi­co. Não é ar­ro­gân­cia, é ver­da­de. A de­mo­cra­ti­za­ção (=co­mer­ci­a­li­za­ção) do meio ni­ve­lou tu­do por bai­xo. Te­mos to­da a gen­te on­li­ne, o que in­clui to­dos os idi­o­tas. Que ago­ra en­con­tra­ram os seus can­ti­nhos pa­ra pros­pe­rar.

Is­to pa­re­ce mal vin­do de um en­tu­si­as­ta que pas­sou me­ta­de da sua vi­da adul­ta a pro­cla­mar as ma­ra­vi­lhas do mun­do di­gi­tal. Que ain­da de­fen­do: é um es­pa­ço fan­tás­ti­co cheio de fer­ra­men­tas e pos­si­bi­li­da­des in­crí­veis.

O pro­ble­ma são as pes­so­as. Co­mo não po­de­mos vol­tar ao Ge­o­ci­ti­es (san­ta epi­lep­sia!), te­mos que en­con­trar uma so­lu­ção. A WWW não foi in­ven­ta­da pa­ra que a es­tu­pi­dez se ma­ni­fes­tas­se glo­bal­men­te. Sim, vi­ve­mos num glo­bo, seus idi­o­tas cren­tes na ter­ra pla­na.

Va­mos ser adul­tos?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.