NE­GÓ­CIO PA­RA QUEM?

PC Guia - - ON - PRAIA DAS MAÇÃS Pe­dro Ani­ce­to ani­ce­[email protected]

Quem se­gue es­ta co­lu­na te­rá per­ce­bi­do que, no mês pas­sa­do, me de­di­quei aos “se­gre­dos” Ap­ple que não o eram exac­ta­men­te. Com a ex­cep­ção da so­lu­ção do âm­bi­to “fin­te­ch”, já tu­do era mais ou me­nos sa­bi­do an­tes de anun­ci­a­do. Es­cre­ver “anun­ci­a­do” é um pe­que­no eu­fe­mis­mo pa­ra um “ha­ve­re­mos de vir a ter um ser­vi­ço” em que não se anun­cia com pre­ci­são quan­do ar­ran­ca­rá… A gran­de ques­tão é sa­ber se a Eu­ro­pa (prin­ci­pal­men­te, a Eu­ro­pa) vai ser re­cep­ti­va a al­go que tem con­cor­rên­cia de pe­so (a quo­ta Net­flix é só­li­da e pa­re­ce dis­pos­ta a aguen­tar o em­ba­te mes­mo que es­te se cha­me ‘Ap­ple’…). A ma­çã dei­tou mão de um nai­pe de no­mes pa­ra o “show off” do “va­mos fa­zer” mas só o tempo o com­pro­va­rá. Vai ha­ver uma “bar­ra­gem” de pro­du­tos com meia dú­zia de “ân­co­ras” que as­se­gu­ra­rão al­gum in­te­res­se ini­ci­al e ten­ta­rão de al­gum mo­do fi­xar o con­su­mi­dor no ser­vi­ço. A não ser que o mar­ke­ting te­nha al­gum trun­fo mui­to im­por­tan­te na man­ga, não me pa­re­ce que ha­ja aqui al­go de mui­to no­vo a in­tro­du­zir. O ser­vi­ço que mais me fez re­flec­tir (até mes­mo an­tes do anún­cio) foi o das subs­cri­ções de im­pren­sa. E aqui, não te­nho qual­quer dú­vi­da de que, pa­ra os pro­du­to­res de con­teú­do eu­ro­peus (os edi­to­res), não é exac­ta­men­te uma gran­de no­tí­cia. A gran­de lu­ta dos edi­to­res de pa­pel (que ar­ras­tam con­si­go as edi­ções elec­tró­ni­cas) é a fi­xa­ção de as­si­nan­tes. Des­vi­ar da ban­ca pa­ra a as­si­na­tu­ra é o ob­jec­ti­vo ‘nú­me­ro um’ de um pu­blisher. Fi­xar re­cei­ta (an­te­ci­pan­do-a), fi­xan­do o leitor e dei­xar de de­pen­der de uma com­pra fí­si­ca re­gu­lar mais ou me­nos ale­a­tó­ria. En­tre­gar re­cei­ta a ter­cei­ros (nes­te ca­so à Ap­ple), não é ne­gó­cio pa­ra o edi­tor em si. Pa­ra o cli­en­te, sem dú­vi­da. Só se eu não es­ti­ver na pos­se do meu juí­zo per­fei­to é que di­rei não a uma “tro­ca” en­tre subs­cri­ções dos tí­tu­los que as­si­no in­di­vi­du­al­men­te por um pa­co­te de tí­tu­los que po­ten­ci­al­men­te nun­ca as­si­na­ria de­vi­do ao cus­to acu­mu­la­do. Mas is­to pa­ra o edi­tor sig­ni­fi­ca uma “fu­ga” de as­si­nan­tes e con­sequên­ci­as di­ver­sas, ne­nhu­ma de­las mui­to agra­dá­vel. O mercado já es­tá dé­bil por mui­tas e va­ri­a­das ra­zões e is­to não é de to­do um bom ne­gó­cio pa­ra quem pu­bli­ca e já tem uma ba­se de as­si­nan­tes in­te­res­san­te. «Mas oh, Pe­dro, uma pla­ta­for­ma de subs­cri­ção glo­bal vai abrir por­tas de mi­lhões de lei­to­res po­ten­ci­ais em to­do o mun­do!» (Is­to di­to as­sim até pa­re­ce ver­da­de, só que o não é…). Se­rá as­sim tão in­te­res­san­te pa­ra o pu­blisher ter o seu tí­tu­lo pre­sen­te no mercado de lín­gua es­tran­gei­ra? Em que quan­ti­da­de de pes­so­as des­per­ta­rá in­te­res­se a exis­tên­cia de con­teú­do em lín­gua por­tu­gue­sa? Ve­re­mos. Mas não acho que os edi­to­res por­tu­gue­ses es­te­jam im­pa­ci­en­tes por is­to…

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.