«SEN­TI QUE ES­TÁ­VA­MOS MUI­TO ATRA­SA­DOS NA UTI­LI­ZA­ÇÃO DA TEC­NO­LO­GIA PA­RA DI­NA­MI­ZAR O DIÁ­LO­GO EM SO­CI­E­DA­DE»

É for­ma­da em En­ge­nha­ria In­for­má­ti­ca e a sua em­pre­sa, a Know­man, cria es­tra­té­gi­as e es­pe­ci­fi­ca pla­ta­for­mas di­gi­tais pa­ra me­lho­rar a par­ti­lha de co­nhe­ci­men­to den­tro das or­ga­ni­za­ções. Mas tem ain­da uma sé­rie de ou­tros pro­jec­tos.

PC Guia - - HIGH-TECH GIRL - ANA NE­VES CEO DA KNOW­MAN

FA­LE-NOS UM POU­CO DA SUA AC­TI­VI­DA­DE.

Além da mi­nha em­pre­sa, sou res­pon­sá­vel por um si­te cha­ma­do Cidadania 2.0 so­bre a uti­li­za­ção de fer­ra­men­tas di­gi­tais pa­ra me­lho­rar a par­ti­ci­pa­ção cí­vi­ca e o diá­lo­go en­tre ci­da­dãos e Go­ver­no. Or­ga­ni­zo ain­da uma con­fe­rên­cia que já vai na oi­ta­va edi­ção so­bre a uti­li­za­ção de pla­ta­for­mas di­gi­tais den­tro das em­pre­sas pa­ra me­lho­rar a co­la­bo­ra­ção: So­ci­al Now. E, no âm­bi­to da APDSI, co­or­de­no o gru­po Ci­vicTe­ch, que de­sen­vol­ve pro­jec­tos que re­cor­rem à tec­no­lo­gia pa­ra a cidadania e a de­fe­sa de di­rei­tos hu­ma­nos. O pri­mei­ro des­ses pro­jec­tos, em ver­são be­ta fun­ci­o­nal, é uma pla­ta­for­ma que ser­vi­rá de ob­ser­va­tó­rio de vi­o­lên­cia de gé­ne­ro em Por­tu­gal.

PORQUÊ TANTOS PRO­JEC­TOS?

Pe­la pai­xão por fa­zer acon­te­cer. Não gos­to só de fa­lar, gos­to de fa­zer. A tec­no­lo­gia tem mui­to po­ten­ci­al, mas é pre­ci­so mos­trar co­mo po­de ser usa­da. Por exem­plo, o pro­jec­to Cidadania 2.0 (http://ci­da­da­nia20.com) co­me­çou por ser um even­to e ago­ra é uma pla­ta­for­ma online. E o ob­jec­ti­vo é sem­pre es­se: mos­trar às pes­so­as o que é pos­sí­vel fa­zer, cri­ar pon­tes e en­co­ra­jar as pes­so­as a fa­zer acon­te­cer.

CO­MO SUR­GIU O CIDADANIA 2.0?

A ges­tão de co­nhe­ci­men­to é a mi­nha área. Sou apai­xo­na­da pe­la di­nâ­mi­ca en­tre as pes­so­as, pe­la for­ma co­mo apren­dem e co­mo co­la­bo­ram en­tre si. Co­mo sou for­ma­da em En­ge­nha­ria In­for­má­ti­ca, sem­pre ten­tei ver o po­ten­ci­al da tec­no­lo­gia pa­ra pro­mo­ver es­sas in­te­rac­ções. Es­ti­ve no­ve anos em In­gla­ter­ra e quan­do re­gres­sei a Por­tu­gal sen­ti que es­tá­va­mos mui­to atra­sa­dos na uti­li­za­ção da tec­no­lo­gia pa­ra di­na­mi­zar o diá­lo­go em so­ci­e­da­de. En­tão, de­ci­di cri­ar um even­to pa­ra de­mons­trar o que era pos­sí­vel. Co­or­de­nei qu­a­tro edi­ções da con­fe­rên­cia Cidadania 2.0 e ago­ra man­te­nho a pla­ta­for­ma com o mes­mo no­me.

QUE TI­PO DE IDEI­AS ES­TÃO NA PLA­TA­FOR­MA?

No Cidadania 2.0 há mais de cem, to­dos em lín­gua por­tu­gue­sa. São pro­jec­tos que es­tão a uti­li­zar ou fer­ra­men­tas so­ci­ais ou da­dos aber­tos pa­ra pro­mo­ver a par­ti­ci­pa­ção cí­vi­ca, pa­ra me­lho­rar o diá­lo­go en­tre os ci­da­dãos e o Go­ver­no, ou pa­ra a de­fe­sa de di­rei­tos hu­ma­nos. O que as pes­so­as po­dem lá en­con­trar são pro­jec­tos que de­pois po­dem uti­li­zar no seu dia-a-dia ou, se es­ti­ve­rem à pro­cu­ra de re­fe­rên­ci­as, po­dem en­con­trá-las tam­bém. É tam­bém o ob­jec­ti­vo que es­te se­ja qua­se co­mo um re­po­si­tó­rio des­tes pro­jec­tos, por­que al­guns já nem se­quer exis­tem, mas pe­lo me­nos fi­ca à re­fe­rên­cia pa­ra que pos­sam ser ti­ra­das li­ções pa­ra pro­jec­tos fu­tu­ros.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.