/A PCGuia foi à Co­reia do Sul co­nhe­cer co­mo são de­sen­vol­vi­dos e fa­bri­ca­dos os equi­pa­men­tos de mai­or su­ces­so da LG.

A LG Por­tu­gal es­tá a atra­ves­sar um bom pe­río­do e a mar­ca apro­vei­tou a oca­sião pa­ra con­vi­dar a PCGuia a vi­si­tar a Co­reia do Sul e co­nhe­cer co­mo são de­sen­vol­vi­dos e fa­bri­ca­dos os seus equi­pa­men­tos de mai­or su­ces­so.

PC Guia - - ÍNDICE -

O ano de 2018 foi de su­ces­so pa­ra a LG, que con­se­guiu con­quis­tar uma po­si­ção de li­de­ran­ça, não só eu­ro­peia co­mo glo­bal, em ter­mos de no­to­ri­e­da­de e de pre­fe­rên­cia de mar­ca. A LG re­gis­tou re­sul­ta­dos im­pres­si­o­nan­tes, gra­ças ao su­ces­so de pro­du­tos co­mo os te­le­vi­so­res OLED, que cres­ce­ram 70% fa­ce a 2016, e o seg­men­to de Di­gi­tal Sig­na­ge que re­gis­tou um cres­ci­men­to de 51%. Es­tes re­sul­ta­dos tor­na­ram a LG no fa­bri­can­te com mai­or quo­ta de mercado (36,8%) de te­le­vi­so­res em Por­tu­gal, bem co­mo nos mo­ni­to­res aci­ma das 29 po­le­ga­das (39,7%), nas má­qui­nas de la­var (18,1%) e nos fri­go­rí­fi­cos Si­de to Si­de (51%).

SE­GRE­DO SUL-COREANO

Mas co­mo é que uma em­pre­sa que co­me­çou por fa­bri­car sa­bo­ne­tes, pas­tas de den­tes e ou­tros pro­du­tos quí­mi­cos, e com o ori­gi­nal no­me de Lak Hui Che­mi­cal In­dus­tri­al Cor­po­ra­ti­on, aca­ba­ria por se tor­nar uma das em­pre­sas tec­no­lo­gi­ca­men­te mais avan­ça­das do mun­do? Tu­do co­me­çou quan­do a “Lucky” Che­mi­cal con­se­guiu aper­fei­ço­ar a pro­du­ção de plás­ti­cos, per­mi­tin­do as­sim fun­dar a Golds­tar em 1958, em­pre­sa que te­ria co­mo pri­o­ri­da­de a pro­du­ção de equi­pa­men­tos elec­tró­ni­cos, co­mo rá­di­os. O seu pri­mei­ro te­le­vi­sor aca­ba­ria por ser pro­du­zi­do em 1966, e em 1977 che­ga­va o pri­mei­ro te­le­vi­sor a co­res. Des­de en­tão, a GoldS­tar uniu-se, em no­me, à Lucky Che­mi­cal, cri­an­do as­sim, em 1995, a LG - Lucky GoldS­tar. Es­ta his­tó­ria é ain­da mais im­pres­si­o­nan­te se ti­ver­mos em con­ta tu­do o que a Co­reia do Sul so­freu, em ter­mos po­lí­ti­cos, so­ci­ais e eco­nó­mi­cos du­ran­te o sé­cu­lo XX: foi in­va­di­da pe­lo Ja­pão até ao fi­nal da dé­ca­da de qua­ren­ta, pas­sou por um mor­tí­fe­ro con­fli­to com a Co­reia do Nor­te no iní­cio da dé­ca­da de cin­quen­ta que vi­mi­ti­zou mais de 1,2 mi­lhões de pes­so­as, e te­ve a in­ter­ven­ção do FMI du­ran­te a cri­se fi­nan­cei­ra asiá­ti­ca de 1997.

IN­VES­TI­GA­ÇÃO E DE­SEN­VOL­VI­MEN­TO

Em­bo­ra a ca­pa­ci­da­de de pro­du­ção se­ja um fac­tor fun­da­men­tal pa­ra qual­quer em­pre­sa, é a in­ves­ti­ga­ção e de­sen­vol­vi­men­to quem tem re­ce­bi­do mai­or in­ves­ti­men­to, ten­do a LG inau­gu­ra­do re­cen­te­men­te o LG Sci­en­ce Park, um com­ple­xo de vin­te edi­fí­ci­os, es­pa­lha­dos nu­ma área to­tal de 275 hec­ta­res, reu­nin­do aqui os de­par­ta­men­tos de in­ves­ti­ga­ção de to­das as di­vi­sões de ne­gó­cio da LG, des­de elec­tró­ni­ca de con­su­mo, quí­mi­cos, co­mu­ni­ca­ções e ser­vi­ços. Quan­do es­te cen­tro, lo­ca­li­za­do na par­te oci­den­tal de Seul (na zo­na de Gang­seo-Gu), es­ti­ver fi­na­li­za­do, per­mi­ti­rá re­ce­ber até 25 mil co­la­bo­ra­do­res, que se­rão res­pon­sá­veis pe­lo de­sen­vol­vi­men­to dos

fu­tu­ros equi­pa­men­tos LG, nas mais di­ver­sas áre­as.

PRO­DU­ÇÃO DE PAI­NÉIS

Por se tra­tar de um dos mai­o­res fa­bri­can­tes de pai­néis do mun­do, a vi­si­ta à fá­bri­ca da LG Dis­play em Pa­ju, jun­to à fron­tei­ra com a Co­reia do Nor­te, pro­me­tia ser o pon­to al­go da vi­si­ta. Nes­tas gi­gan­tes­cas ins­ta­la­ções, que reú­nem 59 mil fun­ci­o­ná­ri­os, a LG Dis­play pro­duz to­do o ti­po de pai­néis, des­de ecrãs de te­le­vi­so­res (LCD e OLED), mo­ni­to­res, dis­po­si­ti­vos mó­veis, so­lu­ções de co­mér­cio, ecrãs pa­ra o mercado au­to­mó­vel, bem co­mo ilu­mi­na­ção OLED nos mais va­ri­a­dos for­ma­tos. In­fe­liz­men­te, por ques­tões de se­gu­ran­ça e de se­gre­do de ne­gó­cio, uma vez que a es­pi­o­na­gem in­dus­tri­al é uma cons­tan­te nes­te país, pou­co mais con­se­gui­mos vi­si­tar que um in­te­res­san­te sho­wro­om que de­mons­tra­va to­do o po­ten­ci­al dos pai­néis OLED, co­mo as di­fe­ren­ças da sua com­po­si­ção fa­ce aos pai­néis LCD, bem co­mo inú­me­ros exem­plos pa­ra a sua apli­ca­ção. A vi­si­ta foi mui­to re­du­zi­da, ten­do

si­do ape­nas pos­sí­vel co­nhe­cer uma das prin­ci­pais má­qui­nas da fá­bri­ca, que tem co­mo ta­re­fa a im­pres­são do com­ple­xo cir­cui­to con­du­tor or­gâ­ni­co dos pai­néis OLED, que fi­ca alo­ja­do en­tre os dois eléc­tro­dos. Es­te pai­nel, quan­do con­cluí­do, se­rá pos­te­ri­or­men­te cor­ta­do à me­di­da cer­ta, pa­ra as di­ver­sas apli­ca­ções, co­mo os te­le­vi­so­res OLED, tan­to da LG co­mo de ou­tros fa­bri­can­tes (Sony e Pa­na­so­nic, por exem­plo), bem co­mo mo­ni­to­res, smartpho­nes e ta­blets.

ELEC­TRO­DO­MÉS­TI­COS

No dia se­guin­te ru­má­mos a Sul, pa­ra Bu­san, com o ob­jec­ti­vo de vi­si­tar a fá­bri­ca de Changwon (lo­ca­li­za­da na ci­da­de vi­zi­nha de Se­ong­san-Don) uma das prin­ci­pais fá­bri­cas de elec­tro­do­més­ti­cos da LG, a ní­vel glo­bal. Se achá­mos a fá­bri­ca da LG Dis­play em Pa­ju enor­me, não exis­tem pa­la­vras pa­ra des­cre­ver a di­men­são des­tas ins­ta­la­ções, que mes­mo vis­tas no to­po do edi­fí­cio cen­tral da fá­bri­ca, pa­re­cem co­brir to­do o va­le da re­gião com os inú­me­ros edi­fí­ci­os per­ten­cen­tes, tan­to às di­ver­sas fá­bri­cas da LG, co­mo aos seus par­cei­ros. Nes­tas ins­ta­la­ções foi pos­sí­vel vi­si­tar du­as li­nhas de mon­ta­gem de má­qui­nas de la­var rou­pa, ten­do es­tas cer­ca de 130 me­tros ca­da, que vão des­de as má­qui­nas de pren­sa da es­tru­tu­ra, pas­san­do pe­la mon­ta­gem de to­dos os com­po­nen­tes, e o obri­ga­tó­rio con­tro­lo de qua­li­da­de de to­das as fun­ci­o­na­li­da­des e da mon­ta­gem fi­nal. No fi­nal da li­nha, to­das as má­qui­nas são de­vi­da­men­te em­ba­la­das e trans­por­ta­das di­rec­ta­men­te pa­ra os con­ten­to­res, ca­da um com des­ti­no es­pe­cí­fi­co pa­ra os mais de cem paí­ses on­de a LG es­tá pre­sen­te. Ao to­do, sa­em da li­nha de mon­ta­gem uma má­qui­na de la­var a ca­da dez se­gun­dos, de­mo­ran­do ca­da uma en­tre de­zas­seis e de­zoi­to mi­nu­tos a per­cor­rer to­da a li­nha, va­ri­an­do es­se va­lor de acor­do com a com­ple­xi­da­de do mo­de­lo, co­mo as má­qui­nas LG TwinWash. Já no ca­so dos fri­go­rí­fi­cos, a li­nha de mon­ta­gem é mais ex­ten­sa, de­vi­do aos pas­sos adi­ci­o­nais ne­ces­sá­ri­os fa­ce às má­qui­nas de la­var. Com apro­xi­ma­da­men­te 650 me­tros de com­pri­men­to, são pre­ci­sas du­as ho­ras pa­ra a pro­du­ção de ca­da fri­go­rí­fi­co, já que es­tes obri­gam a que a es­tru­tu­ra in­ter­na se­ja de­vi­da­men­te mon­ta­da, bem co­mo o sis­te­ma de gás, to­da a elec­tró­ni­ca, iso­la­men­to e es­tru­tu­ra ex­ter­na. Não nos po­de­mos es­que­cer ain­da da obri­ga­tó­ria ins­pec­ção fun­ci­o­nal e vi­su­al de ca­da uni­da­de, bem co­mo da mon­ta­gem de to­dos os aces­só­ri­os e res­pec­ti­vo em­ba­la­men­to. Ain­da as­sim, a LG pro­duz nes­ta fá­bri­ca um fri­go­rí­fi­co a ca­da de­zas­seis se­gun­dos, sen­do pos­sí­vel pro­du­zir dois mo­de­los dis­tin­tos ao mes­mo tempo. É aqui que são pro­du­zi­dos os im­pres­si­o­nan­tes fri­go­rí­fi­cos Si­de by Si­de com a ja­ne­la Ins­taVi­ew, pa­ra per­mi­tir vis­lum­brar o con­teú­do no in­te­ri­or do mes­mo, sem pre­ci­sar de o abrir.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.