/ Mitos tec­no­ló­gi­cos des­mas­ca­ra­dos

Se­rá que con­se­gui­mos mes­mo na­ve­gar de for­ma anó­ni­ma na In­ter­net? Sai­ba a res­pos­ta a es­ta per­gun­ta e des­ven­de con­nos­co ou­tros mitos tec­no­ló­gi­cos co­muns.

PC Guia - - ÍNDICE -

1 COM UMA VPN NÃO PO­DE­MOS SER DETECTADOS

Ape­sar de as li­ga­ções por VPN (Vir­tu­al Pri­va­te Network) se­rem en­crip­ta­das e, por is­so, o seu for­ne­ce­dor de ser­vi­ço de In­ter­net não sa­ber o que es­tá a fa­zer online, o ser­vi­ço de VPN te­rá aces­so a to­do o seu his­tó­ri­co. Os for­ne­ce­do­res mais co­nhe­ci­dos des­te ti­po de re­de têm po­lí­ti­cas que in­di­cam o que fa­zem com os da­dos dos uti­li­za­do­res, por is­so acon­se­lha­mos uma lei­tu­ra aten­ta an­tes de se re­gis­tar em qual­quer um de­les. No en­tan­to, al­guns ser­vi­ços mais du­vi­do­sos po­dem não ser trans­pa­ren­tes e re­co­lher/ven­der os seus da­dos a ter­cei­ros. Pa­ra du­pli­car a sua pro­tec­ção, acon­se­lha­mos que use uma VPN em con­jun­to com na­ve­ga­ção anó­ni­ma de um brow­ser que se­ja ba­se­a­do em TOR (tor­pro­ject. org). Te­nha em aten­ção que, ao ini­ci­ar ses­são num ser­vi­ço, co­mo por exem­plo o Gmail, per­de­rá qual­quer ano­ni­mi­da­de que te­nha.

2 DESACTIVAR E-MAILS DE SPAM PROVOCA MAIS SPAM

Cli­car nos links pa­ra dei­xar de re­ce­ber e-mails con­fir­ma que o seu en­de­re­ço é vá­li­do. Ora, nem sem­pre os spam­mers po­de­ri­am sa­ber is­to, o que po­de ser con­tra­pro­du­cen­te. Mas a ver­da­de é que des­de que o Re­gu­la­men­to Ge­ral de Pro­tec­ção de Da­dos (RGPD) en­trou em vi­gor, e as re­gras em re­la­ção ao uso dos da­dos dos uti­li­za­do­res fo­ram aper­ta­das, fa­zer o cha­ma­do ‘opt-out’ não de­ve ser um pro­ble­ma na mai­o­ria dos ser­vi­ços. No en­tan­to, po­de­rão exis­tir em­pre­sas que não são bem in­ten­ci­o­na­das e, nes­ses ca­sos, o me­lhor é op­tar por sim­ples­men­te apa­gar as men­sa­gens. Além dis­so, de­ve­rá desactivar o down­lo­ad au­to­má­ti­co de ima­gens dos emails já que mui­tas ve­zes ser­vem pa­ra ve­ri­fi­car se abriu a men­sa­gem. Se usa o Ou­tlo­ok 2010 ou uma ver­são pos­te­ri­or, vá a ‘Fi­chei­ro’ > ‘Op­ções’ > ‘Cen­tro de Con­fi­an­ça’ e cli­que no bo­tão ‘De­fi­ni­ções do Cen­tro de Con­fi­an­ça’. Nes­sa área es­co­lha ‘Trans­fe­rên­cia Au­to­má­ti­ca’ e as­si­na­le as cai­xas que co­me­çam por ‘Não trans­fe­rir ima­gens em men­sa­gens de e-mail HTML…’.

3 A NA­VE­GA­ÇÃO ANÓ­NI­MA NÃO DEI­XA RASTO

Se usar a na­ve­ga­ção anó­ni­ma no Ch­ro­me, no Fi­re­fox ou no Ed­ge, os si­tes não vão con­se­guir guar­dar co­o­ki­es no seu PC… mas es­ta fun­ci­o­na­li­da­de não ocul­ta o que es­tá a fa­zer e as pá­gi­nas Web que vi­si­ta. O seu for­ne­ce­dor de ser­vi­ço de In­ter­net te­rá aces­so a tu­do o que faz e as pá­gi­nas que vi­si­tar vão con­se­guir lo­ca­li­zá-lo com ba­se no seu en­de­re­ço de IP. Se quer mes­mo fi­car anó­ni­mo, te­rá de usar uma VPN co­mo já in­di­cá­mos, mas mes­mo as­sim não há ga­ran­tia to­tal de pri­va­ci­da­de.

Um fac­to tec­no­ló­gi­co que mais pa­re­ce um mi­to: no au­ge da Guer­ra Fria, a pas­sword pa­ra o lan­ça­men­to dos mís­seis nu­cle­a­res dos EUA era 00000000.

4 DEI­XAR A BA­TE­RIA DO POR­TÁ­TIL OU DO SMARTPHO­NE CHE­GAR A 0% É O ME­LHOR

Is­to era uma boa ideia quan­do se usa­vam ba­te­ri­as de ní­quel (Ni-Mh) mas com as mais re­cen­tes ba­te­ri­as de iões de lí­tio (Li-ion), que têm ci­clos de car­re­ga­men­to, não é, de to­do acon­se­lhá­vel. Car­re­gar a ba­te­ria a 100% ou es­go­tá-la na to­ta­li­da­de con­ta co­mo um ci­clo de car­re­ga­men­to en­quan­to car­re­gar uma ba­te­ria até 75% e de­pois dei­xá-la ir até 50% con­ta ape­nas co­mo ¼ de ci­clo. Se a ba­te­ria es­ti­ver clas­si­fi­ca­da co­mo ten­do 500 ci­clos, co­mo é o ca­so dos iPho­nes, vai con­se­guir car­re­gá-la cer­ca de du­as mil ve­zes an­tes de no­tar que a ca­pa­ci­da­de da mes­ma di­mi­nui. Po­de con­fir­mar o que a Ap­ple diz so­bre es­te as­sun­to em ap­ple.co/2Go9CBe. Car­re­gar uma ba­te­ria à vol­ta de 50% co­lo­ca me­nos «stress» nas cé­lu­las de lí­tio e é por is­so que há al­gu­ma ver­da­de quan­do se diz que não se de­ve dei­xar o te­le­mó­vel ou o com­pu­ta­dor a car­re­gar du­ran­te a noi­te. Is­to só não é in­tei­ra­men­te ver­da­de por­que os car­re­ga­do­res se des­ca­ti­vam quan­do a ba­te­ria che­ga a 100%, pa­ra não a so­bre­car­re­gar. Ter uma to­ma­da com tem­po­ri­za­dor que se des­li­ga au­to­ma­ti­ca­men­te após al­gu­mas ho­ras po­de ser uma boa e eco­nó­mi­ca so­lu­ção pa­ra es­te pro­ble­ma.

5 TER UM AR­MA­ZE­NA­MEN­TO CLOUD É O MES­MO QUE FA­ZER BACKUP

Se usa um ser­vi­ço online co­mo o Drop­box ou OneD­ri­ve, es­se for­ne­ce­dor vai fa­zer bac­kups re­gu­la­res dos con­teú­dos que ti­ver na cloud. Ca­so te­nha uma con­ta Ba­sic ou Plus no Drop­box, o backup é fei­to por trin­ta di­as. As­sim, se apa­gar al­gu­ma fo­to­gra­fia ou fi­chei­ro e não der con­ta num espaço de um mês, po­de per­der es­ses da­dos. Fa­ça sem­pre có­pi­as de se­gu­ran­ça lo­cais, por exem­plo pa­ra um dis­co ex­ter­no atra­vés da op­ção ‘His­tó­ri­co de Fi­chei­ros’ do Win­dows. Pa­ra tal vá a ‘De­fi­ni­ções’ > ‘Atu­a­li­za­ções e Se­gu­ran­ça’ > ‘Có­pia de Se­gu­ran­ça’ e in­di­que a dri­ve pa­ra a qual quer que o backup se­ja fei­to e com que pe­ri­o­di­ci­da­de.

6 DE­VE­MOS DESFRAGMEN­TAR O DIS­CO DO PC COM RE­GU­LA­RI­DA­DE

O Win­dows 10 des­frag­men­ta o dis­co rí­gi­do uma vez por se­ma­na, por is­so, se nun­ca de­sac­ti­vou es­sa op­ção, não há qual­quer ne­ces­si­da­de de fa­zer es­te pro­ces­so ma­nu­al­men­te. Mes­mo as­sim, sem­pre que qui­ser ver se o seu dis­co pre­ci­sa de re­ce­ber es­te “tra­ta­men­to”, bas­ta ir à bar­ra de pes­qui­sa do sis­te­ma ope­ra­ti­vo e es­cre­ver desfragmen­tar. Em se­gui­da es­co­lha ‘Desfragmen­tar e Oti­mi­zar Uni­da­des’ e na co­lu­na ‘Es­ta­do atu­al’ [1] ve­ri­fi­ca­rá há quan­to tempo foi fei­ta a úl­ti­ma e se é ne­ces­sá­rio fa­zer uma no­va des­frag­men­ta­ção.

7 RE­TI­RAR PENS USB SEM EJECTAR É PREJUDICIA­L

Tal co­mo a Mi­cro­soft con­fir­mou re­cen­te­men­te, não é ne­ces­sá­rio ir à área de no­ti­fi­ca­ção e cli­car no íco­ne pa­ra ejectar a dri­ve USB em se­gu­ran­ça. A úl­ti­ma ver­são do Win­dows 10 tem uma fun­ci­o­na­li­da­de cha­ma­da ‘Re­mo­ção rá­pi­da’ que lhe per­mi­te ti­rar uma dri­ve USB sem­pre que qui­ser, des­de que o sis­te­ma não es­te­ja a es­cre­ver fi­chei­ros pa­ra es­sa uni­da­de. Es­ta fun­ci­o­na­li­da­de es­tá ac­ti­va por de­fei­to des­de a ver­são 1809 do sis­te­ma ope­ra­ti­vo, mas, ca­so te­nha ou­tra ver­são mais an­ti­ga, ou qui­ser ga­ran­tir que tem es­sa op­ção ac­ti­va, es­cre­va ges­tor de dis­po­si­ti­vos na bar­ra de pes­qui­sa do Win­dows e de­pois cli­que em ‘Uni­da­des de dis­co’ > ‘USB Dri­ve’. Em se­gui­da, cli­que com o bo­tão di­rei­to do ra­to e es­co­lha ‘Pro­pri­e­da­des’ > ‘Po­lí­ti­cas’ e ve­ja se a op­ção ‘Re­mo­ção rá­pi­da’ es­tá ac­ti­va ou as­si­na­le-a e fa­ça ‘OK’. Pa­ra que is­to fun­ci­o­ne te­rá de ter uma pen USB li­ga­da no mo­men­to em fi­zer es­ta ac­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.